Apagão no Maranhão e em mais 14 Estados do Norte e Nordeste foi falha em linha de transmissão de Belo Monte

Panes têm ocorrido com alguma frequência e já eram alvos de questionamentos pela Aneel; sistema conecta todos os Estados do País, com exceção de Roraim André Borges, O Estado de S.Paulo BRASÍLIA - Falhas no linhão de transmissão de Belo Monte provocaram um apagão em 14 Estados das regiões Norte e Nordeste do País na tarde desta quarta-feira, 21. Também houve registro de falta de luz nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Segundo o Operador Nacional do Sistema (ONS), todos os Estados do Nordeste foram afetados e no Norte as exceções foram Roraima e Acre, que não foram impactados com queda de luz. Em entrevista no Rio de Janeiro, Luiz Eduardo Barata, diretor-geral da ONS, afirmou que às 19h, 100% da energia estava restabelecida no Norte e pouco mais de Nas capitais nordestinas, a situação variava bastante. Fortaleza, por exemplo, já contava com 80% de sua carga energética normalizada, Recife tinha 50%, Salvador 30%, Aracajú contava com 25% de energia, Natal contava com 20% e João Pessoal, 15%. Segundo o governo, o motivo para o apagão foi uma falha técnica ocorrida na linha de transmissão da concessionária Belo Monte Transmissora de Energia (BMTE), no Estado do Pará, foi a causa do apagão que afetou todos os Estados. O motivo, apurou o Estado, está relacionado a uma falha técnica em um disjuntor de uma das estruturas de transmissão localizada na subestação Xingu, que recebe a energia da hidrelétrica de Belo Monte, para que esta seja transmitida para a região Sudeste do País.

Continuar lendo Apagão no Maranhão e em mais 14 Estados do Norte e Nordeste foi falha em linha de transmissão de Belo Monte

Conta de luz fica mais barata, mas continua no patamar vermelho

Patamar tarifário da bandeira vermelha passa do 2 para o 1 em razão do aumento no nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que as contas de luz terão bandeira vermelha em seu patamar 1 no mês de dezembro. Com isso, os consumidores terão uma taxa extra de 3 reais a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Em novembro, vigorou a bandeira vermelha patamar dois, cuja cobrança é de 5 reais a cada 100 kWh consumidos. A mudança da bandeira foi possível em razão do aumento das chuvas, que ajudou a recuperar o nível dos reservatórios das hidrelétricas. “Houve uma pequena evolução na situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas em relação ao mês anterior, o que possibilitou o acionamento da bandeira vermelha no patamar 1”, informou a Aneel. “Ainda que não haja risco de desabastecimento de energia elétrica, é preciso reforçar as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício”, acrescentou a agência. A divulgação da bandeira do mês de dezembro deveria ter ocorrido na última sexta-feira. A Aneel não informou o motivo do atraso. Seca A persistência da seca fez com que a agência antecipasse o reajuste das bandeiras, que seria válido apenas a partir de janeiro. Com as alterações propostas pela Aneel, o sistema das bandeiras tarifárias passa a levar em consideração o nível dos reservatórios das hidrelétricas (risco hidrológico). Até então, o modelo considerava apenas o preço da energia no mercado à vista (PLD).

Continuar lendo Conta de luz fica mais barata, mas continua no patamar vermelho

Aqui 33 dicas que devem virar hábitos para economizar energia em tempos de “bandeira 2”

A Aneel aprovou o aumento de 42,8% no valor cobrado pela bandeira vermelha no patamar 2; serão R$ 5 a cada 100 kilowatts-hora consumido Com o aumento de 42,8% no valor cobrado pela bandeira vermelha no patamar 2, aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a taxa extra na conta de luz cobrada, nesse caso, sairá de R$ 3,50 para R$ 5 a cada 100 kilowatts-hora consumidos. A decisão aprovada no último dia 24 já valerá para o mês de novembro, quando essa bandeira deve continuar em vigor. Resta ao consumidor economizar. Segundo a Aneel, não houve evolução na situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas em relação ao mês anterior e, ainda que não haja risco de desabastecimento de energia elétrica, para a Agência, é preciso reforçar as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício. Por isso, listamos algumas dicas que podem ajudar a diminuir o valor da conta de energi, em casa ou no escritório. Confira:----->>>>

Continuar lendo Aqui 33 dicas que devem virar hábitos para economizar energia em tempos de “bandeira 2”

Conta de luz mais salgada ainda para o consumidor com reajuste em 42,8% da bandeira 2

Reajuste foi anunciado nesta terça-feira (24) e passa a valer em novembro, porém gatilhos de acionamento das bandeiras tarifárias têm novas regras A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou nesta terça-feira (24) o aumento de 42,8% para o valor a ser cobrado do consumidor pela conta de luz quando acionada a bandeira 2 vermelha. Com o reajuste, os consumidores passam a pagar R$ 5 a cada 100 kWh consumidos. O valor anterior era de R$ 3,50. A Aneel afirmou que a novo valor de referência passa a ser cobrado na conta de luz a partir do mês de novembro, porém o valor será submetido a uma audiência pública e poderá ser alterado após a votação. Quando a autarquia informa aumento de preços, esses recursos são destinados a cobrir custos com a geração de energia , em especial, em momentos de seca, que faz com que o nível de armazenamento de águas nas hidrelétricas fica abaixo do essencial para o funcionamento e é necessário acionar mais termelétrica, que suprem a demanda mais a um custo mais alto. Com a estiagem a atingir as principais hidrelétricas brasileiro o consumidor já tem arcado com o custo da bandeira 2 vermelha neste mês de outubro, porém paga o valor sem  o reajuste de dois dígitos. Em contrapartida ao aumento salgado, a agência reguladora não alterou o valor para a bandeira 1 vermelha, o mantendo em R$ 3 a cada 100 kWh consumidos.  Já a taxa da bandeira amarela cairá pela metade, de R$ 2 para R$ 1 a cada 100 kWh consumidos.

Continuar lendo Conta de luz mais salgada ainda para o consumidor com reajuste em 42,8% da bandeira 2