Neymar publica foto de beijo com Marquezine e se declara: ‘Nos teus braços’

Esse vai-e-volta ainda pode render.... Link do Jornal Extra encaminhado por Pryscilla Maria Castro, com pedido de publicação Brumar está mesmo de volta. O craque Neymar publicou no Instagram a foto do beijo em Bruna Marquezine e aproveitou para declarar seu amor pela atriz. Separados oficialmente desde junho, os dois voltaram a ficar juntos no réveillon, em Fernando de Noronha. Vídeos mostraram o clima de romance entre o jogador e a estrela da TV desde o último sábado e levantaram os rumores de reconciliação. "Quando vi, já estava nos teus braços... Love u, pretinha (Te amo, pretinha)", escreveu o camisa 10 do Paris Saint-Germain na legenda da foto que circulou nas redes.

Continuar lendo Neymar publica foto de beijo com Marquezine e se declara: ‘Nos teus braços’

Isabel Allende: “Me apaixonei de novo aos 75. Não há amor sem risco”

Escritora publica ‘Além do Inverno’, uma obra sobre a capacidade de alegria, esperança e reinvenção Há um ano e meio, quando foi a Madri apresentar seu penúltimo livro, O Amante Japonês, Isabel Allende dizia a quem quisesse escutá-la, com os olhos em brasa: “Estou aberta ao amor”. Tinha 73 anos e acabava de romper “triste mas civilizadamente” uma convivência de 28 anos com Willy, o gringo grande e amoroso de alguns de seus romances. No último domingo, Allende voltou a Madri com um novo livro na mão e um novo amor fazendo-a rir à toa. Além do Inverno, o título de sua nova obra, inspirado em uma frase de Camus, é uma homenagem à capacidade de alegria, esperança e reinvenção que as pessoas possuem por piores que sejam suas circunstâncias. “Não só os humanos, mas também os povos, as nações, o mundo tem dentro de si um verão invencível que pode acabar com qualquer inverno se lhe dermos a oportunidade e assumimos o risco”, diz ela. E quem a vê só pode acreditar nela. Primorosamente vestida com um casaco amarelo e maquiada como quem vai a uma festa de casamento, Allende recebe na meia-luz de uma sala da vetusta Casa da América. “Esta luz é desumana. Vamos parecer macacos na foto”, brinca, com a desenvoltura que lhe conferem décadas de entrevistas em sua longa carreira de estrela global da literatura. Allende (Lima, 1942) despachou milhões de exemplares de seus 23 livros, de A Casa dos Espíritos até De Amor e de Sombra e Contos de Eva Luna e Paula, sua obra mais íntima e também a mais querida, mesmo que só pelo fato de que, graças a ela, sua falecida filha Paula continua viva na memória coletiva. “Ainda hoje, 23 anos depois, recebo cartas de pessoas doentes, ou que sofreram uma perda, ou que chamaram uma filha de Paula inspirados nela, e isso é muito mais do que alguém pode esperar de uma obra”, diz, com seus olhos aquosos mais úmidos que nunca. Os protagonistas de seu novo romance, Lucía, Richard e Evelyn – dois sessentões e uma adolescente, são especialistas em perdas, dor e desterro. Imigrantes os três nos Estados Unidos, cada um fugindo de um derrota pessoal e coletiva, e unidos por um capricho do destino, descobrem seu verão interno redimidos uns pelo amor romântico e todos pela solidariedade com o próximo.

Continuar lendo Isabel Allende: “Me apaixonei de novo aos 75. Não há amor sem risco”