Para o jornalista Jânio de Freitas, Pedrinhas é como o “Boi de Laurentino”… Vive da fama!

"SENTENÇA DUPLA" - JÂNIO DE FREITAS* O presídio de Pedrinhas, no Maranhão, com as 14 decapitações de presos por outros presos, foi que conquistou status de escândalo, mas foi o Presídio Central em Porto Alegre que no dia 30 passado motivou notificação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos ao Brasil, com prazo de 15 dias para sanar as monstruosidades ali impostas aos presos. Resumo mínimo: o presídio comporta 1.985 presos, amontoa 4.590; esgoto a céu aberto atravessa o que seria o pátio; o comando real há muito tempo é exercido por facções criminosas. De Norte a Sul, portanto, o mesmo sistema. Não só nos presídios. Também o Judiciário e o Ministério Público se reproduzem no Brasil todo. Os governos estaduais e o federal são os acusados de sempre. Por merecimento. Mas por exagero acusatório também, como é igualmente de praxe. A nenhum juiz, desembargador ou integrante de tribunal superior falta conhecimento das condições criminosas vigentes em presídios brasileiros. A nenhum promotor e nenhum procurador do Ministério Público Federal falta o mesmo conhecimento. O padrão geral em suas atividades funcionais, no entanto, é este: nenhuma demonstração prática de interesse pela existência dessas masmorras medievais, configuráveis como crimes tanto na legislação brasileira de direitos humanos, como em tratados internacionais de que o Brasil é signatário.

Continuar lendo Para o jornalista Jânio de Freitas, Pedrinhas é como o “Boi de Laurentino”… Vive da fama!
Lauro Assunção – Precisamos “desinventar” o conceito de raça entre os humanos…
Lauro: Cotas raciais é um conceito ilógico e sem necessidade para humanos

Lauro Assunção – Precisamos “desinventar” o conceito de raça entre os humanos…

LAURO ASSUNÇÃO - Direto do Facebook Convém deixar claro que não há variedade de raças entre os humanos Ontem, a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados aprovou o projeto enviado pela presidente Dilma que institui cotas raciais no serviço público, a exemplo do que já ocorre nas universidades federais. Segundo a presidente, essa medida faz parte das políticas afirmativo-compensatórias de seu governo. Independente dos aspectos de oportunidade, utilidade e justiça social, ou qualquer outra boa intenção que esteja a orientar o referido projeto, é preciso deixar claro que na espécie humana só existe uma raça: o homo sapiens, ou seja, a raça humana, composta de pessoas de características variadas, inclusive quanto à cor da pele. Além do consenso científico hoje existente, o Professor Doutor Sérgio Pena, titular do Departamento de Bioquímica e Imunologia da UFMG e membro da Academia Brasileira de Ciências, está laçando um livro intitulado “Humanidade sem raças”, em que, apoiado nos mais recentes estudos da genética molecular, busca provar que o conceito de raça entre os humanos não tem base biológica, propondo, inclusive, a definitiva "desinvenção" desse incorreto conceito.

Continuar lendo Lauro Assunção – Precisamos “desinventar” o conceito de raça entre os humanos…