A hora e a vez de Lobão? Justiça Federal aceita a primeira denúncia contra ele, por propina

Se é verdade que a Justiça tarda, mas não falha – nem que seja a Divina -, parece que, agora, começa a ruir a casa do ex-deputado federal, ex-governador, ex-senador e ex-ministro do governo federal, o maranhense Edison Lobão. Notícia que já vem antecipada desde sábado (19) pela Revista IstoÉ e ontem repercutida pela mídia nacional, até mesmo pelo noticiário da TV Mirante, a Justiça Federal aceitou denúncia da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná contra Lobão pai e outros cinco investigados por corrupção no contrato de construção da Usina de Belo Monte. Edison Lobão já está velho e, dificilmente, será punido pelos crimes de que é acusado, já que, além dessa ação, mais cinco inquéritos foram abertos contra ele no âmbito federal, e só agora a primeira denúncia é aceita. A acusação formal do Ministério Público Federal também alcança o filho Márcio Lobão e a nora Marta Lobão e relata pagamento ilícitos, entre 2011 e 2014, no valor de R$ 2,8 milhões, por intermédio do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht. Além de receber a denúncia, a 13.ª Vara da Seção Judiciária de Curitiba também determinou o arresto e o sequestro de R$ 7.873.080,00 de bens e ativos financeiros em nome de Edison Lobão, Márcio Lobão e Marta Lobão. A acusação também atinge Ailton Reis, Antonio Carlos Blando e Augusto Roque. Segundo a Procuradoria da República, as empresas do Consórcio Construtor Belo Monte, entre elas a Odebrecht, “se comprometeram a efetuar pagamentos de propina na razão de 1% do valor do contrato de construção da Usina de Belo Monte para políticos do PT e MDB”. A denúncia aponta que os valores da propina foram divididos de modo que 45% ficassem com integrantes do PT, 45% com integrantes do MDB e 10% com Antônio Delfim Netto. Os procuradores afirmam que R$ 2,8 milhões de propina da Odebrecht foram direcionado a Edison Lobão e Márcio Lobão. À época dos supostos pagamentos, Edison Lobão era ministro de Minas Energia, e, por isso, solicitou a propina de Belo Monte. O advogado de defesa de Lobão, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, emitiu nota (íntegra abaixo), afirmando que a acusação não se sustenta, visto que baseada apenas em declarações de delatores.

Continuar lendo A hora e a vez de Lobão? Justiça Federal aceita a primeira denúncia contra ele, por propina