Participação do Itaqui no embarque de soja aumentou 100%, diz Folha de São Paulo

A participação do Porto do Itaqui nos embarques de soja do país aumentou 100%, segundo a Folha de São Paulo em publicação desta terça-feira (20) sobre a movimentação da indústria ferroviária a partir do aumento da safra de grãos. De acordo com a reportagem, a atuação do Itaqui no transporte de soja no Brasil aumentou de 7% em 2007 para 14% em 2017. É o dobro de participação nos embarques do grão no país em dez anos. O jornal destaca, ainda, que o Itaqui é o segundo porto brasileiro na exportação de grãos transportados por ferrovias, com 9%. Em primeiro lugar está o porto de Santos, com 68% do volume do país. Alta do PIB maranhense A produção de grãos ainda impulsionou o Produto Interno Bruto (PIB) do Maranhão. Juntamente com a extração mineral, o setor foi responsável pelo crescimento em 9,7% do PIB maranhense em 2017, enquanto o país obteve alta de apenas 1% no período. Os dados são do relatório feito pelo Itaú Unibanco publicado também pela Folha no último dia 10 de março, e representam que a economia do Maranhão cresceu quase dez vezes mais em comparação ao cenário brasileiro. O Governo do Maranhão contribuiu com a boa safra de grãos no estado por meio de uma política de incentivos fiscais que reduziu as alíquotas do ICMS para soja, milho, milheto e sorgo de 12% para 2%. Com isso, os produtores tiveram um ganho de pelo menos 10%

Continuar lendo Participação do Itaqui no embarque de soja aumentou 100%, diz Folha de São Paulo
Exportação de carne pelo Maranhão será 80% mais ágil, assegura Ted Lago, presidente da Emap
Presidente da Emap, Ted Lago, e o diretor de Planejamento e Desenvolvimento da Emap, Jailson Luz. Foto: Divulgacão

Exportação de carne pelo Maranhão será 80% mais ágil, assegura Ted Lago, presidente da Emap

O Porto do Itaqui, no Maranhão, se prepara para ser o principal ponto de escoamento da carne brasileira processada da região Centro-Norte do Brasil para o exterior. Com a série de novos investimentos do Governo do Maranhão, já em andamento, acompanhados das características do Porto, a expectativa é que o tempo dos processos burocráticos para a exportação caia em torno de 80% em relação aos trâmites tradicionais. O anúncio foi realizado pelo presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Ted Lago, nesta terça-feira (4), durante coletiva de imprensa na feira ‘Intermodal South América’, em São Paulo (SP). De acordo com o presidente da Emap, as negociações e tratativas para a inserção do Porto do Itaqui no mercado de exportação de carne processada levam em consideração também peculiaridades do Porto que o colocam em local de destaque, como sua profundidade, sua localização e principalmente a sua interligação ferroviária com a região. “Todos estes diferenciais, somados ao desempenho da nossa Receita Federal, considerada hoje mais eficiente, além de todos os investimentos em tecnologia por parte do Governo do Maranhão, irão garantir fretes mais competitivos, menos tempo e um processo muito mais dinâmico”, destacou Ted Lago. A modernização inclui diversas etapas, desde a inspeção até a emissão da documentação para exportação. Todas essas etapas reforçam a garantia da qualidade da carne, pela transparência do processo e pela tecnologia que está sendo investida. “Dentre as iniciativas, uma delas é eliminar o papel. A carga praticamente não vai parar. Vai sair da origem e ir quase direto para o destino final. Ou seja, vamos diminuir o máximo tempo possível de desembaraço do contêiner, passando de 60 horas para três a cinco horas, em média”, explicou Lago.

Continuar lendo Exportação de carne pelo Maranhão será 80% mais ágil, assegura Ted Lago, presidente da Emap

Governo celebra reabertura dos mercados de China, Egito e Chile à carne brasileira

Ministro da Agricultura destaca "vitória de nossa capacidade exportadora" em nota. Maiores compradores da carne brasileira, chineses ainda não confirmaram reabertura oficialmente. O pesadelo que assombrou o mercado da carne brasileiro após a deflagração da Operação Carne Fraca, há pouco mais de uma semana, parece estar passando. A investigação sobre um esquema de fraude e propina que envolve ao menos 21 frigoríficos jogou sombra sobre todo o setor e levou a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) a calcular uma queda de 20% nas exportações do setor neste ano. China, Hong Kong, União Europeia, Coreia do Sul e Chile anunciaram a suspensão temporária das compras dois dias após a operação. A Coreia do Sul voltou atrás no dia seguinte e, neste sábado, o Ministério da Agricultura celebra em nota a "reabertura total" do mercado chinês à carne brasileira. Horas depois, o Governo adicionou Chile e Egito ao rol de mercados reabertos. Na nota assinada pelo ministro Blairo Maggi, o Governo diz que a liberação chinesa — o maior mercado para a carne brasileira — "trata-se de atestado categórico da solidez e qualidade do sistema sanitário brasileiro e uma vitória de nossa capacidade exportadora". "Nos últimos dias o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Itamaraty e a rede de embaixadas do Brasil no exterior trabalharam incansavelmente para o êxito que se anuncia hoje", celebra o ministro. "Tenho mais notícias boas. Egito e Chile também normalizaram a importação de nossa carne", disse.

Continuar lendo Governo celebra reabertura dos mercados de China, Egito e Chile à carne brasileira

Governo revela déficit. Flávio Dino propõe cadeia produtiva

A urgência de uma campanha de produção no Estado, que estruture cadeias produtivas no campo e na cidade, “de modo a substituir importações e diversificar nossas exportações”, foi defendida, agora há pouco (26), pelo presidente da Embratur e pré-candidato ao Governo do Estado, Flávio Dino (PCdoB), em sua página no Facebook..

Continuar lendo Governo revela déficit. Flávio Dino propõe cadeia produtiva