PF conclui que não houve edição em áudio da conversa entre Temer e Joesley

PF conclui que não houve edição em áudio da conversa entre Temer e Joesley

Segundo peritos, laudo aponta que conversa gravada entre o presidente e empresário no Palácio do Jaburu tem mais de 100 interrupções, mas não sofreu nenhum tipo de adulteração

A Polícia Federal concluiu que o áudio da conversa gravada pelo empresário Joesley Batista com o presidente Michel Temer, no dia 7 de março, no Palácio do Jaburu, não foi editado ou adulterado. O Estado apurou que o laudo sobre a gravação aponta para mais de cem interrupções, mas que nenhuma delas foi causada por agente externo ou realizada posteriormente à gravação.

De acordo com fontes ouvidas pela reportagem, a perícia realizada no Instituto Nacional de Criminalística relaciona as interrupções ao gravador usado pelo empresário do Grupo J&F, do qual faz parte a JBS.

 

Michel Temer
O presidente Michel Temer  Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Um perito afirmou ao Estado que o modelo do aparelho de gravação usado efetua os cortes em momentos em que há silêncio. A ação espontânea do gravador tem como finalidade economizar bateria e espaço na memória do aparelho, mas não tem condições de alterar o áudio.

Ainda segundo fontes ouvidas pela reportagem, o software usado pelos peritos tem a capacidade de separar todos os sons captados pelo gravador e separá-los por faixas. A partir dessa técnica, disse um perito, foi possível até melhorar a qualidade de alguns trechos inaudíveis.

O áudio da conversa de Joesley com Temer deu início à negociação de delação premiada dos acionistas e executivos da JBS. Após a revelação da gravação, o presidente disse que o áudio havia sido adulterado. “Essa gravação clandestina foi manipulada e adulterada com objetivos nitidamente subterrâneos e incluída no inquérito sem a devida e adequada averiguação”, disse Temer, em pronunciamento dois dias após o áudio ser tornado público pelo Supremo Tribunal Federal.

A defesa do presidente contratou um perito para analisar o material, que afirmou que a gravação era “imprestável”.

Após pedido da defesa do peemedebista ao STF e também do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o áudio foi encaminhado à Polícia Federal para a realização de perícia. A PGR não havia periciado o áudio antes de pedir a abertura de inquérito contra o presidente.

A expectativa agora é de que a perícia seja incluída na denúncia que será oferecida por Janot contra Temer na semana que vem.

Nesta quinta-feira, 22, o criminalista Antônio Claudio Mariz de Oliveira, responsável pela defesa de Temer, afirmou, em São Paulo, que seria difícil pedir a anulação do acordo de colaboração premiada de Joesley caso a perícia não mostrasse adulteração na gravação da conversa do empresário com Temer. “Aí preocupará”, disse Mariz, quando questionado sobre a possibilidade de o laudo da Polícia Federal não mostrar adulteração.

Peça-chave. A perícia no áudio gravado por Joesley era aguardada por procuradores para a apresentação da acusação formal contra Temer. O presidente é investigado pelos crimes de corrupção passiva, obstrução da Justiça e organização criminosa. Uma parte da conversa questionada pela defesa de Temer é considerada crucial para imputar ao peemedebista a acusação de obstrução da Justiça.

Na conversa, Joesley indicou realizar pagamentos ao deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao corretor Lúcio Funaro para evitar que os dois assinassem um acordo de colaboração com a Lava Jato.

Joesley disse que “zerou” as “pendências” que possuía com Cunha e passou a manter um bom relacionamento com o deputado cassado. Temer respondeu: “Tem que manter isso, viu?”, ao que Joesley diz: “Todo mês”. Por causa da má qualidade do áudio, a perícia é peça importante para confirmar que não houve edição neste trecho da conversa.

Fonte: O Estado de São Paulo

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta