EUA aprovam primeiro medicamento desenvolvido para prevenir enxaquecas crônicas
This May 10, 2018, image provided by Amgen Inc. shows an artist's rendering of the packaging for the drug Aimovig, the first in a new class of long-acting drugs designed to prevent chronic migraines. On Thursday, May 17, 2018, the Food and Drug Administration approved the medication, clearing the monthly shot for sale. (Amgen Inc. via AP)

EUA aprovam primeiro medicamento desenvolvido para prevenir enxaquecas crônicas

TRENTON, EUA - O primeiro medicamento criado para prevenir enxaquecas crônicas foi aprovado pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) na quinta-feira, 17, dando início ao que muitos especialistas acreditam que seja uma nova era no tratamento de pessoas que sofrem da forma mais severa de dor de cabeça. O Aimovig bloqueia a ação do fragmento de uma proteína, a CGRP, que instiga e perpetua as dores de cabeça. “Os remédios terão um grande impacto”, afirmou o dr. Amaal Starling, neurologista e especialista em enxaquecas na Mayo Clinic, em Phoenix. Um estudo mostrou que os pacientes que receberam Aimovig perceberam uma redução no número de dias que sofriam de enxaqueca de oito para quatro vezes ao mês. Além disso, eles apresentaram efeitos colaterais semelhantes, a maioria resfriados ou infecções respiratórias. Alguns pacientes chegaram inclusive a se livrar por completo da dor de cabeça, disse Sean Harper, diretor de pesquisa da Amgen. O Aimovig bloqueia a ação do fragmento de uma proteína, a CGRP, que instiga e perpetua as dores de cabeça. “Os remédios terão um grande impacto”, afirmou o dr. Amaal Starling, neurologista e especialista em enxaquecas na Mayo Clinic, em Phoenix. As novas drogas não são capazes de prevenir todas as crises de enxaqueca, mas podem torná-las menos severas e reduzir a sua frequência em 50% ou mais, de acordo com os especialistas.

Continuar lendo EUA aprovam primeiro medicamento desenvolvido para prevenir enxaquecas crônicas

Ronco durante o sono – a cura em cinco passos

Foi-se o tempo em que roncar era considerado apenas curioso, engraçado ou desagradável para quem dormisse por perto. Se por um lado sabemos que por trás do ronco pode haver uma doença potencialmente fatal (apneia do sono), por outro temos atualmente condições de levar a quase todos a cura do ronco. Veja como. CONTINUE LENDO. Acesse LEIA MAIS...

Continuar lendo Ronco durante o sono – a cura em cinco passos

Como a máfia, “as farmacêuticas bloqueiam medicamentos que curam, porque não são rentáveis”

O Prémio Nobel da Medicina Richard J. Roberts denuncia a forma como funcionam as grandes farmacêuticas dentro do sistema capitalista, preferindo os benefícios económicos à saúde, e detendo o progresso científico na cura de doenças, porque a cura não é tão rentável quanto a cronicidade. Há poucos dias, foi revelado que as grandes empresas farmacêuticas dos EUA gastam centenas de milhões de dólares por ano em pagamentos a médicos que promovam os seus medicamentos, como para o diabetes, por exemplo. Para complementar, reproduzimos esta entrevista com o Prémio Nobel Richard J. Roberts, que diz que os medicamentos que curam não são rentáveis e, portanto, não são desenvolvidos por empresas farmacêuticas que, em troca, desenvolvem medicamentos cronificadores que sejam consumidos de forma serializada. Isto, diz Roberts, faz também com que alguns medicamentos que poderiam curar uma doença não sejam investigados. E pergunta-se até que ponto é válido e ético que a indústria da saúde se reja pelos mesmos valores e princípios que o mercado capitalista, que chega a assemelhar-se ao da máfia. A investigação pode ser planeada? Se eu fosse Ministro da Saúde ou o responsável pelas Ciência e Tecnologia, iria procurar pessoas entusiastas com projectos interessantes; dar-lhes-ia dinheiro para que não tivessem de fazer outra coisa que não fosse investigar e deixá-los-ia trabalhar dez anos para que nos pudessem surpreender. Parece uma boa política. Acredita-se que, para ir muito longe, temos de apoiar a pesquisa básica, mas se quisermos resultados mais imediatos e lucrativos, devemos apostar na aplicada ... E não é assim? Muitas vezes as descobertas mais rentáveis foram feitas a partir de perguntas muito básicas. Assim nasceu a gigantesca e bilionária indústria de biotecnologia dos EUA, para a qual eu trabalho. Como nasceu? A biotecnologia surgiu quando pessoas apaixonadas começaram a perguntar-se se poderiam clonar genes e começaram a estudá-los e a tentar purificá-los. Uma aventura. Sim, mas ninguém esperava ficar rico com essas questões. Foi difícil conseguir financiamento para investigar as respostas, até que Nixon lançou a guerra contra o cancro em 1971. Foi cientificamente produtivo? Permitiu, com uma enorme quantidade de fundos públicos, muita investigação, como a minha, que não trabalha directamente contra o cancro, mas que foi útil para compreender os mecanismos que permitem a vida. O que descobriu? Eu e o Phillip Allen Sharp fomos recompensados pela descoberta de introns no DNA eucariótico e o mecanismo de gen splicing (manipulação genética). Para que serviu? Essa descoberta ajudou a entender como funciona o DNA e, no entanto, tem apenas uma relação indireta com o cancro.

Continuar lendo Como a máfia, “as farmacêuticas bloqueiam medicamentos que curam, porque não são rentáveis”

A cura para diabetes foi encontrada? Infelizmente, não é verdade o que circula na internet!

Textos compartilhados na web falam que já há vacina e que há terapias que curam a doença. Presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes condena notícias falsas. G1 Um texto que circula pelas redes sociais diz que uma vacina contra diabetes já foi anunciada oficialmente. Um outro também bastante compartilhado na web lista uma terapia capaz de curar a doença. Não é verdade. O texto sobre a vacina diz que "o mundo inteiro está comemorando a notícia". Já o outro recomenda um método "comprovado cientificamente" que promete com alguns passos reverter a doença. Diabetes não tem cura, ainda não existe uma vacina no mercado para evitá-la e não há tratamento milagroso para a doença, segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes, Luiz Turatti. Ele alerta para uma "tempestade de notícias falsas" divulgando terapias para a doença. Segundo Turatti, as falsas notícias aproveitam a fragilidade de quem tem a doença para vender planos de alimentação. "Isso é um problema grave, um problema de polícia. Essas notícias existem há algum tempo, mas se intensificaram."

Continuar lendo A cura para diabetes foi encontrada? Infelizmente, não é verdade o que circula na internet!

AIDS: Nos Estados Unidos, tratamento pode ter curado bebê portador do HIV

Um segundo bebê nascido com o vírus da Aids pode ter entrado em remissão e talvez até sido curado por tratamento muito precoce - neste caso, quatro horas após o nascimento. Médicos revelaram o caso na quarta-feira em uma conferência sobre Aids em Boston, nos Estados Unidos. O bebê é uma menina que nasceu em um subúrbio de Los Angeles em abril, um mês depois que pesquisadores anunciaram o primeiro caso do tipo em Mississippi. O caso no Mississippi foi o primeiro que levou médicos de todo mundo a repensar quão rápido e com que intensidade tratar crianças nascidas com o vírus HIV. Os médicos da Califórnia seguiram esse exemplo. O bebê do Mississippi tem agora três anos e meio e parece livre de HIV apesar de não ter recebido tratamento por cerca de dois anos. Já o bebê de Los Angeles ainda está recebendo remédios, então sua condição ainda não está clara. Uma série de testes sofisticados repetidos várias vezes sugerem que o bebê de Los Angeles tenha se livrado do vírus, afirmou a médica Deborah Persaud da Universidade Johns Hopkins, que liderou os exames. Segundo ela, os sinais no bebê são diferentes dos que os médicos avaliam em pacientes cujas infecções são meramente suprimidas por tratamentos de sucesso.

Continuar lendo AIDS: Nos Estados Unidos, tratamento pode ter curado bebê portador do HIV
Além dos chineses – lembram? -,  outro cientista diz ter a cura para a ressaca!
David Nutt, pesquisador norte-americano, encontrou, segundo ele próprio, o antídoto para a ressaca.

Além dos chineses – lembram? -, outro cientista diz ter a cura para a ressaca!

Ingerir bebidas alcoólicas em grandes quantidades é sempre certeza de um dia seguinte nada agradável, com muita ressaca. Esses dias, porém, estão contados: David Nutt, pesquisador norte-americano, encontrou, segundo ele próprio em entrevista ao Huffington Post, um antídoto para a bebedeira que pode acabar com a ressaca em poucos minutos. Tudo começou com a produção de combinação sintéticas que atacam diretamente o sistema de Gaba, parte do cérebro afetada pelo álcool e responsável pela sensação de relaxamento provocada pela bebida. Os combinados criados por Nutt provocam o mesmo efeito do álcool, mas em menores quantidades. O pesquisador afirma que se pode criar um componente com esse efeito, pode também criar um antídoto. VEJA VÍDEO------->>>

Continuar lendo Além dos chineses – lembram? -, outro cientista diz ter a cura para a ressaca!
Ressaca já tem cura! E o inacreditável: basta tomar um Sprite!
os pinguços já podem comemorar. A ressaca tem cura!

Ressaca já tem cura! E o inacreditável: basta tomar um Sprite!

Assim como a pedra filosofal - a cura de todos os males - algumas coisas parecem ser apenas lenda. A cura da ressaca também parecia inimaginável. Cientistas chineses se dispuseram a descobrir como lidar com uma ressaca desde o início. A resposta é mais banal do que se imagina: Sprite. Sabe-se que os piores sintomas da ressaca não são causados pelo álcool em si, mas pela reação do organismo para tentar decompor o álcool ingerido. Por isso, muitos recomendam tomar uma dose de bebida alcoólica para "rebater" a ressaca. O organismo desencadeia duas reações químicas para decompor o álcool...

Continuar lendo Ressaca já tem cura! E o inacreditável: basta tomar um Sprite!