Ao conceder habeas corpus para Rosângela Curado, desembargador federal condena o “espetáculo das prisões”

O "espetáculo de prisões feitas em algumas operações" policiais foi condenado pelo  juiz federal Ney Belo, do TRF-1,  ao conceder habeas corpus para a odontóloga Rosângela Curado, presa pela Polícia Federal durante a chamada  operação “Pegadores”, desdobramento da "Sermão aos Peixes", desencadeada no Maranhão em 2015, quando levou para depor, coercitivamente, o ex-secretário de Saúde do governo Roseana Sarney, seu cunhado Ricardo Murad, suspeito do desvio de 2 bilhões de reais, segundo a PF. Em bem fundamentado parecer, Ney Bello deixou dito na peça que “o correto e o esperado é que fatos novos possivelmente criminosos, quando descobertos na instrução criminal ou em novo inquérito conexo, ou ainda mediante o artifício da prova emprestada, sejam investigados com agilidade e com rigor, sem o desnecessário espetáculo das prisões a não ser que haja concreta e demonstrada necessidade de encarceramento”, disse o magistrado. Belo disse que não existe crime na utilização de folha extra e na contratação de serviços de pessoas jurídicas, mas pode haver no pagamento de remuneração sem a devida prestação dos serviços e na utilização de notas frias. “Não há crime na utilização de folha extra, não há crime na utilização de serviços de pessoa jurídica, mas pode haver crime na pulverização de remunerações dadivosas, sem o correspondente trabalho, e no desvio de valores públicos a partir da utilização de notas fiscais indevidamente emitidas”, diz o juiz federal. Publica-se a íntegra do despacho de Ney Bello:

Continuar lendo Ao conceder habeas corpus para Rosângela Curado, desembargador federal condena o “espetáculo das prisões”

Lula, condenado, prega paz e amor, mas esculacha: ‘atual governo não representa nada’

O ex-presidente Lula gravou um vídeo neste domingo em que diz que o governo de Michel Temer “não representa nada”, critica a atuação do Congresso Nacional que, segundo ele, tem retrocedido na busca de conquistas para os trabalhadores, e pede mais auto-estima ao povo brasileiro. — O brasileiro está com a auto-estima baixa, a economia está muito ruim, há uma desagregação, sabe, do ânimo da sociedade por conta do desemprego, porque as pessoas ainda estão muito preconceituosas, ou seja, a auto-estima está baixa. Nós temos um governo que não representa nada, absolutamente nada. Nós temos um Congresso desacreditado, que está desmontando conquistas que os trabalhadores conquistaram há tanto tempo atrás — afirmou Lula. Mais adiante, o petista, condenado na semana passada a nove anos e meio de prisão pelo juiz Sergio Moro por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, afirmou que a falta de confiança no governo impede que as coisas aconteçam. Disse ainda ter vivido o o momento de maior auto estima do povo brasileiro, sugerindo que isso aconteceu quando ele comandava o país. — Se você não tiver esperança, se você não acreditar nas pessoas que governam o país, nada vai acontecer. Todo mundo acorda de manhã azedo, todo mundo vai dormir xingando o vizinho. Ao invés de olhar seus próprios defeitos, as pessoas começam a culpar o vizinho. É um vizinho culpando o outro. Eu acho que não tá legal. Eu tive o prazer de viver nesse país o momento de maior auto-estima do povo brasileiro. As pessoas acreditavam, as pessoas sonhavam, as pessoas tinham emprego, tinham aumento de salário, as pessoas sonhavam em estudar. Tudo isso foi possível criar. Agora, me parece que nada é possível — disse o ex-presidente. Lembrando o tom do discurso usado na campanha eleitoral de 2002, quando foi eleito presidente pela primeira vez e usou o slogan “Lulinha paz e amor”, o petista disse que o Brasil precisa de um governante que goste do povo. Novamente, voltou a apelar pedindo “mais tolerância e compreensão” contra o chamado preconceito.

Continuar lendo Lula, condenado, prega paz e amor, mas esculacha: ‘atual governo não representa nada’

Aécio diz que Dilma tem ‘interventor’ na economia e é ‘refém’ do Congresso

O senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), afirmou nesta quarta-feira (8) que a presidente Dilma Rousseff introduziu a "renúncia branca" na política brasileira e que ela desempenha hoje "praticamente nenhum papel". A afirmação foi feita após encontro da Executiva Nacional do PSDB, em Brasília. Na declaração, Aécio fez referência às ações do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e ao anúncio, ocorrido nesta terça-feira (7), de que o vice-presidente da República, Michel Temer, vai exercer o papel de articulação política do governo, que antes era executado pelo ministro Pepe Vargas, ex-comandante da pasta das Relações Institucionais.

Continuar lendo Aécio diz que Dilma tem ‘interventor’ na economia e é ‘refém’ do Congresso

Aécio critica Dilma sobre petrolão: ‘Não há sequer indignação’

Presidenciável tucano cobra avanço das investigações sobre esquemas de corrupção da Petrobras Daniel Haidar, do Rio de Janeiro (Veja Notícias) O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, criticou na tarde desta sexta-feira a tentativa da presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) de amenizar a gravidade das revelações do depoimento prestado à Justiça Federal do Paraná pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Dilma criticou a divulgação das declarações do ex-diretor no processo judicial, menosprezando os crimes delatados. “A presidente deu uma declaração de que considera estarrecedor o vazamento dos depoimentos. Eu considero estarrecedor esses depoimentos, essa confissão de crime cometido sucessivamente e de forma contínua ao longo dos últimos doze anos. Assaltaram a maior empresa brasileira nas barbas desse governo. E não há sequer indignação da presidente”, criticou Aécio.

Continuar lendo Aécio critica Dilma sobre petrolão: ‘Não há sequer indignação’

Reinaldo Azevedo: “O Ibope cometeu erros monumentais e, até agora, não se explicou. Será que o eleitor é o culpado por suas falhas?”

O Ibope cometeu erros monumentais e, até agora, não se explicou. Será que o eleitor é o culpado por suas falhas? O Datafolha está para divulgar a sua pesquisa eleitoral sobre São Paulo. Vai referendar a do Ibope? Haverá diferenças significativas? Não sei. Nesta quarta, escrevi um pequeno post sobre os números do mais recente levantamento desse segundo instituto. E claro que há lá algumas notas de ironia. “Ah, quando o cara não gosta do resultado, sempre desconfia…” Ok. Não gostei. Sou transparente com os meus leitores. Faz parte do nosso compromisso e do nosso acordo. Digamos que um pouco da minha desconfiança decorra do meu gosto. Mas vamos chamar aquela Senhora a quem frequentemente convoco: a Dona Lógica! O meu gosto ou o meu desgosto mudam os números, mudam os fatos, tornam acertos os erros do Ibope, até agora sem explicação? O máximo que li foi um muxoxo culpando o eleitor. Já fiz esta comparação aqui: é como o médico que, incapaz de fazer um diagnóstico, responsabiliza o doente por sua incompetência. Vamos ver. Em São Paulo, o erro foi grande. O Ibope apontou um triplo empate com 26% dos votos válidos. Celso Russomanno (PRB) ficou com 21,6%; Fernando Haddad (PT), com 28,98%, e José Serra (PSDB), com 30,75% dos válidos. Em São Paulo, o erro foi importante, sim, mas não foi o mais vexaminoso. Em Manaus, os números são escandalosos. O Ibope apontou um empate entre Arthur Virgílio (34%), do PSDB, e Vanessa Grazziotin (32%), do PCdob. Empate? Vejam o que de fato aconteceu. Atenção: neste e nos demais quadros, aqueles pequenos números que aparecem no alto da barra lilás indicam a margem de erro superior e inferior do Ibope; os que aparecem na parte de baixo, o que foi apurado pelo instituto. Os números no alto da barra marrom são os das urnas.

Continuar lendo Reinaldo Azevedo: “O Ibope cometeu erros monumentais e, até agora, não se explicou. Será que o eleitor é o culpado por suas falhas?”
Nan Souza culpa Governo do Estado pela crise aguda do turismo em São Luís
Nan Sousa aponta falhas do governo estadual na política do turismo

Nan Souza culpa Governo do Estado pela crise aguda do turismo em São Luís

Blog do Bóis O turismo no Maranhão enfrenta crise histórica. A curva descendente foi acentuada após a repercussão das rebeliões em pedrinhas nos primeiros dias do ano de 2014. Para Nan Sousa, presidente em exercício do São Luís Convention Visitors Bureau, Nan Souza, o governo do estado falhou ao não apresentar nenhum contraponto para as notícias catastróficas que emanavam do Maranhão. A agenda negativa de segurança, no parecer de Nan Souza, contribuiu para o quadro atual. Ele lembra que no governo José Reinaldo Tavares a convivência entre os atores do turismo contribuiu para o melhor resultado obtido pelo setor. “Foi Z[é Reinaldo que trouxe o voo charter, trouxe a novela “Da cor do pecado”, enfim”, enumera o presidente do convention, braço econômico do trade turístico e interveniente em vários projetos culturais da agenda da Secretaria de Estado da Cultura e de Comunicação.

Continuar lendo Nan Souza culpa Governo do Estado pela crise aguda do turismo em São Luís
Ácida crítica!  Arnaldo Jabor diz que “queda da família Sarney já seria um grande progresso para o Brasil”
Jabor: Críticas ácidas à família Sarney

Ácida crítica! Arnaldo Jabor diz que “queda da família Sarney já seria um grande progresso para o Brasil”

Crônica de Arnaldo Jabor*, na Rádio CBN/Globo, em sua participação deste domingo, 11 de maio Amigos ouvintes! Eu não sabia e nem vocês que o Maranhão tem o segundo menor índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país, atrás apenas de Alagoas, a invencível terra feudal de Renan Calheiros. E mais: o nível de vida é comparável ao da Síria, que está em guerra civil violenta há dois anos. Isso! O Maranhão é um país próprio da família Sarney, que está no poder há 48 anos, quase ao lado do reinado de Pedro II que esteve 49 anos no poder. E pode ser que continue, se o pobre e desinformado povo do Maranhão eleger o jovem senador Lobão Filho, naturalmente herdeiro de Edison Lobão, que até mudou o nome de uma cidade para botar o seu - “Onde o Senhor nasceu? Eu nasci em Edison Lobão...”. Isso é até inconstitucional botar nome de vivos em cidade. Mas lá, pode. Lá é outro país. Muito bem. Contra a ditadura do filho do amigo do Sarney, quase da família, há o candidato Flávio Dino, do PCdoB. Esse cara tem talvez a possibilidade de terminar com a dinastia Sarney, se for eleito. E, estranhamente, ele tem apoio de partidos como PSDB, PSB,PROS, PP e Solidariedade, com Aécio [Neves] e [Eduardo] Campos, apoiando-o também. Tudo para tentar terminar com a pior administração que detém o poder desde 1966, quando José Ribamar foi eleito pela primeira vez e transformou o Estado numa espécie de patrimônio seu. Quem não acredita visite São Luís e veja o Memorial Sarney, no antigo Convento da Graça (das Mercês], que ele transformou em sua casa de honra. [Eduardo] Campos já disse que vai mandar Sarney para oposição, se for eleito. E, felizmente, já crescem os protestos em meio à doce e submissa sociedade maranhense em torno do Palácio dos Leões. No Maranhão, cerca de 1 milhão de pessoas com mais de 15 anos não saber ler nem escrever. E muitas outras devem ser analfabetas funcionais. Mais da metade das casas no Maranhão não tem água encanada e esgoto; Mas para orgulho do Estado, o Palácio dos Leões, com a Roseana dentro, é muito bem fornido com comidas exóticas como salmão e caviar, a poucos quilômetros da Penitenciária de Pedrinhas, onde já morreram 60 homens. Até o início de julho de 2013, já tinha havido cerca 30 manifestações em todo o Estado contra os Sarney. É isso aí. Se por acaso o outro candidato for eleito, nem precisa fazer muito. Porque só a queda dessa família já seria um grande progresso para o Brasil. Arnaldo Jabor, jornalista e comentarista político da TV Globo e Rádio CBN, é um dos mais respeitados intelectuais brasileiros

Continuar lendo Ácida crítica! Arnaldo Jabor diz que “queda da família Sarney já seria um grande progresso para o Brasil”
Eduardo Campos adota discurso sindical e usa fator previdenciário para atacar Dilma
Eduardo Campos com sindicalistas, em Recife: críticas a DIlma Roussef

Eduardo Campos adota discurso sindical e usa fator previdenciário para atacar Dilma

Por Eduardo Campos (Direto do Facebook) Estive reunido hoje, no Recife, com líderes sindicais de 13 confederações de trabalhadores do país e representantes de oito federações. Um dos temas que tratamos é de grande interesse da população: o fator previdenciário - fórmula criada em 1999 que tem reduzido, ano a ano, o valor da aposentadoria dos brasileiros. Uma conta simples: o governo exonerou para as empresas cerca de R$ 140 bilhões em impostos nos últimos anos. Enquanto isso, o impacto do fator previdenciário para os cofres públicos foi de R$ 9 bilhões. Isso mostra as prioridades. É fácil chegar à conclusão de que o governo precisa atender a demanda do setor empresarial, mas não pode esquecer de apresentar resposta para este grave problema dos trabalhadores. Se o governo devolvesse esses 9 bilhões aos trabalhadores, esse dinheiro voltaria para a economia na forma de consumo. Deixando de penalizar a população. É possível fazer diferente. Quando um Governo não ouve, seus olhos se fecham. E ele fica cego para os problemas urgentes do país.

Continuar lendo Eduardo Campos adota discurso sindical e usa fator previdenciário para atacar Dilma
Deputados da oposição culpam governo estadual por caos em São Luís
Deputados da oposição discursam em bloco contra caos em São Luís

Deputados da oposição culpam governo estadual por caos em São Luís

Tirados os excessos de algumas informações sobre arrastões pela cidade, o fato é que semana passada São Luís viveu um clima de terror, o povo assustado, com medo, sem saber o que fazer diante desta situação. Eis o tom dos discursos de hoje (15), na Assembléia Legislativa, dos deputados que fazem oposição ao Governo do Estado, ao elencarem críticas a este na condução dos sistemas de Seguranças Pública e Penitenciário do Maranhão. Cada um ao seu estilo, os deputados Bira do Pindaré (PSB), Othelino Neto (PCdoB), Rubens Pereira Júnior (PCdoB), Marcelo Tavares (PSB) e Raimundo Cutrim (PCdoB) não só condenaram, mas também elogiaram a vinda da Força Nacional para o Maranhão, o que, segundo eles, foi proposta da oposição. - “A oposição está sintonizada em procurar o melhor para a população do Estado do Maranhão e se precisar unir nossas forças nesse momento para derrotar essa onda de criminalidade pode ter certeza que nós estaremos na ponta da lança para fazer com que os direitos da nossa população sejam respeitados”, disse Bira do Pindaré.

Continuar lendo Deputados da oposição culpam governo estadual por caos em São Luís
Celso de Mello critica pressão da mídia contra embargos
Celso de Mello queixa-se da mídia sobre sua decisão "embargatória"

Celso de Mello critica pressão da mídia contra embargos

Responsável pelo voto que permite aos réus da Ação Penal 470, o mensalão, apresentar Embargos Infringentes à decisão do Supremo Tribunal Federal, o ministro Celso de Mello falou sobre sua decisão pela primeira vez. Cinco dias após desempatar o julgamento e aceitar os embargos, o ministro confirmou ao Jornal Integração, de Tatuí (sua cidade natal), que foi vítima de pressão midiática. O decano do STF afirmou que a prova da pressão midiática vem dos editoriais e artigos publicados por diversos veículos de comunicação. Sem citar nomes, o ministro diz que alguns críticos aos Embargos Infringentes esquecem-se de que a decisão representa “a reafirmação de princípios universais e eternos”.

Continuar lendo Celso de Mello critica pressão da mídia contra embargos