Calma! Nem tudo está perdido para Lula, que não será preso de imediato e até poderia sair candidato…

Ainda restam recursos no campo jurídico e político para que o petista tente responder a condenação em liberdade e concorrer à Presidência O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado por unanimidade pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do Tríplex. Veja abaixo o que acontece a partir de agora no terreno jurídico e político com o ex-presidente: A defesa tem prazo de dois dias após a publicação do acórdão para fazer um embargo de declaração. O recurso serve para esclarecer pontos omissos ou contraditórios da decisão, mas suspende os efeitos do julgamento. Após o julgamento do TRF-4, é possível apresentar recursos tanto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ)? E quanto ao Supremo Tribunal Federal (STF)? A decisão do STF-4 pode ser suspensa? Sim. Para apontar decisões ou atos do processo que violem princípios como os da ampla defesa e outros. Esse recurso deve ser apresentado ao presidente do TRF-4, que pode decidir pela admissibilidade ou não Lula e seus advogados podem encaminhar Recurso Especial ao STJ? Sim. Esse tipo de recurso questiona decisões e atos que violem dispositivos constitucionais ou ofensas à Constituição. Pode questionar o próprio STF de que a pena deve começar a ser cumprida a partir da 2ª instância. Recurso extraordinário pode ser apresentado ao STJ, acompanhado de pedido de liminar, para tentar impedir a execução da pena. Caso a liminar ao STJ seja indeferida, pode ser apresentado o pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF). Mas ainda existem outras saídas nos campos jurídico e político... ACESSEI LEIA MAIS E VEJA...

Continuar lendo Calma! Nem tudo está perdido para Lula, que não será preso de imediato e até poderia sair candidato…

Grande parte da Nação chora a confirmação da condenação de Lula, acusado de corrupção

O ex-presidente Lula foi julgado pela 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) nesta quarta-feira, 24. Todos os desembargadores já votaram e seguiram a decisão do juiz Sérgio Moro, que já havia condenado Lula na primeira instância. Os desembargadores ampliaram a pena do ex-presidente de 9 anos e seis meses para 12 anos e 1 mês. Ainda cabe recurso por parte da defesa. Em todo o Brasil, o dia foi de manifestações, a favor e contra Lula. Mesmo prevendo o resultado do julgamento, a maioria dos petistas e simpatizantes do ex=presidente está inconformada e promete continuar a luta em defesa do seu líder. Porto Alegre Em Porto Alegre, o coordenador nacional do Movimento Brasil Livre (MBL), Kim Kataguiri, afirmou que o tribunal que condenou em segunda instância o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cumpriu o que se esperava dele. "Agora, temos um poderoso abaixo da lei", disse o jovem. Kataguiri contemporizou o fato de os protestos convocados pelo MBL terem tido baixa adesão. "O momento é diferente. O que acontece é algo natural. O que vem ocorrendo é uma institucionalização do movimento", afirmou o líder do MBL, que nas próximas eleições, em outubro, vai lançar candidatos a deputado federal e estadual. O próprio Kataguiri confirmou que será candidato a uma vaga na Câmara dos Deputados, mas ainda não definiu por qual partido.

Continuar lendo Grande parte da Nação chora a confirmação da condenação de Lula, acusado de corrupção

Moro põe Lula no banco dos réus mais uma vez, agora pelo sítio de Atibaia

Juiz da Lava Jato abre terceira ação criminal, na Lava Jato, contra ex-presidente por corrupção passiva e lavagem de dinheiro nas obras da propriedade rural localizada no interior de São Paulo; na semana passa, magistrado condenou petista a 9 anos e 6 meses de prisão no caso triplex O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está mais uma vez no banco dos réus. O juiz federal Sérgio Moro aceitou nesta terça-feira, 1, a denúncia do Ministério Público Federal contra o petista por corrupção e lavagem de dinheiro nas obras do sítio Santa Bárbara, em Atibaia, interior de São Paulo. Esta é a terceira denúncia contra Lula que Moro recebe. Ao todo, na Lava Jato e também nas Operações Zelotes e Janus, o ex-presidente Lula é réu em seis ações penais. Na ação do caso triplex, o petista foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro a 9 anos e 6 meses de prisão. Também se tonaram réus outros 12 investigados, entre eles o empresário Emilio Odebrecht, patriarca da empreiteira, e o advogado e compadre de Lula, Roberto Teixeira. São acusados os executivos Alexandrino de Salles Ramos de Alencar e Marcelo Bahia Odebrecht, Carlos Armando Guedes Paschoal e Emyr Diniz Costa Júnior, todos da Odebrecht, Paulo Roberto Valente Gordilho, Agenor Franklin Magalhães Medeiros, José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, todos da OAS.

Continuar lendo Moro põe Lula no banco dos réus mais uma vez, agora pelo sítio de Atibaia

Lula, condenado, prega paz e amor, mas esculacha: ‘atual governo não representa nada’

O ex-presidente Lula gravou um vídeo neste domingo em que diz que o governo de Michel Temer “não representa nada”, critica a atuação do Congresso Nacional que, segundo ele, tem retrocedido na busca de conquistas para os trabalhadores, e pede mais auto-estima ao povo brasileiro. — O brasileiro está com a auto-estima baixa, a economia está muito ruim, há uma desagregação, sabe, do ânimo da sociedade por conta do desemprego, porque as pessoas ainda estão muito preconceituosas, ou seja, a auto-estima está baixa. Nós temos um governo que não representa nada, absolutamente nada. Nós temos um Congresso desacreditado, que está desmontando conquistas que os trabalhadores conquistaram há tanto tempo atrás — afirmou Lula. Mais adiante, o petista, condenado na semana passada a nove anos e meio de prisão pelo juiz Sergio Moro por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, afirmou que a falta de confiança no governo impede que as coisas aconteçam. Disse ainda ter vivido o o momento de maior auto estima do povo brasileiro, sugerindo que isso aconteceu quando ele comandava o país. — Se você não tiver esperança, se você não acreditar nas pessoas que governam o país, nada vai acontecer. Todo mundo acorda de manhã azedo, todo mundo vai dormir xingando o vizinho. Ao invés de olhar seus próprios defeitos, as pessoas começam a culpar o vizinho. É um vizinho culpando o outro. Eu acho que não tá legal. Eu tive o prazer de viver nesse país o momento de maior auto-estima do povo brasileiro. As pessoas acreditavam, as pessoas sonhavam, as pessoas tinham emprego, tinham aumento de salário, as pessoas sonhavam em estudar. Tudo isso foi possível criar. Agora, me parece que nada é possível — disse o ex-presidente. Lembrando o tom do discurso usado na campanha eleitoral de 2002, quando foi eleito presidente pela primeira vez e usou o slogan “Lulinha paz e amor”, o petista disse que o Brasil precisa de um governante que goste do povo. Novamente, voltou a apelar pedindo “mais tolerância e compreensão” contra o chamado preconceito.

Continuar lendo Lula, condenado, prega paz e amor, mas esculacha: ‘atual governo não representa nada’
A reação do meio político sobre a condenação de Lula pelo juiz Sérgio Moro
Moro se revelou condescendente com Lula... Terá sido receio da reação das ruas?

A reação do meio político sobre a condenação de Lula pelo juiz Sérgio Moro

Juiz Sérgio Moro condenou ex-presidente a 9 anos e 6 meses de prisão no processo que envolve o caso da compra e reforma de um apartamento triplex em Guarujá (SP) - G1 Confira abaixo reações de parlamentares (em ordem alfabética) ao anúncio da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos e 6 meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal. Lula poderá recorrer em liberdade. Álvaro Dias, senador (PR), líder do Podemos no Senado “A condenação do ex-presidente Lula é histórica. Mostra que a Justiça é igual para todos, inclusive para ex-presidentes da República. Lula é o principal responsável pelo grande escândalo de corrupção no País. Uma condenação esperada, fruto do trabalho da Lava Jato e de Sérgio Moro.” Arnaldo Jordy, deputado (PA), líder do PPS na Câmara “Eu creio que ele [Moro] tomou uma decisão acertada. Todas as evidências apontam que de fato o triplex pertencia a ele [Lula]. É certo que Lula deve recorrer. Vamos aguardar a confirmação da sentença por outras instâncias da Justiça brasileira, a mesma que hoje vem atingindo outras esferas da República, que condenou outras pessoas de vários partidos.” Carlos Zarattini, deputado (SP), líder do PT na Câmara "É uma condenação feita por um juiz que participou da investigação, da denúncia e que julgou. Ou seja: é o mesmo que fez todas junto com a sua famosa força-tarefa. É uma decisão que não levou em conta as testemunhas, que não tem nenhuma prova factual de que Lula seja dono desse triplex, a não ser a delação de um empresário preso. Ou seja, um empresário preso há muito tempo e acabou fazendo essa acusação. O que se tenta é simplesmente excluir o presidente Lula, que hoje é o primeiro colocado em todas as disputas, de 2018. Excluir o presidente Lula das próximas eleições." Dilma Rousseff, ex-presidente da República “A condenação de Luiz Inácio Lula da Silva, sem provas, a 9 anos e seis meses de prisão, é um escárnio. Uma flagrante injustiça e um absurdo jurídico que envergonham o Brasil. Lula é inocente e essa condenação fere profundamente a democracia. Sem provas, cumprem o roteiro pautado por setores da grande imprensa. Há anos, Lula, o presidente da República mais popular na história do país e um dos mais importantes estadistas do mundo no século 21, vem sofrendo uma perseguição sem quartel. Ontem, com indignação, assistimos à aprovação pelo Senado do fim da CLT. Uma monumental perda para os trabalhadores brasileiros. Agora, assistimos essa ignominia que está sendo exercida contra o ex-presidente Lula com o objetivo de cassar seus direitos políticos. O país não pode aceitar mais este passo na direção do Estado de Exceção. As garras dos golpistas tentam rasgar a história de um herói do povo brasileiro. Não conseguirão. Lula é inocente. E o povo brasileiro saberá democraticamente resgatá-lo em 2018. Nós iremos resistir.” VEJA MAIS OPINIÕES...

Continuar lendo A reação do meio político sobre a condenação de Lula pelo juiz Sérgio Moro

Sérgio Moro condena Lula a 9 anos de prisão, mas afrouxa e o deixa solto

Em uma sentença histórica, de 260 páginas, o juiz federal Sérgio Moro condenou Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão. No documento, Moro afirmou que "os álibis do ex-presidente são falsos", sobre o caso triplex, apartamento usado pela família dele, no Guarujá (SP). "Considerando que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua esposa eram proprietários de fato do apartamento 164-A, tríplex, no Condomínio Solaris, no Guarujá, que as reformas foram a eles destinadas, e que os álibis do ex-presidente são falsos, há corroboração dos depoimentos dos acusados José Adelmário Pinheiro Filho e de Agenor Franklin Magalhães Medeiros, de que houve uma acerto de corrupção, tendo por beneficiário específico o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva", assinalou o juiz da Lava-Jato. "Afinal e isso foi admitido pelo próprio ex-presidente, embora com argumentos falsos, jamais houve discussão concreta com ele sobre o preço do apartamento 164-A, triplex, jamais foi discutido concretamente que o ex-presidente pagaria diferença necessária, e jamais houve discussão sobre o ressarcimento da OAS Empreendimentos pelas despesas havidas na reforma, aliás, sequer houve questionamento sobre a diferença de preço e custos das reformas", diz Moro. "Definido que o apartamento 164-A, triplex, era de fato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e que as reformas o beneficiavam, não há no álibi do acusado Luiz Inácio Lula da Silva o apontamento de uma causa lícita para a concessão a ele de tais benefícios materiais pela OAS Empreendimentos, restando nos autos, como explicação única, somente o acerto de corrupção decorrente em parte dos contratos com a Petrobras." O juiz anotou que o Grupo OAS, comandado por José Adelmário Pinheiro Filho, mantinha uma conta corrente geral de propinas com agentes do Partido dos Trabalhadores e que era alimentada por créditos provenientes de contratos celebrados pelo Grupo OAS com o Governo Federal.

Continuar lendo Sérgio Moro condena Lula a 9 anos de prisão, mas afrouxa e o deixa solto