Revista Piauí: Bolsonaro recusou três ofertas de vacina

Revista Piauí: Bolsonaro recusou três ofertas de vacina

A reportagem O Sabotador, publicada na edição de fevereiro da piauí, revela que o governo de Jair Bolsonaro recebeu três ofertas do Instituto Butantan para comprar a CoronaVac, a vacina produzida em parceira com a farmacêutica chinesa Sinovac. A primeira oferta, feita em 30 de julho, por meio do ofício 160/2020, informava que o instituto tinha condições de fornecer “60 milhões de doses da vacina a partir do último trimestre de 2020”. A correspondência, assinada pelo diretor do Butantan, Dimas Covas, foi endereçada ao ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello. O Butantan nunca recebeu uma resposta sobre a oferta.

Interessado em colocar sua vacina no plano nacional de vacinação, o instituto voltou a insistir na oferta no dia 18 de agosto. Enviou um segundo ofício, sob o número 177/2020, em que reafirmava a proposta. Prometia fornecer 45 milhões de doses em dezembro e 15 milhões no primeiro trimestre de 2021, ao custo de 21,50 reais a dose. O diretor Dimas Covas terminava a carta colocando-se à disposição para “tomar no devido tempo as providências necessárias para as entregas”. Mais uma vez, ficou sem resposta.

Em 7 de outubro, o Butantan decidiu tentar de novo e enviou outro ofício ao Ministério da Saúde. Era mais enfático que os anteriores. Lembrava as ofertas que não haviam sido respondidas e alertava que era grande a demanda pela CoronaVac no mercado mundial e, também, entre estados e municípios brasileiros. Esclarecia que a vacina estava “em estágio mais avançado para a administração na população e com cronograma de entrega de grandes volumes já a partir de janeiro de 2021”. E fazia uma cobrança: “Sobre esta proposta, solicitamos a manifestação do ministério o mais breve possível.” O próprio Dimas Covas entregou o terceiro ofício em mãos ao general Pazuello, que fez uma expressão contrariada, mas não disse nada. Quase duas semanas depois, finalmente, o Ministério da Saúde mandou uma carta ao Butantan tratando da intenção de comprar 46 milhões de doses da CoronaVac, mas Bolsonaro logo deu ordens para suspender tudo e, publicamente, garantiu que não compraria nenhuma dose da “vacina chinesa do Doria”.

Em janeiro, no entanto, depois de recusar as três ofertas apresentadas no segundo semestre de 2020, o governo federal ficou com receio de que o governador de São Paulo, João Doria, começasse a vacinar antes do Ministério da Saúde e tentou então fazer com que o Butantan fosse obrigado a lhe entregar todo o seu estoque de CoronaVac. Para evitar a manobra, o governo paulista ameaçou recorrer ao Supremo Tribunal Federal e conseguiu manter a vacina em São Paulo.

Link da reportagem: https://piaui.folha.uol.com.br/bolsonaro-recusou-tres-ofertas-de-vacina/

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.