Previna-se! Câncer de próstata mata quase 13 mil homens por ano no Brasil.

Previna-se! Câncer de próstata mata quase 13 mil homens por ano no Brasil.

O câncer de próstata mata quase 13 mil homens por ano – é o quarto mais incidente na população brasileira – os três primeiros são os de pulmão, estômago e colo-retal. 

Em 2014, estão previstos 70 mil novos casos de câncer de próstata. Mas nem tudo está perdido. O Instituto Nacional do Câncer (INCA), órgãos do governo federal e outros organismos de caráter voluntário vem divulgando novas formas de prevenção, como o diagnóstico rápido e seguro e dicas de alimentação saudável.

 No Brasil, segundo o INCA, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma),  é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres.

Este blog se associa a este esforço e,  sempre que possível, vai divulgar informações que levem à conscientização sobre a importância de tomas os cuidados necessários para que o Brasil possa reduzir essas estatísticas. Não só do câncer de próstata, como aqueles com maior incidência entre nós.

 O QUE É

Hospital “Aldenora Bello”, referência no tratamento de câncer, no Maranhão

A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem a forma de maçã e se situa logo abaixo da bexiga e à frente do reto. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. A próstata produz parte do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozóides, liberado durante o ato sexual.

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres. Sua taxa de incidência é cerca de seis vezes maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento.

Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida.

Alguns desses tumores podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos e podendo levar à morte. A grande maioria, porém, cresce de forma tão lenta (leva cerca de 15 anos para atingir 1 cm³ ) que não chega a dar sinais durante a vida e nem a ameaçar a saúde do homem.

Prevenção

Já está comprovado que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, principalmente as de origem animal, ajuda a diminuir o risco de câncer, como também de outras doenças crônicas não-transmissíveis. Nesse sentido, outros hábitos saudáveis também são recomendados, como fazer, no mínimo, 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool e não fumar.

A idade é um fator de risco importante para o câncer de próstata, uma vez que tanto a incidência como a mortalidade aumentam significativamente após os 50 anos.

Pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos pode aumentar o risco de se ter a doença de 3 a 10 vezes comparado à população em geral, podendo refletir tanto fatores genéticos (hereditários) quanto hábitos alimentares ou estilo de vida de risco de algumas famílias.

Exiatem várias formas de diagnosticar o câner de próstata, que podem incluir  exames de sangue (PSA) e imagem (ultrassom) e o toque retal, este considerado o mais eficaz para o diagnóstico seguro.

Sintomas

Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou a noite). Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal.

Tratamento

Para doença localizada, cirurgia, radioterapia e até mesmo observação vigilante (em algumas situações especiais) podem ser oferecidos. Para doença localmente avançada, radioterapia ou cirurgia em combinação com tratamento hormonal têm sido utilizados. Para doença metastática (quando o tumor original já se espalhou para outras partes do corpo), o tratamento de eleição é a terapia hormonal.

A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e definida após discutir os riscos e benefícios do tratamento com o seu médico.

RANKING

Os dados refletem o estilo de vida da geração que está na casa dos 50 anos. Mudanças de hábito, como fumar e beber menos e consumir mais alimentos saudáveis podem diminuir a incidência da doença, que em 2914 caminha para  atingir 520 mil pessoas. Veja, agora, o ranking dos 10 tipos de câncer que mais atingem os brasileiros:

1. Pulmão: De difícil diagnóstico, costuma ser descoberto em estágios avançados, o que faz o índice de mortalidade chegar a 86%. É o tipo mais comum de câncer no país, devido à quantidade de fumantes: 15% dos brasileiros.

2. Estômago: O maior fator de risco é o contato com a bactéria Helicobacter pylori, presente em alimentos e água potável. Comida com conservantes, como enlatados, potencializa as chances de tumor.

3. Colorretal: Idade e fatores genéticos são as maiores causas. A doença começa com o surgimento de tumores benignos no intestino grosso. Exames de fezes podem detectá-la nesse estágio, quando há boas chances de cura.

4. Próstata: Idade é o maior fator de risco, mas alimentação rica em gordura animal e obesidade contribuem. O exame antígeno prostático específico, o famoso exame de toque, ajuda a diagnosticar cedo a doença.

5. Mama: É o mais comum entre as mulheres em todo o mundo. Seu diagnóstico é fácil. Basta fazer o autoexame de toque das mamas e a mamografia. Se descoberto precocemente, há grandes chances de cura.

6. Fígado: A cirrose hepática, relacionada ao alcoolismo, provoca metade das ocorrências. Este câncer também é muito ligado à hepatite C e à hepatite B, que pode ser prevenida por vacinação.

7. Pâncreas: Facilitado por consumo de cigarro, álcool e dieta rica em gordura, é raro antes dos 30 anos e mais comum depois dos 60. Os principais sintomas são perda de apetite e de peso, fraqueza, diarreia e tontura.

8. Cavidade oral e boca: A boca é um dos órgãos que mais sofrem com a exposição ao cigarro e ao consumo de álcool – ou, pior ainda, à combinação dos dois. Estômago, esôfago e laringe também sofrem com a dupla.

9. Leucemia: É provocado pela proliferação descontrolada dos glóbulos brancos no sangue. Surge devido a radiação, tratamento de outro câncer ou motivos genéticos.

10. Colo de útero: Causado principalmente pelo vírus HPV, comumente adquirido por contato sexual. O papanicolau, exame recomendado às mulheres a partir dos 25 anos, é o método usado para descobrir o tumor.

 

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta