Se vira nos 30! Coveiro atrasa e família teve de cavar sepultura para enterrar parente
Depois de uma hora e meia, família resolveu não esperar mais por coveiro e preparou por conta própria a sepultura de Maria Ana de Azevedo (Foto: Severino José / Acervo Pessoal)

Se vira nos 30! Coveiro atrasa e família teve de cavar sepultura para enterrar parente

A falta de coveiro em um cemitério de Goiana, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, fez filhos e genros de uma senhora de 70 anos  cavar

Cinco homens se revezaram por uma hora para que enterro fosse feito

Depois de uma hora e meia, família resolveu não
esperar mais por coveiro e preparou por conta
própria a sepultura de Maria Ana de Azevedo (Foto: Severino José / Acervo Pessoal)

a sepultura e realizar todo o enterro da parente, no último domingo (17). O caso aconteceu no Engenho Ubu, área rural do município, e a prefeitura da cidade justifica a ausência do profissional por conta de um carro que teria quebrado.

A dona de casa Maria Ana de Azevedo morreu de pneumonia, no último sábado (16), no Hospital Belarmino Correia, em Goiana. De acordo com parentes, no mesmo dia a prefeitura foi comunicada para cuidar de todo o procedimento fúnebre, que iria começar a partir das 14h do domingo. Após esperarem por mais de uma hora e meia pelos servidores, parentes e amigos decidiram cavar a cova que iria receber o caixão.

De acordo com Severino José da Silva, genro de Maria Ana, a comunidade se mobilizou em busca de pás e enxadas, para dar continuidade ao funeral. “Já é um momento de sofrimento, e a gente ainda tem que ficar se preocupando com essas coisas que seriam a obrigação do governo”, criticou. Cerca de cinco homens participaram do trabalho manual, que foi concluído em aproximadamente uma hora.

Por volta das 16h, os coveiros chegaram ao cemitério, justificando o atraso por falta de carro na prefeitura, de acordo com os parentes de Maria Ana de Azevedo. “Quando eles chegaram, estava no final. Dissemos que a gente não precisava mais deles, que eles podiam ir embora”, contou Severino José. A família também reclama das péssimas condições do cemitério do Engenho Ubu, com mato muito crescido e covas quebradas.

Em nota, a Prefeitura de Goiana informou que enviou uma equipe para o procedimento no cemitério da comunidade, “no entanto, devido à grande distância entre as localidades e um problema ocorrido com o carro da equipe no percurso, que teve que ser reparado imediatamente, houve atraso na chegada ao Engenho”. De acordo com a prefeitura, a comunidade fica a 30 km de distância do distrito mais próximo.

 

Fonte: G1

 

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta