Pela madrugada, Waldir revogou sua própria decisão e voltou mudo à Câmara dos Deputados

Pela madrugada, Waldir revogou sua própria decisão e voltou mudo à Câmara dos Deputados

Na madrugada, ele voltou atrás de anulação da sessão do impeachment.
Executiva do partido pode expulsá-lo pela tentativa de anular o processo.

G1

Depois de revogar, no início da madrugada, decisão de tentar anular a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o presidente interino da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), chegou à Casa nesta terça-feira (10) e se dirigiu ao gabinete da vice-presidência. Ele não quis falar com a imprensa.

Segundo interlocutores, Maranhão decidiu revogar a própria decisão após conversar com integrantes da Mesa Diretora e deputados do PP,  partido ao qual é filiado.

Na época da votação no plenário da Câmara, o PP fechou questão pela aprovação da continuidade do processo de afastamento. Quando há o fechamento de questão, deputados podem ser punidos se descumprirem a decisão partidária. Apesar disso, Maranhão votou contra a continuidade do impeachment.

Nesta segunda (9), a cúpula do PP se surpreendeu com a decisão do presidente interino da Câmara de tentar anular a votação em plenário e reagiu convocando para esta terça reunião da Executiva Nacional, para decidir se expulsa ou não o deputado da sigla.

Antes que Maranhão revogasse a decisão de anular a votação do impeachment, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), havia decidido dar continuidade ao processo à revelia do ato do presidente interino da Câmara. Assim, está mantida para esta quarta (11) o início da sessão do Senado que decidirá se Dilma será afastada da Presidência por 180 dias.

Reações

Depois de surpreender o Brasil, anulando uma decisão do plenário da Câmara, Waldir Maranhão chegou hoje à Casa de boca fechada e nova decisão tomada…


Ao justificar a decisão de tentar anular a sessão da Câmara – e antes de voltar atrás –, Maranhão disse que o objetivo era “salvar a democracia”.

Dentre as reações à medida de Maranhão, partidos de oposição ameaçavam denunciá-lo ao Conselho de Ética, integrantes da mesa diretora já tinham programado uma reunião para pressionar o presidente interino a revogar a decisão e deputados do PP iniciaram um movimento para expulsá-lo do partido.

Antes de anunciar a decisão pela manhã, o presidente interino se reuniu duas vezes com o ministro José Eduardo Cardozo, da Advocacia-Geral da União (AGU), autora do pedido para anular a sessão, e consultou o governador do Maranhão, Flavio Dino (PCdoB), contrário ao impeachment da presidente Dilma Roussef.

 

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta