Sérgio Macedo, secretário de Roseana Sarney, faz propaganda como Goebbels, ministro de Hitler
Sérgio Macedo segue direitinho os preceitos de Goebbels: é preciso repetir a mentira para que ela se torne verdade...

Sérgio Macedo, secretário de Roseana Sarney, faz propaganda como Goebbels, ministro de Hitler

“Uma Mentira contada mil vezes torna-se uma verdade”/”Nós não falamos para dizer alguma coisa, mas para obter um certo efeito”

 Como é insistente a propaganda do Governo Roseana Sarney, na televisão, na internet, jornais, outdoors… Tudo indica que o secretário de Comunicação do Estado, Sérgio Macedo,  apreendeu com Paul Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Adolf Hitler, na fase de extermínio dos judeus. O alemão ensinava que “uma mentira contada mil vezes torna-se uma verdade”. Senão, vejamos:

Para a Segurança Pública, a comunicação do governo roseanista produziu um vídeo onde uma incauta senhora da Vila Luisão se diz encantada com a tranquilidade imposta pelo governo. Fora do vídeo, a cidade e o Estado estão em pânico, com metralha de postos da PM, assassinatos de policiais e toda um ciclo de violência que beira a estratosfera, quebrando todos os recordes.

Há outro vídeo afirmando que a Saúde no Maranhão é coisa de primeiro mundo. Na prática, só o maranhense que precisa de assistência médico-hospitalar sabe o que passa na hora H. Os cantados e decantados 72 hospitais deveriam, por promessa, ter sido inaugurados em 2010, quando terminou o governo que deveria ser de Jackson Lago. A data foi reformulada para 2013. E nada.

Sérgio Macedo segue direitinho os preceitos de Goebbels: é preciso repetir a mentira para que ela se torne verdade…

Inspiração: Joseph Goebbels, o ministro da Propaganda de Adolf Hitler

Um terceiro vídeo/spot a nos azucrinar os ouvidos, no momento,  informa que todas as estradas maranhenses estão uma beleza, e que as sedes dos  217 municípios serão interligadas por  asfalto. Só não diz quando…Vá ao interior, ande na maioria das estradas maranhenses, e verá o que realmente se passa.

Pior é aquela peça dos 7 dias da semana, onde, na falta do que falar, e para preencher o script, a Secom ou recorre à ficção ou rouba ovos da chocadeira alheia: é o caso de enumerar como do governo Roseana a duplicação da BR-135, que todo mundo sabe que é obra do governo federal.

No Baixo Parnaíba, recentemente, a Secom deu como “construção” uma “recuperação” de rodovia feita no governo Jackson Lago – o trecho Buriti-Duque Bacelar, de pouco mais 20 quilômetros, recebeu uma camadinha de asfalto sobre outra que não era lá essas coisas…

Mas ainda tem aquele outro vídeo/spot que insiste em  que  praticamente todos os maranhenses foram capacitados, profissionalmente, querendo sugerir que o desemprego no Estado é coisa do passado e não mais deste “novo Maranhão”…

Ontem, um conhecido  apresentador de rádio tentou passar para os ouvintes que tem gente que  “fica feliz” com as desgraças da terra. Isso porque o Ipea (Instituto de Pesquisa Aplicada) divulgou, ontem mesmo (25),  que o Maranhão é o estado com maior déficit habitacional do Brasil (veja o post abaixo). Para ele, a manchete deveria ser assim: “Apesar de ter o maior déficit de domicílios, o Maranhão já conseguiu reduzi-lo…” O suprassumo do otimismo…

Logo em seguida, um ouvinte ligou. Para contestar. “Senhor, uma pessoa que chega de fora e não conhece o Maranhão, ao ver ou ouvir essa propaganda do Governo do Estado, pensa que aqui é o Céu… Mas a realidade é completamente diferente…”

Devemos saber que apenas uma inserção de um vídeo de 1 minuto,  no horário nobre da TV Globo,  custa, em média,  4.200 reais… Pare e conte quantas vezes por dia você vê e ouve a cantilena da Secom, de madrugada, de manhã, de tarde, de noite, apenas para citar o rádio e a TV. Quase tudo contando lorota!

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Este post tem 4 comentários

  1. Coreiro

    Não retiro uma vírgula desse texto, é assim mesmo a propaganda de Roseana,sempre se mantém a custa de propaganda, pois a realidaade dos fatos é desoladora para os maranhenses.

  2. Pontes

    Senhor, até parece coisa de máquina fotográfica, sua reportagem é uma fotografia dos fatos; todo dia fico injuriado diante da televisão, vendo essas besteiradas todas. Mas tem uma coisa que o senhor não disse que todo o dinheiro da propaganda vai para a empresa de televisão, rádio, jornal e internet da própria família Sarney, eles mesmo pegam o dinheiro do estado e se pagam. uma ruma de dinheiro, milhões e milhões de reais, dinheiro nosso diretamente no bolso da governadora Roseana e sua família de Sarney.

  3. Carlos Eduardo da Maia

    O que você escreve é a verdade. O governo estadual se utiliza de uma ferramenta tão antiga, mas ainda útil. Aliás, a governadora Roseana sempre se norteou pela publicidade. É o caminho mais eficaz para iludir as massas e lubrificar as engrenagens do sistema. Por óbvio, conta com o auxílio das mazelas que o próprio governo deveria exterminar: a ignorância e a pobreza do povo. O depoimento da senhora de que você fala, moradora da Vila Luisão, é algo surreal. A propaganda beira o cinismo de tão falsa que é. Mas há outras verdades além desta que você nos conta. O prefeito, talvez em menor medida, lança mão da mesma arma: a publicidade. Tenta passar pela mídia à população uma situação que não combina com a realidade. A cidade está um buraco. É só andar pelos bairros e avenidas. Há buracos que já estão fazendo aniversário de 6 meses. Como eleitor do prefeito, estou profundamente decepcionado com sua administração caótica. As constantes mudanças de comando nas secretarias de educação e saúde são o reflexo de que o prefeito é refém de partidos que o ajudaram. Não enxergo, sinceramente, qualquer mudança em relação ao governo Castelo (parece até que os dois estarão juntos brevemente). Falta ao prefeito menos política e mais gestão, mais administração. Veja o exemplo do seletivo para contratar professores, lançado pelo município. É o mesmo procedimento adotado pela governadora há anos. Em vez de realizar concurso, lança mão desses seletivos tapa-buracos. De certa maneira, então, estão os dois – prefeito e governadora – de mãos dadas, juntos na velha política do atraso. Ninguém merece.

    1. José Machado

      Concordo com você em praticamente todos os pontos. Só não vale trazer Castelo para essa discussão. Para mim, foi o pior prefeito que São Luís já teve, superando, inclusive, o da esposa, lá no século passado…

Deixe uma resposta