Rolo grosso! Fábio Câmara invade prefeitura e agride secretários de Edivaldo Júnior
Fábio: fora de controle, invade a prefeitura.

Rolo grosso! Fábio Câmara invade prefeitura e agride secretários de Edivaldo Júnior

Márcio Jerry: aulas de boas maneiras a Fábio Câmara
Fábio: fora de controle, invade a prefeitura.

O rolo foi grosso e impróprio para menores de 21 anos.

Por volta das 15 horas de hoje (19), o vereador Fábio Câmara (PMDB) que, na Câmara Municipal de São Luís, faz críticas pesadas à administração Edivaldo Holanda Júnior, invadiu o prédio da prefeitura, na Praça Dom Pedro II, acompanhado de cerca de 20 servidores da Multicooper. Disposto a tudo,  desacatou o secretário de Educação do Município, Geraldo Castro, trombando feio, ainda, com o secretário de Comunicação, Márcio Jerry, e outros auxiliares do prefeito.

Aos gritos e insultando a todos com palavras de baixo calão, além de partir para a agressão física, Câmara dizia  que o acordo costurado com os funcionários terceirizados da Educação estaria desfeito  se a Semed  não adiantasse pelo menos um salário mínimo aos terceirizados,  antes do Natal.

-“Safado, ladrão, vagabundo!”, gritava Fábio Câmara,  dirigindo-se ao jornalista Márcio Jerry, secretário de Comunicação. “Mentiroso, enganador!”, dirigia-se ao secretário de Educação, Geraldo Castro. Claro que houve troco. Mas Fábio Câmara partiu, ainda,  para agredir fisicamente Márcio Jerry, sendo contido por membros da Guarda Municipal.

O secretário de Comunicação Social, jornalista  Márcio Jerry, postando no Twitter, deu sua versão dos fatos e também reprovou a atitude do vereador Fábio Câmara, dando-lhe uma lição de como deve se comportar um vereador:

– Fábio Câmara mais uma vez ofendeu hoje o exercício do honroso cargo de vereador. Agressões, desrespeito, gritaria. Falta ao Fábio Câmara a dimensão mínima da estatura que um vereador tem. As atitudes dele hoje na Prefeitura foram repugnantes. Com o diálogo avançando e um acordo na iminência de ser concluído com os cooperados, Fábio Câmara tumultuou o ambiente com agressões verbais. A atitude responsável, madura e serena dos membros do governo municipal frustrou a tentativa de Fábio Câmara em criar factóide. Mais um… A Prefeitura trata todos os vereadores com absoluto respeito; e todos os que se manifestam. Diálogo respeitoso é a regra.

ACORDO

Ocorre que Geraldo Castro, no acordo fechado ontem (19) com os cooperados e terceirizados da Secretaria de Educação (Semed), cerca de 500 deles pactuaram e assinaram o termo, tudo supervisionado pelo Ministério Público do Trabalho.

A determinação do prefeito Edivaldo Holanda Júnior foi a de resolver, com celeridade,   o pepino, deixado pela  administração João Castelo. Pelo acordo fechado,o primeiro pagamento está previsto para 15 de janeiro por conta da disponibilidade do caixa do Município, segundo explicou Geraldo Castro:

– “O acordo só foi possível devido à forte diligência e ao empenho do procurador do Trabalho, Maurel Mamede Selares, e do juiz do trabalho, Paulo Mont’Alverne, que ativamente participaram da negociação. A determinação do prefeito é que haja a maior celeridade possível na liberação do pagamento dos trabalhadores, que reconhecidamente têm contribuído com a gestão”.

Como em acordos  como esse dificilmente todos ficam satisfeitos, o vereador Fábio Câmara arregimentou e insuflou os descontentes para melar o que fora pactuado. Segundo os assessores do prefeito, Fábio Câmara aposta no caos, já que o papel dele é fazer oposição a qualquer custo, influenciado por políticos ligados ao Governo do Estado. “Um deles,  todo mundo  sabe, é secretário de Saúde, Ricardo Murad, a quem obedece, cegamente”, disse um assessor do Município.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Este post tem 15 comentários

  1. edgar

    E os funcionários da Empresa RESULT Prefeito você vai pagar quando nós temos família, estamos passando por momentos difícil por quê até hoje nossa carteira nao foi dado baixa isso impossibilita nos de trabalha meus filhos tão pedindo presente de natal como que eu vou dar, são 11 meses sem de salário.

  2. PAULO DA LUZ

    Coitado desse moçinho chamado FÁBIO CÂMARA.O destino dele vai ser igual do do PEDO CELESTINO,que se vende a família Sarney,e nunca mais foi eleito a nada.Pobre desse mero “vendedores”.Lamento muito!!!

  3. PAULO DA LUZ

    Corrigido:PEDRO CELESTINO,ex-vereador,que se vendeu por tão pouco à família Sarney.

  4. Franco

    Mas é mesmo um absurdo total um vereador ter essa postura de bandido dentro de um predio publico,agredindo verbal e fisicamente… Que tipo de politicos estao a frente dessa Camara Municipal???
    Esse pessoal da multicooper deve mesmo cobrar os salarios atrasados, mas quem deveria ter resolvido essa palhaçada era o proprio Castelo: culpa dele essa confusão toda!

  5. carla

    por volta das 15 horas do dia 20??? como se ainda são 11 e pouco da manhã….??????????????? affffffffffffffffffffff

  6. Paulo Neto

    Engraçado, se o vereador Fábio Camara não estivesse defendendo os direitos de pobres assalariados que estão sem receber dinheiro a quatro meses ele seria incompetente e não estaria ligando para o seu eleitorado. Você aí que escreveu essa matéria, fique um mês sem receber seu salário e veja o que acontece. Factoide é o que esse governo municipal esta querendo fazer em não pagar os seus funcionários. O vereador deveria era ter enchido esse Rato de porrada porque quando ele escreve as besteiras dele no twuiter ninguém fala nada. Se tivessem pago os funcionários nada disso teria acontecido. Eles são até muito pacíficos, ficar quatro meses sem receber nada nem no tempo da escravidão que por falar nisso o chefe do Rato sabe muito bem o que é. Ora meu chapa me compre um bode.

  7. mario

    O ocorrido deve ter sido ontem dia 19, né? tá como sendo hoje, 20.

  8. Amanda Leal

    Esse espetáculo que o Fábio Câmara fez ontem, isso tudo não passa de artimanhas do Fábio e seu padrinho político Ricardo Murad. Vereador procura mesmo o que fazer, pq tu vai atrás dos interesses do teu padrinho ainda só vai dá pra ti.

  9. KIKO SANCHO

    PALHAÇADA!!!!!!

  10. Ribamar

    Defender os direitos de trabalhadores é uma coisa. Xingar, ofender, tumultuar, desrespeitar acordos negociados com a participação da Justiça e do Ministério Público do trabalho é outra. Fábio Câmara mais uma vez dá prova de sua total falta de preparo, seriedade e compromisso com os cidadãos de nossa cidade. Lamentável.

  11. Pedro

    Enquanto isso o prefeito continua substituindo toda segurança dos órgãos municipais pela empresa CLASI, de propriedade de amigos pessoais… PQ QUE SERÁ???

  12. fabio capita

    Ta certo mesmo vereador o que essa turma desse edivaldo holanda esta fazendo e um absurdo..esse senhor nao fez nada …pena que esses outros vereadores ficam se escondendo dentro de gabinete, esperando propina do prefeito, nao briga por direito de ninguem, quando um sai em defesa ainda vem ums merdas defender esses secretarios espiga de milho que nao resolve coisa nenhuma, porque quem manda nessa desgraca dessa prefeitura é o pai desse edivaldo nao faz nada..sao luis esta se afundando cada dia que passa,, murro neles camara… (editado pelo editor, que retirou e/ou substituiu palavrões)

  13. Luis Ferrari

    Só uma pequena questão: será mesmo que os cooperados da multicooper trabalharam 20 meses sem receber suas cotas de participações.( por serem cooperados eles nao podem ter carteira assinadas e nem terem os direitos trabalhistas como qualquer assalariados)
    Tenho certeza que a grande maioria desse pessoal nao comparecia ao trabalho pois possuíam outras fontes de rendimento.
    Ou vamos acreditar que durante os 20 meses de atraso esses cooperados compareceram todos os dias úteis ao trabalho? Tem alguma coisa errada nesta cobrança.
    Duvido muito que a secretaria de Saúde e da Educação e a própria multicooper possuem documentos que comprovem que estes cooperados realmente produziram durante estes meses.

  14. Funcionário de escola municipal

    No mês de Maio de 2012, a direção da Multicooper emitu informativo que foi distribuído em todas as escolas de São Luís onde dizia que a cooperativa não prestaria mais serviços à prefeitura de São Luís e que todos os funcionários deveriam parar as atividades imediatamente pois todos já estariam dispensados. Vários funcionários já haviam se afastado das atividades bem antes de Maio 2012, mesmo assim receberam salários referente até ao mês de Abril2012. No entanto muitas pessoas continuaram trabalhando nas escolas como voluntários ou a pedido dos diretores (das escolas) por causa dos boatos de que a nova empresa (que substituiria a Multicooper) contrataria pessoas escolhidas pelos diretores escolares. Conheço 3 pessoas que trabalharam de graça até agosto de 2012 esperando a tal contratação e uma que continuou até fevereiro de 2013 (quando foi contratada pela Clasi).
    Tanto faz se trabalharam como voluntários ou se foi a pedido dos diretores das escolas, a prefeitura não tem que pagar nada a essas pessoas, pois o acordo entre Multicooper e SEMED foi encerrado ainda em Abril de 2012 (dia 30, se não me engano.

Deixe uma resposta