Intelectuais em alerta! Mesmo ameaçado pela soja, Buriti ainda respira ar puro e poesia!

Dois dias inteiros na cidade de Buriti de Inácia Vaz, a 320 KM de São Luís-MA, respirando ar puro e poesia; ouvindo recitais e histórias do arco da velha; tendo aulas de sustentabilidade e conspirando para que, em breve, um movimento feito à Balaiada consiga impedir o desmatamento criminoso que se faz na região (Chapadinha, Anapurus, Mata Roma, Brejo, Buriti, Santa Quitéria...), onde as plantas nativas (juçaras, buritizeiros, bacurizeiros, pequizeiros, jatobás, mutambas ...) estão dando lugar à soja e ao agrotóxico. Não estava em Buriti por acaso. Nascido a 18 quilômetros dali, na antiga Vila do Garapa (hoje Duque Bacelar), curtia fortes lembranças dos banhos no Rio Parnaíba e nas lagoas que ele criava no inverno. Falo do ambiente criado pelo II Encontro Literário da APA dos Morros Garapenses, sediado em Buriti, agora em junho: “as artes, artistas e a literatura unindo nossa região”. E foi isso mesmo o que aconteceu, da forma como propôs o tema, exceção feita ao choro triste de lamento pela devastação das chapadas da região. Afinal, literatura e meio ambiente coexistem - uma reclama a sobrevivência da outra... Mas, entrando na programação, vi a historiadora e professora doutora da UFMA, Regina Faria, abrir um rasgo na história para explicar quando, onde e por que a Balaiada “rolou” no Maranhão. E esse rasgo atingiu em cheio o Baixo Parnaíba, por onde um bravo vaqueiro Raimundo Gomes, de uma certa Vila da Manga, deu as suas ripadas revoltosas e com ele levou um monte de caboclos, negros e brancos injustiçados, à luta por um Maranhão e um Brasil melhores, ainda no Século XIX. Até que o coronel e rufião Luís Alves de Lima e Silva, apelidado depois de “Duque de Caxias”, sufocou o movimento... Apreciei, também, quando o jornalista, escritor e ambientalista Moisés Matias abriu um cofo cheinho de ideias sobre como uma família grande ou pequena pode viver – e bem – cultivando um pedacinho de chão de 1 a 5 hectares, com trabalho sustentável, ecologicamente correto e sem stress. Foi um show. Vai voltar à região e, didaticamente, ensinar a prática da Ecologia e de como se pode viver muito, sem fadigas. Para isso, levou à tiracolo o livro de sua autoria “Ecologia e Estresse”, quase esgotado.

Continuar lendo Intelectuais em alerta! Mesmo ameaçado pela soja, Buriti ainda respira ar puro e poesia!

Parque do Itapiracó: um novo olhar humano para a cidade de São Luís

Numa cidade em que o verde está desaparecendo com uma velocidade espantosa, os rios morreram ou se transformam  em esgotos à céu aberto e carece de espaços públicos de convivência e lazer, merece toda a consideração a inauguração, agora no final de julho, de  uma série de melhorias e equipamentos pelo governador Flávio Dino e o secretário estadual de  Meio Ambiente e Recursos Naturais, Marcelo Coêlho,  no que denominaram Complexo Ambiental da APA do Itapiracó, em São Luís do Maranhão.   Pelo menos parou a indignação de quantos circundavam a APA ou dela já faziam uso para as suas atividades físicas ou de lazer. “Essa é a nossa concepção de valorização dos espaços públicos, democráticos, gratuitos compreendendo que uma cidade mais humana é um direito”, disse Flávio Dino na oportunidade, definindo a amplitude do que é hoje uma área   totalmente revitalizada pelo Governo do Estado e beneficiada com a inclusão de equipamentos de lazer,  espaços de entretenimento e cultura e recuperação de áreas verdes.   Para o secretário de Meio Ambiente, Marcelo Coelho, o que foi feito com a  APA do Itapiracó constitui-se "num marco na história do Maranhão, por ter se transformado  no maior centro de lazer do Estado e a primeira de muitas outros que o Governo entregará por todo o Maranhão, a exemplo dos que estão em construção nas cidades de Balsas e Codó":   - “Estamos implantando um modelo de preservação sustentável. Vamos 'refuncionalizar' essas áreas já ocupadas com equipamentos urbanos de qualidade e voltados para o uso sustentável de suas dependências pela comunidade”.

Continuar lendo Parque do Itapiracó: um novo olhar humano para a cidade de São Luís
Sema vistoria obras do Complexo Ambiental  do Itapiracó, que já é sucesso de público
O secretário do Meio Ambiente, Marcelo Coelho, fica satisfeito com as obras do complexo que reúne espaços para prática do esporte e do lazer.

Sema vistoria obras do Complexo Ambiental do Itapiracó, que já é sucesso de público

As obras para construção do Complexo da Área de Preservação Ambiental (APA) do Itapiracó foi vistoriada na segunda-feira (9) pelo titular da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema), Marcelo Coelho. A APA do Itapiracó está localizada entre os bairros do Turu, Parque Vitória e Cohatrac. O objetivo da visita foi vistoriar o andamento das obras, averiguar a situação do entorno da APA, bem como se inteirar de aspectos técnicos do edifício que será sede da Sema. O complexo, quando pronto, abrigará espaços de lazer, esporte e cultura dedicados à comunidade do entorno. O secretário Marcelo Coelho ficou satisfeito com a condução dos trabalhos. “O prédio da Sema, além dos ambientes técnicos e espaços voltados ao público e aos funcionários, representa a nova arquitetura com princípios sustentáveis de aproveitamento de recursos naturais bem como um espaço exclusivo representativo da biodiversidade do Maranhão”, disse Coelho.

Continuar lendo Sema vistoria obras do Complexo Ambiental do Itapiracó, que já é sucesso de público