O rombo é muito maior! PF estima que prejuízo da Petrobras com corrupção pode ser de R$ 42 bi

Estatal aponta oficialmente, até o momento, rombo de R$ 6 bi em propina. Lava Jato desvendou esquema de desvio de dinheiro na petrolífera.

O prejuízo causado pelas irregularidades na Petrobras descobertas pela Operação Lava Jato pode chegar à casa dos R$ 42,8 bilhões, de acordo com o laudo de perícia criminal anexado pela Polícia Federal (PF) em um dos processos da operação.

A Lava Jato investiga um esquema criminoso de corrupção, desvio e lavagem de dinheiro envolvendo funcionários de alto escalão da petrolífera, diretores das maiores empreiteiras do país e operadores.

Ainda conforme a investigação, as empreiteiras se organizavam em cartel para vencer licitações e se beneficiar de aditivos aos contratos. Essas empresas pagavam propina a diretores e gerentes da Petrobras, operadores e a partidos políticos como PP, PT e PMDB por doação eleitoral. As legendas negam que tenham recebido dinheiro ilícito.

 

OPERAÇÃO LAVA JATO
PF investiga esquema de corrupção

Oficialmente, em abril deste ano, a Petrobras divulgou rombo de R$ 6 bilhões. A cifra foi caracterizada como conservadora pelo presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, uma vez que poderiam surgir novos fatos na investigação.

O Ministério Público Federal (MPF) considerou, em outubro, que o prejuízo passaria de R$ 20 bilhões.

“O que nós temos hoje é que apenas a propina da Petrobras envolveu mais de R$ 6,2 bilhões (…) Isso aponta que possivelmente o valor do prejuízo superará R$ 20 bilhões”, chegou a afirmar o procurador da República Deltan Dallagnol, que é coordenador da  força-tarefa do MPF para a Lava Jato.

Esta estimativa de R$ 42 bilhões tem como base uma tabela com os pagamentos indevidos envolvendo as 27 empresas apontadas como integrantes do cartel na Petrobras.

São considerados percentuais informados pelos colaboradores da investigação (3%) e o percentual máximo cogitado pela Polícia Federal (20%).

“Tais pagamentos teriam sido viabilizados por meio da majoração excessiva das margens de lucros das contratantes, em percentuais bem acima daqueles constantes dos Demonstrativos de Formação de Preços (DFP) apresentados, uma vez que realizados em ambiente cartelizado”, diz trecho do despacho.

Os colaboradores da Lava Jato, réus que firmaram acordo de delação premiada para repassar informações sobre o esquema de corrupção em troca de redução nas penas em caso de condenação, afirmaram que a propina variava entre 1% e 3% do valor total do contrato e aditivo.

Por outro lado, a análise da Polícia Federal considera que muitos contratos foram fechados em percentuais bem próximos do valor máximo de 20% acima das estimativas de referência da Petrobras.  Em especial, os contratos envolvendo obras para implantação da Refinaria Abreu e Lima (RNEST) e do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (COMPERJ).

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta