Delegados de polícia entregam cargos em protesto e 99 cidades do Piauí são afetadas

A categoria reclama de excesso de trabalho, falta de remuneração para cargos de chefia e de confiança, além de falta de estrutura O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Piauí (Sindepol) anunciou nessa segunda-feira (10) a entrega de funções em 22 delegacias regionais, atingindo 99 municípios (veja lista abaixo). A categoria reclama de excesso de trabalho, falta de remuneração para cargos de chefia e de confiança, além de falta de estrutura. Em nota, o sindicato informou que a partir de agora os delegados que trabalham em distritos que atendem a vários municípios, não mais farão o deslocamento para outras cidades. Investigações, solicitações de diligências e demais pedidos à justiça que necessitem de um delegado, não irão acontecer. Contudo, a população pode buscar as delegacias regionais, pois a entrega de cargos deixa disponível o registro de boletins de ocorrência, incluindo flagrantes. A cidades sede são: Esperantina, Luzilândia, Piripiri, Campo Maior, Água Branca, Valença do Piauí, Elesbão Veloso, Oeiras, Picos, Fronteiras, Jaicós, Paulistana, São João do Piauí, Simplício Mendes, Canto do Buriti, São Raimundo Nonato, Guadalupe, Urucuí e Corrente, Segundo a categoria, não há previsão para retorno ao trabalho normal até que uma negociação aconteça com o governo. Não existe ainda uma reunião marcada para discutir o assunto. Os delegados afirmam que a medida foi tomada devido ao enorme acúmulo de funções, já que apenas 19 delegados eram responsáveis por 99 municípios.

Continuar lendo Delegados de polícia entregam cargos em protesto e 99 cidades do Piauí são afetadas
Debandada? Mais Médicos tem 14 cubanos que desistiram do programa
Seria o começo de uma debandada? Os cubanos começam a desistir do Mais Médicos...

Debandada? Mais Médicos tem 14 cubanos que desistiram do programa

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, confirmou, durante audiência na Câmara de Deputados, que pelo menos 14 profissionais cubanos do Mais Médicos já desistiram do programa. Mesmo assim, afirmou o ministro, a taxa de médicos cubanos abandonando o programa do governo é a mais baixa entre todas as nacionalidades de profissionais envolvidas no Mais Médicos. De acordo com dados do Ministério, divulgados essa quarta-feira em audiência na Câmara, a maior taxa de desistência de profissionais pertence aos brasileiros, com 8,4% dos médicos inscritos já fora da iniciativa. Entre os estrangeiros que, individualmente, se candidataram e juntaram ao Mais Médicos, 0,8% já abandonaram. No caso de profissionais cubanos, essa taxa está nos 0,1%. Até ao final de março, o número de médicos cubanos que tinha desistido era de sete profissionais ao abrigo do convênio com a Opas. Os últimos dois abandonos foram registrados essa terça-feira (3), conta a Folha de São Paulo.

Continuar lendo Debandada? Mais Médicos tem 14 cubanos que desistiram do programa