Senador Delcídio reconhece que errou, pede desculpas e diz que pena de cassação é exagerada

Em pronunciamento na tarde desta segunda-feira (9) na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), o senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) reconheceu que errou no caso da conversa com o filho de Nestor Cerveró, pelo qual foi preso em novembro de 2015. Ele pediu desculpas à população brasileira, afirmou que agiu “a mando” e alegou não ter cometido qualquer irregularidade que justifique a cassação de seu mandato. — Admito meu erro e peço perdão por isso. Eu não roubei, não desviei dinheiro, não tenho conta no exterior, estou sendo acusado de obstrução de justiça. Peço desculpas, errei, mas agi a mando. Assumo a responsabilidade dos meus erros — disse Delcídio, que foi solto em fevereiro após fazer uma delação premiada. Delcídio também reclamou que sua equipe de advogados teve dificuldades para terem acesso aos autos do processo contra ele no Senado. Afirmou ainda que esse processo contra ele está ocorrendo de maneira “inacreditavelmente célere”. Para o senador, a cassação de mandato é uma pena que só deve ser aplicada em caso de "irregularidade grave", ou seja, corrupção ou má aplicação de recursos públicos, o que Delcídio alega nunca ter feito.

Continuar lendo Senador Delcídio reconhece que errou, pede desculpas e diz que pena de cassação é exagerada
Aécio apela para que a oposição não se disperse e combata estelionato eleitoral de Dilma
Em artigo no jornal O Estado de São Paulo, Aécio pede para oposição permanecer unida

Aécio apela para que a oposição não se disperse e combata estelionato eleitoral de Dilma

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato derrotado nas eleições de outubro, sugere que a presidente Dilma Rousseff cometeu estelionato eleitoral e pede que seus apoiadores não se dispersem. "Finda a eleição, a candidata eleita, rapidamente, pôs de lado as determinações do marketing e colocou em prática tudo o que acusou a oposição de pretender fazer. Fez isso sem dar satisfação à opinião pública. Sem dar explicação sequer a seus próprios eleitores. Os mesmos eleitores que observam, atônitos, a presidente implantar as "medidas impopulares", que usou como matéria-prima do terrorismo eleitoral contra seus adversários", diz ele, no texto Trinta Dias, publicado na Folha de S. Paulo. "Na campanha, o PT dizia que aumentar os juros tiraria comida da mesa do trabalhador. Três dias depois da eleição, foi justamente isso o que o governo Dilma fez. No discurso do PT, se eleita, a oposição iria reajustar a gasolina, governar com banqueiros e patrões. Vencida a eleição, o governo anunciou o aumento dos combustíveis e convidou um banqueiro para a Fazenda. Anunciou ainda dois novos ministros: para cuidar da agricultura e da indústria, a dirigente e o ex-dirigente das confederações patronais." Segundo o senador, o sentimento de "estelionato" alimenta manifestações contra o governo Dilma. "Surpresos, os brasileiros assistem àquilo que muitos estão chamando de estelionato eleitoral. Tudo isso explica a indignação de milhares de pessoas que vão às ruas e se mantêm mobilizadas nas redes sociais. São pessoas que se sentem lesadas, mas esse sentimento não tem relação com o resultado eleitoral em si. Processos eleitorais fortalecem a democracia, qualquer que seja o resultado da eleição. Vencer e perder são faces da mesma moeda. As pessoas estão se sentindo lesadas porque os valores que saíram vencedores na disputa envergonham o país." Por último, ele pede uma oposição aguerrida. "Os últimos 30 dias são uma amostra da situação real do Brasil e do que vem pela frente. E nos mostram por que não podemos nos dispersar."

Continuar lendo Aécio apela para que a oposição não se disperse e combata estelionato eleitoral de Dilma