Pelo Maranhão, José Reinaldo aconselha Flávio Dino a ser menos ‘ideológico’ e se aproximar de Temer

Pelo Maranhão, José Reinaldo aconselha Flávio Dino a ser menos ‘ideológico’ e se aproximar de Temer

Por Gil Maranhão e Genésio Jr./ De Brasília 

“Essa luta ideológica do governador, ele tem todo o direto de fazer, mas até o limite que não rompa com o governo federal”. A afirmação é do ex-governador do Estado, deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB-MA), ao avaliar a atual situação política e social daquele estado do Nordeste, e propor uma aproximação do governador Flávio Dino com o governo de Michel Temer. “O Maranhão precisa do governo federal”, afirmou o parlamentar socialista, em entrevista exclusiva à Agência de Notícias Política Real.

Peça-chave da mudança ocorrida no governo do Estado do Maranhão, desde que rompeu com o grupo Sarney, em 2004, abrindo espaço, primeiramente, para a eleição, em 2006, do ex-governador Jackson Lago (falecido), e consolidada na eleição do governador Flávio Dino, em 2014 – que pôs fim a cinco décadas da mais longínqua e influente oligarquia no País, Tavares recomenda ao seu aliado a deixar de lado a “sua luta ideológica” e construir diálogos com o novo governo federal para resolver problemas crônicos do estado.

Tavares admite que durante muitos anos, o Maranhão aparece entre os estados da Federação que enfrenta as maiores dificuldades financeiras e é detentor de baixos indicadores sociais.

FORMAÇÃO POLÍTICA

A formação política no estado é singular. O Governo Flávio Dino é apoiado por um conjunto de forças políticas, que no cenário nacional são adversárias, como o PCdoB, partido do governador, o PDSB, partido do vice, além do PSB, PP. A presidente afastada Dilma Rousseff, do PT, recebeu no estado a maior votação proporcional em 2014, e mesmo não o apoiando oficialmente, engrossou as manifestações que Flávio orquestrou a favor da petista e contra o impeachment no estado.

– O senhor acredita que essa relação entre Flávio Dino e o atual governo federal, que ele tem dificuldade de diálogo e até considera golpista, pode vai fazer com que o Maranhão não perca espaços e conquistas e avançar em algumas áreas? – perguntou a nossa reportagem.

“Eu fico preocupado com o que está acontecendo no Maranhão. É um estado pequeno, que não tem condições de se manter e fazer os grandes projetos que precisam fazer somente com recursos de arrecadação própria”, desabafou José Reinaldo.

MENOR IDH E RENDA PER CAPTA

Na visão do ex-governador, “o Maranhão tem dificuldades imensas”, em várias áreas sociais.

“É um dos últimos IDH (Índices de Desenvolvimento Humanos) do País, é o último estado em renda per capta”, revelou.

A renda mensal por habitante (per capita) em 2014 no Brasil, por exemplo, quando Flávio Dino e Dilma foram eleitos, foi de R$ 1.052, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A unidade com a maior renda per capita mensal foi o Distrito Federal (2.055), seguida por São Paulo (R$ 1.432). A menor renda foi registrada no Maranhão, com R$ 461.

O rendimento médio foi verificado nas 27 unidades da federação, com informações provenientes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua – levantamento domiciliar que, a cada trimestre, levanta informações socioeconômicas em mais de 200 mil domicílios, distribuídos em cerca de 3.500 municípios.

“EDUCAÇÃO RUIM”

O deputado José Reinaldo avalia que estado do Maranhão tem uma educação deficiente. “Temos um serviço de educação pública muito ruim, que é medido pelas provas que os alunos fazem e nós não ficamos bem”, frisou.

Para o deputado, “o Maranhão precisa muito do governo federal” para superar suas dificuldades e avançar em várias áreas. “Eu não vejo como o governador do Estado pode pretender resolver esses problemas sem a participação do governo federal”, reforçou.

LUTA IDEOLÓGICA

Mesmo respeitando o direito do governador Flávio Dino de se manifestar como cidadão na defesa do estado democrático de direito e se posicionar contrário ao impeachment de Dilma, Tavares acha que o comunista não deve colocar sua ideologia à frente dos interesses da população do Maranhão.

“Essa luta ideológica do governador, ele tem todo o direto de fazer, mas até o limite que não rompa com o governo federal”, alertou o parlamentar.

“PÉ NO CHÃO”

José Reinaldo afirmou, ainda, que já conversou à respeito do Maranhão e desta questão política no estado com o presidente interino Michel Temer.

“Eu conversei com o presidente Temer e ele disse que está aberto para o Maranhão. Disse-me que gosta do Flávio, trabalhou com Flávio quando ele foi deputado federal. Mas que acho que o governador Flávio Dino tem levado muito longe essa sua luta ideológica. Eu acho que ele precisa ser mais de ‘pé no chão’, como se diz lá no Maranhão”, concluiu o deputado.

(Agência de Notícias Política Real – www.politicareal.com.br)

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta