Centrais sindicais farão paralisação na sexta contra reformas

Entidades planejam manifestações com a intenção é chamar a atenção para mudanças na lei trabalhista e na Previdência que afetam a vida dos trabalhadores Por Felipe Machado access_time 8 nov 2017, 10h14 - Publicado em 8 nov 2017, 10h09 more_horiz Fora Temer Manifestantes de centrais sindicais em Brasília (Paulo Whitaker/Reuters) As centrais sindicais farão paralisações e manifestações na sexta-feira em protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência. A mobilização ocorrerá um dia antes de as mudanças na CLT entrarem em vigor. A ideia é chamar atenção para alterações das normas que interferem na vida dos trabalhadores. Poupa Tempo - Carteiras de trabalho - Desemprego - Emprego- Economia Economia Reforma: funcionário pode reduzir almoço e ‘guardar’ as horas? As entidades estão organizando atos – como passeatas – em todos os estados. A avaliação das instituições é de que as mudanças já aprovadas e as em discussão no Congresso são prejudiciais, porque retiram direitos conquistados. Estão previstas também assembleias e mobilizações em frente às empresas, no começo do dia, e interrupção de atividades por períodos curtos, de até uma hora. Em São Paulo, a estimativa das centrais é que o protesto reúna cerca de 20.000 pessoas. Está programada uma marcha da Praça da Sé até a Avenida Paulista. Segundo o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, a ideia é conscientizar sobre os prejuízos que as reformas trazem. “É um protesto geral. Acredito que a grande manifestação acontecerá quando a reforma da Previdência for colocada em votação, embora haja gente [das centrais] que pense de maneira diferente”, disse à VEJA. Além da Força Sindical, participam da organização CUT, UGT, Nova Central, , Intersindical, CTB, Conlutas.

Continuar lendo Centrais sindicais farão paralisação na sexta contra reformas

Rodoviários não chegam a um acordo e greve do transporte coletivo pode ‘pipocar’ a qualquer momento

PROPOSTA DO SET AOS RODOVIÁRIOS É CONSIDERADA "VERGONHOSA E DESRESPEITOSA". POR ISSO, A DECISÃO É MESMO PELA GREVE Considerada "desrespeitosa" para com a categoria, a proposta do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de São Luís (SET), de apenas 2% de reajuste salarial para os rodoviários empregados, terminou fazendo não avançar as negociações para que a greve anunciada não ocorra. Essa reunião de ontem, exatamente com essa finalidade, fez o Sindicato dos Rodoviários suspendesse a realização de uma greve que deveria ter sido deflagrada nesta segunda-feira, 5. Mas, diante do impasse, a paralisação volta ser considerada e pode ser deflagrada a qualquer momento. A reunião foi mediada pela Superintendente Regional do Trabalho e Emprego no Maranhão, Lea Cristina. Estiveram presentes representantes do Sindicato dos Rodoviários, do sindicato patronal e da Secretária Municipal de Trânsito e Transportes. Mais uma vez, os empresários insistiram na mesma proposta. A classe patronal manteve o posicionamento, de concessão de reajuste salarial de apenas 2% e nenhuma alteração no valor atual do ticket alimentação, que é de 490 reais.

Continuar lendo Rodoviários não chegam a um acordo e greve do transporte coletivo pode ‘pipocar’ a qualquer momento

Decisão da DRT determinando frota de 60% faz sindicato repensar se ônibus param 2a. feira (5) em São Luís

O Sindicato Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Maranhão (Sttrema) já havia decidido, em assembleia no dia 29 de maio, que deflagraria greve dos ônibus, em São Luís, na próxima segunda-feira (5). Porém, sua diretoria está reunida desde o começo da manhã (2) por conta da decisão do Tribunal Regional do Trabalho do Maranhão (TRT-MA) que determinou, ontem, que 60% da frota terá que circulan na segunda-feira. O presidente do sindicato Isaías Castelo Branco informou que ele e todos os membros da diretoria da entidade estão visitando as garagens da região metropolitana de São Luís para conversar com motoristas e cobradores sobre se mantém ou se adia o movimento paredista. - “Aqui na garagem do Anjo da Guarda, os trabalhadores querem a greve com 100% dos ônibus parados, mas ainda estamos ouvindo os outros rodoviários, nas outras garagens”, informou no início da manhã, ao Jornal Pequeno, o presidente Castelo Branco. Assim, o presidente do Sttrema, Isaías Castelo Branco, está reunido com os advogados do sindicato, e posteriormente deve manter audiência com a desembargadora Márcia Andrea Farias da Silva, ouvidora do TRT da 16ª Região, e que concedeu a liminar determinando que 60% dos coletivos permaneçam circulando.

Continuar lendo Decisão da DRT determinando frota de 60% faz sindicato repensar se ônibus param 2a. feira (5) em São Luís
Greve de ônibus prevista para dia 5, em São Luís, ainda pode ter solução negociada
Ônibus podem ser paralisados no dia 5, segundo assembleia dos trabalhadores

Greve de ônibus prevista para dia 5, em São Luís, ainda pode ter solução negociada

Motoristas e cobradores do transporte coletivo de São Luís, em assembleia hoje (29) na sede do sindicato, decidiram deflagrar greve a partir de segunda-feira, 5. É um protesto contra os patrões pela demora em acertar os direitos reivindicados pela categoria para a convenção coletiva de trabalho: os rodoviários cobram do Sindicato das Empresas de Transporte (SET) reajuste salarial de 13%, além do aumento do valor do ticket alimentação e outros compromissos contidos na cláusula da convenção. Os trabalhadores realizaram duas assembleias, mas a decisão permaneceu a mesma, de paralisia do transporte coletivo em toda a capital. O SET, segundo os representantes da entidade de classe, sinalizam com um reajuste de apenas 2,5%. Na licitação do transporte público feita pelo prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), está previsto um reajuste da passagem para julho desse ano.

Continuar lendo Greve de ônibus prevista para dia 5, em São Luís, ainda pode ter solução negociada
Professores da rede municipal entram em acordo para retomada de calendário escolar
Professores de volta às salas de aula do Município de São Luís.

Professores da rede municipal entram em acordo para retomada de calendário escolar

Segundo informou a Secretaria de Comunicação Segundo informou a Secretaria de Comunicação Professores de volta às salas de aula do Município de São Luís. Social, os professores da rede municipal de São Luís entraram em acordo e devem retomar as aulas. A decisão foi tomada pela categoria em assembleia realizada pelo sindicato dos professores. Uma reunião deverá ser realizada esta semana entre o sindicato de professores e a Secretaria Municipal de Educação (Semed) para definir o calendário de reposição dos dias letivos afetados pelo movimento. Os professores aceitaram a proposta de 10,67% de reajuste, que já havia sido aprovada pela Câmara de Vereadores. Desde 2013, a categoria acumula reajuste de 39,08% - 9,5% em 2013; 5,9% em 2014; e 13,01% em 2015. No mesmo período, foram implantados também direitos dos professores protocolados há vários meses, como progressões horizontais e verticais e adicionais por titulação e por trabalhar em escola de difícil acesso. Também foram aposentados mais de 400 professores.

Continuar lendo Professores da rede municipal entram em acordo para retomada de calendário escolar

Procon-MA notifica bancos e sindicatos e exige que respeitem os clientes, mesmo com a greve

O PROCON-MA notificou, nesta quarta-feira (21), os bancos em atuação no Estado, entre eles estão o Banco do Brasil, Caixa Econômica, Banco da Amazônia, Nordeste, Bradesco, Itaú, HSBC, o Sindicato dos Bancários do Maranhão (SEEB-MA) e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), devido a irregularidades na prestação dos serviços por conta da paralisação, iniciada em outubro. O órgão recebeu denúncias de consumidores prejudicados por falta de reabastecimento nos caixas eletrônicos, atraso em seus pagamentos e outros. A notificação exige que no prazo de 48 horas, do seu recebimento, sejam cessadas as práticas de diferenciação de atendimento entre os clientes, atendendo a todos indistintamente na medida de sua disponibilidade; que garantam abastecimento de dinheiro nos caixas eletrônicos espalhados em agências bancárias e em outros estabelecimentos comerciais em todo o Estado do Maranhão. Outras determinações são que seja extinta qualquer cobrança de multa ou juros aos consumidores durante o período de greve bancária; e que se mantenha o efetivo de 30% (trinta por cento) de pessoal para garantir a prestação dos serviços essenciais como os serviços de compensação de cheques e o atendimento a consumidores que não possuem cartão ou que não tenham como utilizar os canais alternativos. De acordo com o presidente do PROCON-MA, Duarte Júnior, a greve é um direito constitucional garantido aos empregados para que possam reivindicar seus direitos. Porém, a lei que concede esta prerrogativa, também impõe certos deveres, como a prestação ininterrupta de serviços essenciais aos consumidores.

Continuar lendo Procon-MA notifica bancos e sindicatos e exige que respeitem os clientes, mesmo com a greve

Bancários rejeitam reajuste de 7,5% sem abono e continuam em greve

Comando Nacional dos Bancários orienta a categoria a manter a intensidade da greve; nova reunião ocorrerá nesta quarta (21) A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) propôs 7,5% de reajuste e retirada do abono e o Comando Nacional dos Bancários rejeitou. Esse foi o resultado da reunião desta terça-feira (20), em São Paulo, entre a categoria e os representantes das instituições financeiras em greve há 15 dias. Uma nova rodada de negociações está marcada para esta quarta-feira (21), às 11h, também na capital paulista.

Continuar lendo Bancários rejeitam reajuste de 7,5% sem abono e continuam em greve

Governo diz ter contemplado políciais civis – em greve – com reajuste e benefícios

Matéria publicada no site do governo do Maaranhão diz que os mais de três mil servidores da Polícia Civil receberam aumento de salários, com ganhos reais que chegam a R$ 1,5 mil – um incremento de 30% a mais na remuneração. O aumento contemplou policiais em carreira inicial, assim como os estágios mais altos. Os valores foram retroativos a junho e pagos no contracheque deste mês. Os policiais civis voltaram a fazer greve, que haviam suspenso há um mês, reclamando aumento salarial proporcional qo que o governo deu aos delegados de carreira. “O governador Flávio Dino mostrou compromisso com a valorização do policial civil. O governo é sensível às demandas da categoria e reúne esforços para garantir mais qualidade ao trabalho desempenhado”, afirmou o delegado-geral da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA), Augusto Barros. As remunerações ficaram em R$ 4.900,90, para policiais em início de serviço; e R$ 6.829,71 aos de nível mais alto. O reajuste influiu sobre benefícios como verbas de retribuição por Exercício em Local de Difícil Provimento, auxílio alimentação, adicional noturno (10%) e adicional de insalubridade (30%). O Governo do Estado concedeu, ainda, abono de permanência, benefício este que só era conquistado por via judicial. Toda a categoria, agora, está contemplada com a Gratificação de Natureza Técnica (GNT), após a concessão do benefício a 1.981 servidores que, até o ano passado, não estavam incluídos. O pacote de benefícios incluiu promoções aos policiais e o aumento do efetivo com a contratação de mais 68 policiais civis. Somado a essas conquistas para o servidor da Polícia Civil, o Governo do Estado ainda mantém disposição para diálogo sobre a tabela de valores dos subsídios para 2016. As discussões entre Governo e sindicato da categoria caminham para a construção de uma proposta coletiva. Debate este que vem avançando com o encaminhamento de proposta da Lei Orçamentária Anual (LOA), com margem para reajustes e discussão de valores. O delegado-geral acrescentou que as demais solicitações vêm sendo estudadas para serem concedidas até o próximo ano.

Continuar lendo Governo diz ter contemplado políciais civis – em greve – com reajuste e benefícios
Aperto fiscal e ameaças de greves serão desafios do novo ministro da Educação que assume segunda-feira
Renato Janine Ribeiro, novo ministro da Educação

Aperto fiscal e ameaças de greves serão desafios do novo ministro da Educação que assume segunda-feira

Recém-anunciado para o comando do Ministério da Educação, o professor de Ética e Filosofia Política da Universidade de São Paulo Renato Janine Ribeiro assume com o desafio de fazer decolar o lema da Pátria Educadora, anunciado como marca do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff. Embora conte com apoio e reconhecimento no meio acadêmico, o futuro ministro assumirá o cargo na próxima segunda-feira (6) em meio ao corte de gastos nos ministérios e ameaça de greve de professores universitários. No Congresso, a oposição tentará desgastar o novo auxiliar da presidente, a partir da recente polêmica sobre o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Sem filiação partidária, Janine serviu para apaziguar minimamente os ânimos do PMDB quanto à pasta. Em março, a sigla usou a polêmica que cercou o ex-ministro Cid Gomes para pressionar o Planalto no Congresso e chegou a entrar em disputa com o PT nos bastidores pela nova indicação. Na última semana, coube aos tucanos o papel de pressionar o futuro titular da pasta e houve até uma tentativa de convocar o professor antes mesmo de sua nomeação, para dar explicações a comissões da Câmara sobre as novas regras de concessão do Fies, que levam em conta a pontuação obtida pelo estudante no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e limita o percentual de reajuste das mensalidades cobradas pelas instituições cadastradas.

Continuar lendo Aperto fiscal e ameaças de greves serão desafios do novo ministro da Educação que assume segunda-feira

Rodoviários ameaçam deflagrar greve geral de ônibus na próxima quarta-feira em São Luís

O Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário no Estado do Maranhão (STTREMA) já ameaça deflagrar uma nova paralisação no setor, por tempo indeterminado. Em comunicado, o presidente da entidade, Gilson João Ribeiro Coimbra, afirma que diante do descumprimento da Cláusula Quarta da Convenção Coletiva de Trabalho vigente, no que tange ao não pagamento correspondente a 40% do salário ser pago até o dia 20 de cada mês, o sindicato resolveu decidiu, por unanimidade deflagrar greve geral. Segundo o presidente Gilson Coimbra, a paralisação está prevista para iniciar a zero hora da próxima quarta-feira, 25, caso não seja regularizada a situação.

Continuar lendo Rodoviários ameaçam deflagrar greve geral de ônibus na próxima quarta-feira em São Luís