O rombo foi lá pra cima! Dívida deixada pelo governo anterior é de R$ 1,1 bilhão
Marcelo Tavares: o tamanho da dívida e dos cortes...

O rombo foi lá pra cima! Dívida deixada pelo governo anterior é de R$ 1,1 bilhão

 É de 1,1 bilhão de reais o valor da dívida deixada pelo governo anterior para Flávio Dino, segundo revelou, nesta sexta-feira, o chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, em coletiva que concedeu no Palácio Henrique de La Rocque. Com ele, estavam os secretários de Planejamento, Cynthia Mota, e da Fazenda, Marcellus Robeiro, autores do levantamento dos números anunciados. Assim, haverá um corte de 30 por cento dos recursos para custeio da máquina administrativa do Estado, segundo já é consenso dentro do novo governo.

Marcelo Tavares: o tamanho da dívida e dos cortes…

O valor da dívida equivale a quase 10% do orçamento do Estado para 2015 e supera o orçamento para Segurança Pública, que é de cerca de R$ 1 bilhão.

Pelos números mostrados, pôde-se saber que foi deixada uma dívida é alta e pouco dinheiro na conta. “O saldo em caixa, no dia 31 de dezembro de 2014, era de apenas R$ 24 milhões, o que representa somente 8% dos gastos com folha de pagamento do funcionalismo do Estado. Mas, com trabalho, transparência e a correta aplicação dos recursos públicos,  o governo Flávio Dino vai superar os problemas e garantir desenvolvimento do Estado com justiça social”, disse Marcelo Tavares.

Por conta dessa situação, o novo governo vai cortar 30 por centro do custeio para funcionamento da máquina estadual. Argumentou, porém, que os recursos não serão tirados de setores estratégicos, como da Educação, Saúde e Segurança Pública.

Dois dias antes desse anúncio do montante da dívida, órgãos da mídia estadual e nacional já informavam que o rombo era de mais de R$ 700 mil, pelas “contas preliminares”. Por isso, surpreendeu um pouco o valor anunciasdo de R$ 1,1 bilhão revelado ontem pelo Chefe da Casa Civil.

Muitos dos contratos que geraram essa dívida estão sendo questionados pelo novo governo e, por isso, tiveram seus pagamentos suspensos até  a conclusão de auditorias a ser realizadas pelos órgãos competentes.

Do mesmo modo, serão auditados os pagamentos feitos ao apagar das luzes do governo anterior.

 

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Este post tem 2 comentários

  1. Jeanne

    Todo mundo deixa débito, mais que isso não seja motivo dos governantes não fazerem nada pela cidade, tem que levantar sacudir a pueira e dar a volta por cima.

  2. Elvina

    Sô daí e estou acompanhando tudo aqui de fora do Brasil e pensava até que o rombo era maior; já me acostumei a ouvir falar de rombos maiores na petrobras do Brasil…

Deixe uma resposta