Dilma anuncia a saída do ministro Vargas. Michel Temer assume a articulação política do governo

O ministro de Relações Institucionais, Pepe Vargas (PT), está fora da articulação política do governo. A presidente Dilma Rousseff (PT) decidiu ontem, que a estrutura da Secretaria de Relações Institucionais (SRI) será incorporada à da Vice-Presidência da República. Na prática, a medida faz com que o vice Michel Temer (PMDB) seja o novo articulador político do governo.

 A decisão ocorre depois que o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, recusou convite de Dilma para assumir a SRI. A presidente Dilma Rousseff conversou ontem, com Pepe, no Palácio do Planalto, lamentou o vazamento da notícia sobre o convite para que Padilha assumisse a articulação política e disse que precisava do cargo para contemplar o PMDB.

 Dilma disse a Pepe que não estava agindo sob pressão dos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), nem do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). “Essa conta é nossa. Não é sua”, afirmou a presidente, na conversa com Pepe.

 O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), confirmou que Temer acumulará as funções de vice-presidente da República com as atribuições de ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais (SRI).

 De acordo com o peemedebista, Dilma também pediu aos aliados a reedição do pacto pela responsabilidade fiscal, firmado pelo governo em novembro de 2013, em um momento em que o Palácio do Planalto tentava recuperar a credibilidade da economia brasileira e buscava sinalizar ao mercado financeiro o comprometimento do governo com a austeridade fiscal.

 O convite a Padilha ocorreu na tarde da segunda-feira (6) e desencadeou uma crise dentro do governo. Antes mesmo da decisão de Padilha chegar à petista, Pepe Vargas sinalizou que iria deixar a pasta. O mal-estar instaurado com os acenos da presidente Dilma ao PMDB pôde ser notado na reunião de líderes da base aliada realizada na tarde de ontem no Palácio do Planalto. Pepe não participou.

 A reunião realizada entre a presidente Dilma e Temer ocorreu após um último encontro de Eliseu Padilha com o vice-presidente da República.

 Extinção

 Com a transferência da articulação política para a vice-presidência da República, Dilma Rousseff extinguiu a Secretaria de Relações Institucionais ontem. Dessa forma, o governo passa a ter 38 ministérios.

 “A incorporação de todas as funções passam administrativamente para a vice-presidência”, confirmou Aloizio Mercadante (Casa Civil) após a reunião da presidente com líderes de partidos da base aliada.

 De acordo com Mercadante, a avaliação do governo é de que Temer é a pessoa indicada para o cargo neste momento. “Temer é um homem bastante vivido do ponto de vista político, grande articulador, extremamente habilidoso, leal ao nosso projeto”, afirmou Mercadante.

 Sem monopólio

 O ministro Jacques Wagner (Defesa) afirmou também ontem que a articulação política do governo com o Congresso não tem que ser “monopólio” do PT. Em visita à Argentina, o ministro, que é petista, afirmou que outros políticos de partidos aliados já ocuparam a função, como Aldo Rebelo (PC do B), Múcio Monteiro (PTB) e Walfrido dos Mares Guia (PSB). “Se a gente acredita que esse é um governo de coalizão, então temos que distribuir as responsabilidades”, disse.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta