Roseana Sarney prepara-se para se descasar dos Leões, mas pesquisas desaconselham o divórcio
Dilema: Roseana Sarney quer ser candidata, mas as pesquisas dizem não

Roseana Sarney prepara-se para se descasar dos Leões, mas pesquisas desaconselham o divórcio

Mesmo já estando regulamentada na Constituição Estadual,  deputados  aliados do Governo do Maranhão  na Assembléia Legislativa se mobilizam para votar uma nova lei que trata da eleição indireta para governador, em caso de vacância do cargo, o que sinaliza para a possibilidade de a governadora Roseana Sarney (PMDB) deixar o cargo para disputar um mandato legislativo – senador, deputado federal ou deputado estadual.

Nas pesquisas  que encomendou, até agora,  a governadora Roseana Sarney tem tido o dissabor de amargar altos índices de reprovação do seu governo – beirando os 70 por cento. Da mesma forma quando coloca o seu nome como balão de ensaio para a disputa do Senado, a rejeição é estratosférica. Na última  do Instituto Data M  registrada no TSE e divulgada, Roseana aparece com espantosos 56  por cento de rejeição. Nos índices de intenção de votos, é superada pelo ex-deputado federal Roberto Rocha (PSB).

Ainda assim, alguns aliados  “sopram” que ela é mesmo candidata a senadora. Outros são taxativos: ” Com o desempenho pífio nas pequisas, ela não deixará o governo”. Mas ponderam: “A não ser que se candidate a deputada federal…”

A estas alturas, o prejuízo já é grande. Roseana já escorraçou do Palácio dos Leões o seu vice-governador Washington Oliveira (PT), garantindo a ele uma vaga de conselheiro vitalício do tribunal de Contas do Estado (TCE), tudo isso para azeitar a sua saída do Palácio para disputar o Senado. Agora, a expectativa é saber quem herdará os 9 meses de mandato que a governadora deixará ao se desincompatibilizar do cargo.

O deputado-presidente da Assembleia Legislativa, Araldo Melo, já ganha pelo menos 30 dias do tão cobiçado cargo, É o prazo que a Assembléia Legislativa tem para organizar a eleição indireta. Qualquer um cidadão maranhense filiado a um partido político pode disputar a vaga aberta. Assim, o secretário de Infraestutura e pré-candidato ao governo, Luís Fernando, pode, perfeitamente ser o candidato “biônico” de Roseana Sarney a substituí-la e, ao mesmo tempo, disputar o mandato de governador.

São os “de confiança” da família Sarney: Luís Fernando, o atual secretário-chefe da Casa Civil,  João Abreu,  e João Alberto. Mas,pelas conversas ouvidas, João Alberto se benze todo diante da possibilidade de “largar” quase cinco anos e mandato no bem-bom. Além disso, tem um filho para eleger deputado federal. Luís Fernando tem medo de “herdar” a rejeição ao governo Roseana e sua candidatura ir a pique. Sobraria João Abreu, concentrem-se neste nome…

Ah! Arnaldo Melo e uma dúzia de deputados já defendem que ele seria o nome ideal, por ser o substituto legal – e natural – de Roseana. com isso, a eleição indireta seria um passeio. O problema  é convencer Sarney, Roseana e Jorge Murad…

CHOVENDO NO MOLHADO

Enquanto isso, na Assembleia Legislativa….

Dilema: Roseana Sarney quer ser candidata, mas as pesquisas dizem não

Durante a sessão plenária realizada na manhã desta quarta-feira (12), o deputado estadual Jota Pinto (PEN), que preside a Comissão de Constituição e Justiça, solicitou pedido de vista de 24 horas para apreciação do projeto de Lei, de autoria do deputado Edilázio Júnior (PV), que dispõe sobre a eleição, pela Assembleia Legislativa, para governador e vice-governador do Estado do Maranhão.

De acordo com o projeto de nº 012/14, se vagos os cargos de governador e vice-governador do Estado do Maranhão nos últimos dois anos de mandato, a eleição para preenchimento dos cargos é feita pelo sufrágio dos deputados integrantes da Assembleia Legislativa, em sessão pública, por meio de votação nominal e aberta.

O projeto diz ainda que a eleição deve ocorrer em sessão extraordinária marcada para tal fim, em até 30 dias depois de aberta a última vaga, e que a Assembleia Legislativa regulamentará a eleição.

A votação do projeto depende de parecer da Comissão de Constituição e Justiça. Como o presidente Jota Pinto pediu vistas de 24 horas, a discussão e votação foi transferida para a ordem do dia da próxima sessão, nesta quinta-feira (13).

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta