Aqui 33 dicas que devem virar hábitos para economizar energia em tempos de “bandeira 2”

A Aneel aprovou o aumento de 42,8% no valor cobrado pela bandeira vermelha no patamar 2; serão R$ 5 a cada 100 kilowatts-hora consumido Com o aumento de 42,8% no valor cobrado pela bandeira vermelha no patamar 2, aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a taxa extra na conta de luz cobrada, nesse caso, sairá de R$ 3,50 para R$ 5 a cada 100 kilowatts-hora consumidos. A decisão aprovada no último dia 24 já valerá para o mês de novembro, quando essa bandeira deve continuar em vigor. Resta ao consumidor economizar. Segundo a Aneel, não houve evolução na situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas em relação ao mês anterior e, ainda que não haja risco de desabastecimento de energia elétrica, para a Agência, é preciso reforçar as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício. Por isso, listamos algumas dicas que podem ajudar a diminuir o valor da conta de energi, em casa ou no escritório. Confira:----->>>>

Continuar lendo Aqui 33 dicas que devem virar hábitos para economizar energia em tempos de “bandeira 2”

Conta de luz mais salgada ainda para o consumidor com reajuste em 42,8% da bandeira 2

Reajuste foi anunciado nesta terça-feira (24) e passa a valer em novembro, porém gatilhos de acionamento das bandeiras tarifárias têm novas regras A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou nesta terça-feira (24) o aumento de 42,8% para o valor a ser cobrado do consumidor pela conta de luz quando acionada a bandeira 2 vermelha. Com o reajuste, os consumidores passam a pagar R$ 5 a cada 100 kWh consumidos. O valor anterior era de R$ 3,50. A Aneel afirmou que a novo valor de referência passa a ser cobrado na conta de luz a partir do mês de novembro, porém o valor será submetido a uma audiência pública e poderá ser alterado após a votação. Quando a autarquia informa aumento de preços, esses recursos são destinados a cobrir custos com a geração de energia , em especial, em momentos de seca, que faz com que o nível de armazenamento de águas nas hidrelétricas fica abaixo do essencial para o funcionamento e é necessário acionar mais termelétrica, que suprem a demanda mais a um custo mais alto. Com a estiagem a atingir as principais hidrelétricas brasileiro o consumidor já tem arcado com o custo da bandeira 2 vermelha neste mês de outubro, porém paga o valor sem  o reajuste de dois dígitos. Em contrapartida ao aumento salgado, a agência reguladora não alterou o valor para a bandeira 1 vermelha, o mantendo em R$ 3 a cada 100 kWh consumidos.  Já a taxa da bandeira amarela cairá pela metade, de R$ 2 para R$ 1 a cada 100 kWh consumidos.

Continuar lendo Conta de luz mais salgada ainda para o consumidor com reajuste em 42,8% da bandeira 2