A fé rende muito! Igrejas evangélicas (e outras) arrecadam R$ 20 bilhões no Brasil em apenas 1 ano
Arrecadação é tão grande que só cabe em sacos...

A fé rende muito! Igrejas evangélicas (e outras) arrecadam R$ 20 bilhões no Brasil em apenas 1 ano

A maior parte da arrecadação tem como origem a fé dos brasileiros: R$ 39,1 milhões foram entregues diariamente às igrejas, totalizando R$ 14,2 bilhões no ano. Além do dinheiro recebido diretamente dos fiéis (dos quais R$ 3,47 bilhões por dízimo e R$ 10,8 bilhões por doações aleatórias), também estão entre as fontes de receita, por exemplo, a venda de bens e serviços (R$ 3 bilhões) e os rendimentos com ações e aplicações (R$ 460 milhões). "A igreja não é uma empresa, que vende produtos para adquirir recursos. Vive sobretudo da doação espontânea, que decorre da consciência de cristão", diz dom Raymundo Damasceno, presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil). Entre 2006 e 2011 (último dado disponível), a arrecadação anual dos templos apresentou um crescimento real de 11,9%, segundo informações declaradas à Receita e corrigidas pela inflação. A tendência de alta foi interrompida apenas em 2009, quando, na esteira da crise financeira internacional, a economia brasileira encolheu 0,3% e a entrega de doações pesou no bolso dos fiéis. Mas, desde então, a trajetória de crescimento foi retomada.

Continuar lendo A fé rende muito! Igrejas evangélicas (e outras) arrecadam R$ 20 bilhões no Brasil em apenas 1 ano

Candidatos aos governos estaduais já arrecadaram R$ 80 milhões, diz TSE

Dados informam arrecadação e gastos do primeiro mês de campanha. Nem todos os candidatos informaram dados a Justiça eleitoral. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou na quarta-feira (6) a primeira parcial dos dados de doações recebidos pelos candidatos às eleições de outubro. Os números mostram que o total arrecadado pelos postulantes ao cargo de governador no primeiro mês de campanha em todo o país já somam R$ 79.720.131,67. O campeão de doações até agora é Delcídio do Amaral (PT), que concorre ao governo de Mato Grosso do Sul. Segundo dados do TSE, ele já arrecadou R$ 8,6 milhões. Em segundo está Luiz Fernando Pezão (PMDB-RJ), com quase R$ 5,8 milhões em doações arrecadadas, seguido por Geraldo Alckmin (PSDB-SP), com R$ 5,7 milhões. Já entre os candidatos com menos receita está Camila Valadão (PSOL), que disputa o governo do Espírito Santo e arrecadou apenas R$ 550. Alguns políticos nas disputas estaduais disseram ao TSE não ter havido movimentação financeira e há casos em que não foi registrada a prestação de contas na Justiça eleitoral. Na tabela abaixo, clique em "leia mais" para ver detalhes sobre doações e gastos dos políticos em cada estado. O prazo para o envio da primeira prestação de contas de campanha terminou dia 2 de agosto. Segundo a Lei nº 9.504/1997, os candidatos são obrigados a entregarem suas prestações de contas periodicamente ao TSE entre os dias 28 de julho e 4 de novembro. Há duas prestações de contas obrigatórias (agosto e setembro), mas não há sanção para quem não entregar . Somente após a eleição é que eventuais omissões serão julgadas. Os dados divulgados pela base de dados do TSE poderão ser atualizadas a qualquer momento. Confira abaixo o total de doações por estado:

Continuar lendo Candidatos aos governos estaduais já arrecadaram R$ 80 milhões, diz TSE