Recuperação da ‘Estrada do Arroz’ não sai do papel, o que gera protestos em Imperatriz

Recuperação da ‘Estrada do Arroz’ não sai do papel, o que gera protestos em Imperatriz

Moradores de 14 povoados reclamam de problemas causados pela falta de pavimentação da rodovia estadual.

Em Imperatriz, moradores dos povoados localizados ao longo da ‘Estrada do Arroz’ interromperam a rodovia para exigir o asfaltamento da estrada por onde é transportada parte da produção agrícola da região tocantina. As condições da estrada deixaram muitas comunidades praticamente isoladas.

 

Descaso do governo gera protestos na “Estrada do arroz”, em Imperatriz

Há mais ou menos 1 ano, o Governo do Estado prometeu iniciar  os serviços de recuperação da chamada Estrada do Arroz, mas, até agora, nada. O que fez com que os manifestantes interditassem a rodovia em dois pontos, por quase toda a manhã desta quinta-feira (24): o acesso à rotatória da Estrada do Arroz e à entrada de uma fábrica de papel e celulose. Eles cobram a pavimentação da estrada até o município de Cidelândia:

– “As pessoas que trabalham e que precisam estudar não têm como sair de lá para cá”, reclamou a dona de casa Raimunda França.

Para chegar ao trabalho, muitos funcionários da fábrica tiveram que seguir à pé, e uma longa fila de veículos logo se formou na rodovia estadual. Dezenas de carretas que transportam eucalipto ficaram impedidas de abastecer a indústria.

Segundo os manifestantes, 14 povoados estão sendo prejudicados pelos problemas na estrada. “O que queremos apenas é o nosso direito de ir e vir. E que alguém tome providências”, garantiu o motorista Hércio Lima.

De acordo com a Secretaria Estadual de Infraestrutura (Sindra), recuperação total da Estrada do Arroz foi licitada e a ordem de serviço expedida. A previsão é que em 20 dias o trabalho comece, mas,  ainda hoje,  técnicos da Sinfra estariam na cidade para avaliar os pontos mais críticos e fazer um serviço paliativo.

 Com informações do G1 Maranhão/TV Mirante

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Este post tem um comentário

  1. ELIZABETE GOMES FIGUEREDO

    CONCORDO COM VOCÊ. O PAPEL SÓ ASSINADO NAO TEM VALOR. TEM VALOR E A PRÁTICA. QUANTO A ESSA ESTRADA, SÓ SAI QUANDO EU VER. OS POLITICOS SÓ TEM PROMESSA, MAS NAO CUMPREM. ESTAM FAZENDO ISSO SÓ PORQUE ESTA CHEGANDO A ELEIÇÃO PARA O POVO VOTAR NELES, MAS O POVO DESSES POVOADOS ESTÁ É ESPERTO. ISSO E UMA VERGONHA. AS CRIANÇAS VAO ESTUDAR EM CIDELANDIA DE MOTO, ARRISCANDO A VIDA PORQUE NINGUEM FAZ NADA NESSES POVOADOS, PRINCIPALMENTE EM PETROLINA QUE E O MAIS ESQUECIDO.

Deixe uma resposta