TV Globo demite no “Zorra Total”. Mas  ninguém é punido pela “zorra maranhense”…
"Essas duas" não perderão o emprego...

TV Globo demite no “Zorra Total”. Mas ninguém é punido pela “zorra maranhense”…

Zorra Total, humorístico da TV Globo, estaria passando por mudanças na emissora. Por não estar atendendo os objetivos da emissora.

De acordo com informações do jornal Extra desta terça-feira (14), a atração teria dispensado 30 comediantes, ontem (13).

“A nota não procede. O ‘Zorra Total’ é composto por quadros de naturezas distintas e por isso trabalha com diferentes modelos de contratos”, diz a assessoria de imprensa da  emissora

No Maranhão, a “zorra total”, que atende pelo nome de crise carcerária, continua. Por enquanto, sem demissões.

Por falta de comando,  há um passivo secular a ser revisto. Afinal,  a zorra começou em l965, no século passado… Por isso, todo mundo resolveu dar pitaco no Executivo Maranhense, onde a chefa, Roseana Sarney,  está  mais perdida do que cego em tiroteio.

Primeiro,  o Ministério Público Federal, na pessoa do procurador Rodrigo Janot, ameaçou com intervenção federal. Em seguida, foi a vez do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) escandalizar o que estava mais ou menos escondido – o caso das decapitações e estupros, nos presídios.

O poder Judiciário,  o Ministério Público e a Associação dos Magistrados do Maranhão, sem falar a OAB federal, todos engrossaram a voz com Roseana e seus descalabros.

Com mais  mortes e fúria nos presídios, o incêndio de ônibus, a metralha da estrutura policial e o assassinato da menina Ana Clara, queimada viva, vieram o ministro da Justiça para dizer como o governo federal queria a solução,  o Conselho dos Direitos Humanos, e, por fim, a Comissão do Senado, assustando-se, ainda, com o que viu. E crivando o governo Roseana de críticas.

Até Edinho Lobão resolveu criticar. E dar ideia. Pode não servir pra nada. Mas apegou-se à lenda da onça morna na floresta: tufdo quanto é bicho resolveu meter o bedelho na onça…

Nessa nossa zorra maranhense, está faltando comando. Tipo o da Rede Globo, para expurgar aqueles que já não servem mais ao espetáculo.

Com uma diferença, ao invés de risos, o espetáculo maranhense produz  choros e velas.

“Essas duas” não serão demitidas e permanecem incólumes… na Globo.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta