Rede Sustentabilidade de Marina Silva anuncia que não terá cargos na direção do PSB
Rede e PSB: cada qual no seu quadrado.

Rede Sustentabilidade de Marina Silva anuncia que não terá cargos na direção do PSB

Rede e PSB: cada qual no seu quadrado.

Nenhum membro da Rede Sustentabilidade vai ocupar cargo na direção do PSB. É o que garante o coordenador-executivo do partido (ainda não oficializado), Bazileu Margarido, após uma reunião da cúpula, em Brasília.

Conforme afirmou Bazileu, o diálogo entre a Rede, da ex-senadora Marina Silva, e o PSB, do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, se dará por meio de comitês:

–  “A decisão da Comissão Nacional Provisória é que nenhum membro da Rede, mesmo aqueles que se filiaram ao PSB, irá participar das instâncias nacional ou estaduais [do PSB]”, disse Margarido a jornalistas.

A ex-senadora Marina Silva participou da reunião, mas se retirou no início da entrevista coletiva sem falar com a imprensa.

Bazileu avalia que a oferta do PSB para que membros da Rede ocupassem cargos de direção no partido foi “um gesto generoso.” Porém, a comissão avaliou que seria importante que a separação fosse mantida para “caracterização da coligação” e para que “cada partido mantenha a sua identidade.”

No último dia 5, a ex-senadora Marina Silva assinou sua ficha de filiação ao PSB, partido presidido pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitar o registro do partido que ela fundou, o Rede Sustentabilidade, por falta de comprovação do número de assinaturas de apoio previsto em lei.

Assinaturas
Outra informação de Margarido: a comissão executiva decidiu retomar o processo para revalidar as assinaturas de apoio à criação do partido recusadas pelo TSE, além da realização de campanhas para coleta de novas assinaturas. Também
será aberto processo para “filiações políticas” à Rede Sustentabilidade, bem como para criação dos diretórios estaduais do partido.

O coordenador informou ainda que a coligação com o PSB foi respaldada e aclamada pela Comissão Nacional Provisória da Rede. E que a direção vai buscar o diálogo com os militantes que ficaram insatisfeitos com a aliança.

“Esse momento [de descontentamento dos militantes] não está superado. Nós vamos dialogar com a militância da Rede, mas houve aqui uma expressão forte de apoio e respaldo dessa decisão [coligação com o PSB]”, disse.

Pesquisa
Margarido também comentou o resultado da pesquisa Datafolha, publicada neste domingo pelo jornal “Folha de S. Paulo”, e que mostra que a presidente Dilma Rousseff ficaria com a maior parte dos votos dos eleitores de Marina Silva, caso a ex-senadora realmente não concorra nas eleições de 2014.

Segundo o levantamento, Dilma receberia 42% dos votos de Marina. O senador Aécio Neves (PSDB) ganharia 21%, e Campos, 15%.

Para Margarido, o intervalo entre a decisão de Marina de se filiar ao PSB e a realização da pesquisa foi muito pequeno para avaliar a transferência dos votos e, por isso, ela “reflete apenas parcialmente os desdobramentos” do apoio de Marina a Eduardo Campos.

“As consequências dessa coligação ainda estão em curso e ainda vão ser percebidas mais claramente pela sociedade nos próximos dias, nas próximas semanas, nos próximos meses”, disse ele. (Com informações do G1)

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta