Como em 2012, o Data M só favorece um candidato: o acerto.
Jornalista José Machado - diretor do Data M

Como em 2012, o Data M só favorece um candidato: o acerto.

GENTE LIGADA AO GRUPO SARNEY, NA MÍDIA E NO PARLAMENTO, INICIA CAMPANHA DE DESCRÉDITO CONTRA O DATA M E SEU DIRETOR POR CAUSA DOS BAIXOS ÍNDICES DE INTENÇÃO DE VOTO DIVULGADOS PELO INSTITUTO O texto abaixo foi encaminhado para algumas figuras da mídia que fizeram comentários desairosos sobre o Data M e as pesquisas eleitorais - estadual e municipal de São Luís -, realizadas em 2014, querendo desacreditar a empresa – a única a acertar o resultado da eleição de 2012 em São Luís, contrariando prognósticos dos demais. Serve também de orientação ao deputado estadual César Pires, que deflagrou, hoje, na Assembléia Legislativa, uma campanha de descrédito contra a empresa, talvez com o objetivo de rentar minimizar os efeitos provocados com os números obtidos pelos pré-candidatos do seu grupo político ao Governo do Estado e ao Senado da República. Pelo que estamos informados, o discurso de Pires é o início de várias ações desenvolvidas pelo grupo Sarney para tentar desacreditar e enfraquecer o Data M e o seu diretor, o jornalista José Machado, que incluem desde processos judiciais a ameaças de morte. Na eleição de 2012, o Data M foi vítima de campanha igual e mostrou, com trabalho, que estava certo, como muitos foram obrigados a engolir. Só o ex-prefeito João Castelo (PSDB) questionou, judicialmente, quatro das pesquisas realizadas pelo Instituto. Perdeu todas. Porque os números mostrados pelo instituto se confirmaram nas urnas do TRE-MA. O Jornalista José Machado, ao realizar e divulgar pesquisas, com as mesmas metodologias utilizadas pelos mais diversos institutos do país, não quer apenas fazer disso o seu suado ganha-pão, faz pela convicção de que a honestidade de propósitos ainda pode vencer a o abuso de poder, a hipocrisia, o fanatismo, a subserviência e a mentira. O deputado estadual César Pires está exercendo o papel que sempre teve dentro do Grupo Sarney, o de ventríloquo. Se não formos vítima de alguma bala perdida ou atiradas por algum motoqueiro encapuzado, continuaremos a trabalhar para sustentar nossa família . As eleições de 2014 ocorrerão em outubro. Lá, com certeza , daremos a César o que é de César... A NOTA QUE DISTRIBUÍMOS: Como em 2012, o Data M só favorece um candidato: o acerto Nem gostaria de me pronunciar. Sou profissional e homem o bastante para suportar a perfídia até que os fatos por si só se esclareçam. Prometi que deixaria, primeiro, a opinião pública julgar essas pessoas que gostam de enlamear a reputação alheia; segundo, esperaria o próprio tempo encarregar-se de repor a verdade, o que deverá ocorrer em outubro de 2014, assim como ocorreu em 2012 - quando uma penca de formadores de opinião, com ou sem conhecimento de causa, tentou desacreditar meu instituto. O Data M (firma M.M Machado – derivado de Mayara Moraes Machado – que é o nome de minha filha, portanto o M é o símbolo do nome da nossa família), todo o Maranhão e o Brasil sabem, foi o único instituto a acertar o resultado do pleito em São Luís, em 2012, nos dois turnos. O resultado da última pesquisa por nós realizada, divulgada um dia antes do segundo turno do pleito municipal, bateu, até mesmo nos decimais, com o do TRE-MA. Ou já esqueceram que muitos foram obrigados a se curvar a esse fato? O Data M sempre favorece um só candidato, nas eleições que virão e em todas que se passaram: o acerto. Assim, a cada ano, esforça-se, mesmo sendo uma pequena empresa, para melhorar seus métodos e sua metodologia.

Continuar lendo Como em 2012, o Data M só favorece um candidato: o acerto.