Pegando em fio pelado! Dilma veta lei do aumento dos servidores do Poder Judiciário

Pegando em fio pelado! Dilma veta lei do aumento dos servidores do Poder Judiciário

STF confirma veto de Dilma ao reajuste do Judiciário

O Supremo Tribunal Federal (STF) foi informado hoje (21) pelo Ministério do Planejamento que a presidenta Dilma Rousseff vetou o projeto de lei que reajusta os salários dos servidores do Judiciário. Caso a proposta fosse aprovada, o aumento da categoria poderia variar entre 53% e 78,56%, dependendo da classe e do padrão do servidor.

O veto deve ser publicado amanhã (22) no Diário Oficial da União.O reajuste foi aprovado no mês passado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado. O governo afirma que não há recursos para pagar a recomposição. Segundo estimativas do Ministério do Planejamento, o reajuste acarretaria impacto superior a R$ 25 bilhões em quatro anos, nas contas públicas.

O anúncio de que o reajuste seria vetado devido à atual crise econômica provocou várias manifestações de servidores do Judiciário em frente ao Palácio do Planalto. Hoje, por volta das 10h, os manifestantes iniciaram um buzinaço e usaram cornetas para pressionar presidenta para sancionar o reajuste da categoria, cujo prazo terminou hoje (21).

MANIFESTAÇÕES

Os servidores do Judiciário prometem pressionar os parlamentares para que o veto da presidenta Dilma Rousseff ao reajuste da categoria seja derrubado pelo Congresso Nacional. A notícia de que o Supremo Tribunal Federal (STF) anunciou que Dilma vetou o aumento do salário dos servidores foi recebido com indignação pelos manifestantes que continuam mobilizados em frente ao Palácio do Planalto.

O STF já foi informado pelo Ministério do Planejamento sobre os vetos, mas o Planalto ainda não se manifestou sobre o assunto. Nesta quarta-feira (22), a pasta vai divulgar uma nota explicando os motivos do veto. Como a categoria recebeu a notícia por meio da imprensa, os discursos dos manifestantes incitavam o governo a se manifestar e prometeu derrubar o veto.

“Agora, a esta hora da noite, e com todo cansaço, estamos cobrando da Casa Civil respeito em trazer a informação confirmada, qualquer que seja ela. É o mínimo que nós esperamos. Hoje é mais uma etapa. Nós vamos continuar cobrando até o fim do mundo”, anunciou um dos líderes do movimento pelo altifalante. Outros dirigentes sindicais também se manifestaram no sentido de trabalhar pela derrubada do veto.

Durante a tarde, o coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário do Distrito Federal (Sindijus), José Rodrigues Costa, disse que mais de 300 deputados e 50 senadores já assinaram um documento com o compromisso de derrubar o veto.

“[Vai haver] manutenção da greve, com radicalização nos estados. Esse pessoal vamos trazer pra cá. Vamos nos colocar solidariamente, cada servidor [do Judiciário] no Distrito Federal, são cerca de 25 mil servidores, vão receber os servidores [de outros estados] para alojá-los em suas residências para que a gente faça que a Praça dos Três Poderes seja nossa trincheira de luta para que a gente esteja dentro do Congresso e aqui lutando constantemente para que nosso projeto vá adiante”, disse Costa.

A categoria protesta com muito barulho em frente ao Planalto. Os primeiros toques de vuvuzelas começaram às 10h. Por volta das 16h, os servidores bloquearam a pista em frente a Praça dos Três Poderes em Brasília, o que impossibilitou que representantes do movimento fossem recebidos pelo governo nos gabinetes do palácio.

Durante a tarde, a presidenta alterou a agenda que cumpriria no Planalto e recebeu ministros em sua residência oficial, o Palácio da Alvorada. O encontro que teria com o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, foi cancelado. Por volta das 16h, ela recebeu os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e da Advocacia-Geral da União, Luís Inácio Adams.

No início da noite, os servidores iniciaram uma vigília em frente ao Planalto. Eles acenderam velas e cantaram o Hino Nacional. Segundo José Rodrigues Costa, a mobilização continuaria no local até que uma posição fosse anunciada para, então, a categoria analisar a manutenção da vigília. Com informações da Agência Brasil.

 

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta