Revoltados com Roseana, policiais militares e bombeiros prometem paralisar
Policiais militares reunidos durante o grande último movimento da categoria

Revoltados com Roseana, policiais militares e bombeiros prometem paralisar

Publicado em 24 de fevereiro de 2014 por johncutrim

Associações que representam os policiais militares e bombeiros do Maranhão marcaram para esta quarta-feira, dia 26, uma grande assembleia geral para tratar de assuntos relacionados à valorização profissional da classe. A reunião ocorrerá às 18h, na FETIEMA (Praça da Bíblia), em São Luís.

Em conversa com o editor do blog, policiais militares revelaram que o principal motivo da convocação da assembleia é a revolta da corporação com o governo do estado pelo fato de os mesmos terem ficado de fora do reajuste salarial concedido, em ano eleitoral, pela governadora Roseana para os servidores do Estado.

Por terem sido excluídos, há uma revolta generalizada de todos os policiais militares e bombeiros maranhenses. Com essa atitude de esquecer a classe, mais uma vez Roseana maltrata e humilha os militares estaduais. Uma crise está instalada novamente na caserna.

Desprestigiando os policiais e bombeiros deixando-os sem aumento, a governadora Roseana Sarney mostra total desprezo pela Polícia Militar do Maranhão. A filha do senador José Sarney, ao longo de quatro mandatos, na verdade nunca valorizou/incentivou os policiais militares  e bombeiros e muito menos investiu como deveria na corporação.

“A governadora deu aumento para todos os servidores, menos para a PM e BM. A Polícia Militar do Maranhão tem o salário achatado, carga horária na base do MS (até porque já dá pra se pensar em escala, pois a alegação era o efetivo pequeno, agora temos os verdinhos formados), plano de promoção que não sai do papel. Vai haver reunião na quarta, para na quinta-feira obtermos uma resposta do governo. Se favorável, ótimo, já se for negativo, é possível de ter uma provável paralisação bem no carnaval”, desabafou ao blog um soldado indignado.

Em comentário enviado ao blog do John Cutrim, um outro policial militar demonstrou a insatisfação da categoria com o governo.

“Mesmo diante de muitos esforços feitos pela PMMA, a governadora Roseana foi incapaz de um único gesto de boa vontade com a corporação, mantendo ela fora do plano de cargos e salário. Teve a cara de pau de dizer que teríamos aumento em março, os míseros 7% da inflação de 2010. Vale lembrar que o acordo feito no movimento grevistas foi para reparação de perdas de anos anteriores ao movimento. Em março não é aumento, mas sim reposição de perdas salariais de anos anteriores que ela nunca havia dado, e essa mísera parcela que a governadora poderá dar, nem é confirmado, já está totalmente defasado. No melhor governo de sua vida, Roseana deixa a Polícia Militar do Maranhão com uma das piores remunerações do País, menor do que paga o Piauí que historicamente recebia a metade de um PM maranhense”, relatou.

A bem da verdade, se a crise no sistema de segurança chegou a esse ponto crítico, o caos instalado deve-se unicamente ao descaso da governadora. Foi no seu governo que, pela primeira vez, a Polícia Militar entrou em greve. Foram dias de trevas vividos pela sociedade maranhense. Depois de muito o governo relutar, um acordo chegou a ser feito, porém muito dos pontos não foram cumpridos até agora.

Bom que se diga que a bandidagem só avançou porque a Polícia maranhense não tinha (e ainda não tem) estrutura suficiente para trabalhar. Os salários não são condizentes com a longa jornada de trabalho, além da falta de uma política de promoções condizente. Os policias estão praticamente sem folga. Não custa lembrar que a PM do Maranhão ainda conta com o menor efeito do Brasil.

Reconhecemos que os bravos policiais militares, mesmo com todas as dificuldades, cumprem com mérito suas obrigações em defesa do cidadão maranhense, independente do governo. Por outro lado, jamais aceitarão o tempo todo serem esquecidos, vilipendiados e maltratados por Roseana e seus aliados. Todo nosso apoio aos policiais militares e bombeiros do Maranhão. A causa é justa, desde que a população não seja penalizada.

Policiais militares reunidos durante o grande último movimento da categoria

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Este post tem um comentário

  1. Taís

    Sou esposa de militar e sei o quanto meu marido tem sofrido sob o jugo dos governos do grupo Sarney. Fico indignada pelo fato de ter que se amotinar para ter pelo menos uma atenção dos poderosos que mandam no Maranhão.

Deixe uma resposta