Conta de luz fica mais barata, mas continua no patamar vermelho

Patamar tarifário da bandeira vermelha passa do 2 para o 1 em razão do aumento no nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que as contas de luz terão bandeira vermelha em seu patamar 1 no mês de dezembro. Com isso, os consumidores terão uma taxa extra de 3 reais a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Em novembro, vigorou a bandeira vermelha patamar dois, cuja cobrança é de 5 reais a cada 100 kWh consumidos. A mudança da bandeira foi possível em razão do aumento das chuvas, que ajudou a recuperar o nível dos reservatórios das hidrelétricas. “Houve uma pequena evolução na situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas em relação ao mês anterior, o que possibilitou o acionamento da bandeira vermelha no patamar 1”, informou a Aneel. “Ainda que não haja risco de desabastecimento de energia elétrica, é preciso reforçar as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício”, acrescentou a agência. A divulgação da bandeira do mês de dezembro deveria ter ocorrido na última sexta-feira. A Aneel não informou o motivo do atraso. Seca A persistência da seca fez com que a agência antecipasse o reajuste das bandeiras, que seria válido apenas a partir de janeiro. Com as alterações propostas pela Aneel, o sistema das bandeiras tarifárias passa a levar em consideração o nível dos reservatórios das hidrelétricas (risco hidrológico). Até então, o modelo considerava apenas o preço da energia no mercado à vista (PLD).

Continuar lendo Conta de luz fica mais barata, mas continua no patamar vermelho

Preço da gasolina cai em postos de combustíveis da capital. O litro pode ser encontrado até a R$ 2,99

O preço médio da gasolina tem se mantido estável na maioria dos postos de combustíveis da capital maranhense. Foi o que constatou O Imparcial, em matéria publicada nesta terça-feira (18). Segundo o jornal, na maioria dos postos visitados  a gasolina comum foi encontrada a R$ 3,09. A maior variação foi percebida no preço da gasolina aditivada. A reportagem percorreu os postos da área do Jaracati, Camboa, Areinha, Bacanga, São Francisco, Ponta D'Areia e Calhau. O jornal  não cita, mas há alguns postos de combustíveis  em São Luís revendendo gasolina comum a R$ 2,999 o litro. Nem precisa andar muito para encontrá-los. Faltou percorrer a regiões como Anil, Jerônimo de Albuquuerque, Turu, Araçagy e Estrada de Ribamar, a partir da Forquilha, entre outras. Entre os postos analisados pelo jornal, o menor preço para o litro da gasolina comum foi encontrado a R$ 3,08, na modalidade de pagamento em dinheiro ou débito, em um posto localizado na Ponta d’Areia. O maior preço foi identificado em um posto situado na Avenida dos Holandeses, no Calhau, onde a gasolina comum foi encontrada a R$ 3,49. Na modalidade cartão de crédito, a gasolina comum foi encontrada a R$ 3,24.

Continuar lendo Preço da gasolina cai em postos de combustíveis da capital. O litro pode ser encontrado até a R$ 2,99

Petrobras anuncia redução dos preços da gasolina e do diesel nas refinarias. Vão baixar nos postos?

POR ESTADÃO CONTEÚDO A Petrobras anunciou nesta quinta-feira (25/05) a redução dos preços nas refinarias em 5,4% para a gasolina e em 3,5% para o diesel. Em comunicado, a estatal explicou que a concorrência com combustíveis importados motivou a redução dos preços. A Petrobras frisou ainda que os novos valores continuam com "margem positiva em relação à paridade internacional" e sinalizou que poderá aumentar a frequência dos reajustes. "A decisão foi guiada predominantemente por um aumento significativo nas importações no último mês, o que obrigou ajustes de competitividade da Petrobras no mercado interno. Conforme princípio da política em vigor, a participação de mercado da empresa é um dos componentes de análise considerado", diz a nota divulgada pela Petrobras. Segundo a estatal, a importação de gasolina por terceiros para o mercado interno cresceu de 240 mil metros cúbicos em fevereiro para 419 mil em abril. O aumento é de 74,6%. Na nota, a Petrobras ressalta que há "previsão de manutenção em torno deste nível em maio". Já a importação de diesel saiu de 564 mil metros cúbicos em fevereiro para 811 mil em abril, alta de 43,8%. Conforme a empresa, a previsão é que o volume de diesel importado passe de 1 milhão de metros cúbicos em maio. "Com isso, as refinarias da Petrobras podem chegar a um fator de utilização abaixo do último dado divulgado pela companhia em seus resultados trimestrais, que foi de 77%", diz a nota. Nos cálculos da estatal, se o reajuste for inteiramente repassado ao varejo, o diesel poderá ficar 2,2%, ou cerca de R$ 0,07 por litro, em média, mais barato para o consumidor final. Já o preço da gasolina nas bombas dos postos poderá cair 2,4% ou R$ 0,09 por litro, em média. O reajuste anterior de preços tinha sido anunciado pela Petrobras em 20 de abril. Naquela ocasião, os preços do diesel e da gasolina nas refinarias subiram 4,3% e 2,2%, respectivamente.

Continuar lendo Petrobras anuncia redução dos preços da gasolina e do diesel nas refinarias. Vão baixar nos postos?

Segundo a ANP, preço dos combustíveis nas bombas caiu ao seu menor nível em 1 ano

NO MARANHÃO E SUA CAPITAL, SÃO LUÍS, MUITOS POSTOS PRATICAM PREÇOS ABAIXO DA MÉDIA NACIONAL O preço médio da gasolina vendida nos postos do Brasil caiu na semana passada para seu menor nível em um ano e quatro meses, enquanto o etanol e o diesel também recuaram, apontaram dados publicados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), nesta segunda-feira (24). Esse preço médio é fruto da variação de preços nos postos. Em São Luís, por exemplo, a maioria dos postos está praticando preços na casa de R$ 3,399, havendo alguns que, fazendo promoção relâmpago, chega a baixar o preço do litro de gasolina para R$ 3,09 que exigem pagamento em dinheiro vivo. Mas há postos, na capital, que tabelam seus preços em até 3,70. Cabe ao consumidor se livrar desses postos. Na maioria dos municípios do interior do Maranhão, os valores cobrados pelo litro da gasolina, do diesel e do etanol são bem superiores aos da capital, notadamente nos muniípios do médio sertão e região Sul Em nível nacional, o preço médio da gasolina caiu 0,3% na semana encerrada em 22 de abril ante a semana anterior, passando de R$ 3,639 para R$ 3,629 o litro. É o menor patamar desde a semana encerrada em 19 de dezembro de 2015, quando o combustível fóssil foi vendido a R$ 3,628. A queda nos preços dos combustíveis ocorre em meio a uma fraqueza no consumo no Brasil, diante da crise econômica, e também por conta de uma nova política da Petrobras, de reajustes mais frequentes, que resultaram uma queda acumulada das cotações nas refinarias nos últimos meses. Já o etanol hidratado, concorrente da gasolina nas bombas, no mesmo período, caiu 0,9% na semana passada, para R$ 2,629 por litro, segundo a ANP. O preço do diesel na bomba, por sua vez, caiu 0,1% para R$ 3,015 por litro.

Continuar lendo Segundo a ANP, preço dos combustíveis nas bombas caiu ao seu menor nível em 1 ano

Pesquisa de material escolar do Procon verifica variação de preço de 410% em Imperatriz

O Procon-MA realizou pesquisa de preço de materiais escolares em mais uma cidade do estado, dessa vez em Imperatriz. A equipe do órgão percorreu nove estabelecimentos do município, no período de 12 a 16 de janeiro, e verificou mais de 130 itens que comumente são encontrados nas listas de materiais solicitados pelas escolas particulares. A procura por esses itens, que fica mais intensa com a proximidade do início do ano letivo, assusta alguns pais que buscam preços baixos, sem comprometer o orçamento familiar. O que os números revelam são variações de preços elevadas nos mesmos materiais, como é o caso da Tesoura escolar sem ponta, marca Mundial, com menor preço de R$ 2,10 e maior de R$ 10,72, resultando em uma variação de 410% de um estabelecimento para outro. A lista de preço pesquisada pelo Procon-MA contem itens essenciais na rotina estudantil, como lapiseiras, apontadores, borrachas, canetas esferográficas, cadernos e mochilas. Segundo o presidente do órgão, Duarte Júnior, essa prática incentiva o consumidor a pesquisar os preços oferecidos no mercado antes de realizar a compra. “Com a pesquisa de preço o Procon-MA ajuda os pais a economizarem e, também, a perceberem a importância da pesquisa de preço. Além disso, evidencia o compromisso do órgão na fiscalização dos estabelecimentos, evitando o abuso de preços”, explica. Preços

Continuar lendo Pesquisa de material escolar do Procon verifica variação de preço de 410% em Imperatriz

Pesquisa de material escolar do Procon-MA demonstra variação de preço de 660%

O Procon-MA pesquisou os preços de 153 itens que constam nas listas de materiais escolares nas papelarias e livrarias estudantis de São Luís. A pesquisa foi realizada entre 28 de dezembro de 2015 e 5 de janeiro de 2016, em 13 estabelecimentos comerciais da capital. A lista demonstra a variação de preços dos produtos com os menores, maiores e valores médios de venda. São listados itens essenciais da rotina estudantil como lapiseiras, apontadores, borrachas, canetas esferográficas e hidrográficas, cadernos, colas, giz de cera, agendas escolares, mochilas e outros. Para o presidente do Procon-MA, Duarte Júnior, a pesquisa ajuda o consumidor a economizar. “Com a lista em mãos, o consumidor pode comprar mais barato e economizar na hora de comprar o material escolar dos filhos. A pesquisa também serve como instrumento para evitar abusos de preços”, explica Duarte ressaltando que a política de proteção ao consumidor é uma prioridade do governo Flávio Dino. Campeões O maior percentual de variação de preços foi verificado na venda do “Apontador escolar, com depósito, um furo”, da marca “Cis”, que chega a variar 660,00%, vendido entre R$ 0,25 e R$ 1,90 (preço médio de R$ 1,00). Em segundo lugar, está a lapiseira “Top Cis, 0.7mm, cor azul”, também da marca “Cis”, com 550% de variação, vendida a preços entre R$ 1,00 e R$ 6,50 (preço médio de R$ 4,07). Na terceira posição, está a lapiseira “Aluno, 0.7mm, cor azul”, da “Compactor”, que varia 333,33%, com menor preço a R$ 1,50 e, maior, a R$ 6,50 (preço médio R$ 4,49).

Continuar lendo Pesquisa de material escolar do Procon-MA demonstra variação de preço de 660%
Procon manda postos de combustível de São Luís “readequar” preços
Fiscais vão a postos de combustível que desobedecem a lei

Procon manda postos de combustível de São Luís “readequar” preços

Após denúncias, o Instituto de Proteção e Defesa do Consumidor (PROCON-MA) fiscalizou dois postos de combustíveisna capital. Os estabelecimentos JR 2, localizado no Cohapam, e Jatobá, situado no Coroado, estavam praticando, sem justificativa, valores acima dos que foram informados ao órgão de defesa do consumidor, que divulga os preços mais baratos cobrados semanalmente em suas redes sociais, caracterizando crime de publicidade enganosa, conforme artigo 66 do CDC, e de desobediência, segundo artigo 330 do Código Penal. A equipe de fiscalização, com o apoio da Polícia Civil do Maranhão, constatou a irregularidade nos locais e determinou a adequação imediata dos preços. Por decisão do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), na ação protocolada pela Rede Estadual em Defesa do Consumidor (RedCon), os postos de combustível devem enviar ao Procon, semanalmente, o valor previsto dos preços a serem praticados em relação aos combustíveis comercializados para a semana seguinte, sob pena de multa de R$ 1 mil. De acordo com a decisão, os postos também estão proibidos de trocar qualquer tipo de comunicação sobre preços de venda com concorrentes, visando à uniformização, majoração ou manutenção de preços de revenda de combustíveis – prática que configuraria cartel - sob pena de multa de R$ 100 mil por estabelecimento.

Continuar lendo Procon manda postos de combustível de São Luís “readequar” preços
Como se forma o preço de um veículo: automóvel no Brasil custa até 106% mais que lá fora.
Carros e carrões: preste atenção nos preços aqui denteo e lá fora...

Como se forma o preço de um veículo: automóvel no Brasil custa até 106% mais que lá fora.

Na garagem de casa, o carro da família pode ser o mesmo de americanos, europeus, argentinos ou japoneses. Mas o preço certamente é muito diferente. Margem de lucro maior, impostos elevados, altos custos de mão de obra, de logística, de infraestrutura e de matérias-primas, falta de competitividade, forte demanda e um consumidor disposto a pagar um preço alto ajudam a explicar o porquê de o veículo aqui no Brasil chegar a ser vendido por mais do que o dobro que lá fora. Levantamento em cinco países — Brasil, EUA, Argentina, França e Japão — mostrou que o carro brasileiro é sempre o mais caro. A diferença chega a 106,03% no Honda Fit vendido na França (onde se chama Honda Jazz). Aqui, sai por R$ 57.480, enquanto lá, pelo equivalente a R$ 27.898,99. A distância também é expressiva no caso do Nissan Frontier vendido nos EUA. Aqui, custa R$ 121.390 — 91,31% a mais que os R$ 63.450,06 dos americanos. Há cerca de duas semanas, a “Forbes” ridicularizou o preços no Brasil, mostrando que um Jeep Grand Cherokee básico custa US$ 89.500 (R$ 179 mil) aqui, enquanto, por esse valor, em Miami, é possível comprar três unidades do modelo, que custa US$ 28 mil.

Continuar lendo Como se forma o preço de um veículo: automóvel no Brasil custa até 106% mais que lá fora.
Justiça decide pela legalidade do aumento de tarifa de ônibus
Justiça derruba ações contra aumento do preço das passagens de ônibus na capital

Justiça decide pela legalidade do aumento de tarifa de ônibus

O juiz Clésio Coelho Cunha, que está respondendo pela Vara de Interesses Difusos e Coletivos, extinguiu as ações populares movidas pelo deputado estadual Wellington do Curso e vereador Fabio Câmara, que questionavam o aumento do preço das passagens de ônibus na capital e pleiteavam, liminarmente, a suspensão do referido aumento. Dessa forma, o juiz entendeu que é válida a medida adotada pelo Executivo municipal. Em contestação, a Procuradoria Geral do Município demonstrou, entre outras questões, a impossibilidade jurídica do pedido, uma vez que a política tarifária é ato privativo do Poder concedente; a inexistência de precariedade do serviço de transporte coletivo urbano no município de São Luís e a necessidade de manutenção do equilíbrio econômico-financeiro do sistema. Ainda em contestação, o Município sustentou que o ato administrativo do poder público Municipal, consubstanciado no decreto que reajustou o preço das tarifas do transporte coletivo, pertence à seara discricionária da administração pública municipal. Para o Procurador Geral do Município, Marcos Braid, a decisão foi acertada, pois levou em conta ainda que o aumento foi fruto de uma negociação coletiva em que o Município atuou de forma a evitar uma greve que prejudicasse os moradores de São Luís, observando os direitos de forma equânime dos trabalhadores e dos empresários do setor.

Continuar lendo Justiça decide pela legalidade do aumento de tarifa de ônibus
É possível? Donos de postos serão obrigados pela Justiça a baixar preços dos combustíveis
Se a ação não for derrubada, donos de postos estarão em maus lençóis: terão que baixar os preços e ainda pagar multa pelos abusos praticados...

É possível? Donos de postos serão obrigados pela Justiça a baixar preços dos combustíveis

Valeu a atuação da Rede de Defesa do Consumidor (RedCon), depois que a população de São Luís e a imprensa reagiram, indignadas, com os abusivos reajustes de preços sobre a gasolina, o álcool e óleo diesel praticados na capital maranhense. Nesta sexta-feira, a Justiça Estadual decidiu, analisando a ação impetrada pela RedCon que o posto de combustível que mantiver o preço acima do estipulado pelo Governo Federal – R$ 0,22 para o litro da gasolina e R$ 0,15 para o litro do diesel – vai sofrer multa de R$ 20 mil por dia de descumprimento. A decisão atinge os 244 postos que foram acionados na ação civil pública feita pela Rede de Defesa do Consumidor (RedCon), os quais terão que se adequar à ordem judicial Em entrevista coletiva, à tarde, na sede do fórum do Calhau, o titular da Vara de Interesses Difusos de São Luís, juiz Douglas de Melo Martins, explicou que os donos de postos de combustíveis não vão ter prazo nenhum pra se adequarem. “Uma vez notificados, devem baixar imediatamente os preços”, decidiu.

Continuar lendo É possível? Donos de postos serão obrigados pela Justiça a baixar preços dos combustíveis