Novas versões da briga e tiros que envolveram dois militares e a mulher do prefeito de Paço do Lumiar

Novas versões da briga e tiros que envolveram dois militares e a mulher do prefeito de Paço do Lumiar

Ainda em coma, o sargento Rubem Ferreira perdeu parte do intestino. Núbia Dutra se recupera das lesões em casa.

A família do sargento da Polícia Militar, Rubem Ferreira – protagonistas co caso qeue também envolveu a mulher do prefeito Domingos Dutra, de Paço do Lumiar –  informou que seu estado de saúde ainda é grave,  já que ele perdeu parte do intestino.  Ele está em coma no Hospital Dr. Carlos Macieira, em São Luís, já que fora baleado no abdômen, sexta-feira passada (26), no bairro Sítio Grande,  Região Metropolitana de São Luís, num conflito em que estava presente  a primeira-dama do município,  Núbia Feitosa Dutra, que se recupera das lesões, em casa, atingida que fora no rosto, braço e ombro.

A confusão também envolveu outro policial militar identificado como Vanilson. Ele teria ido  ao local para atender a um chamado da primeira-dama. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que este militar “ficará preso no Comando Geral da Polícia Militar até que seja apurado o fato”. As armas utilizadas no tiroteio foram apreendidas e serão periciadas para os devidos esclarecimentos.

Toda a confusão foi registrada por câmeras de um condomínio que fica na Avenida Principal do bairro Sítio Grande, entre a Estrada da Maioba e o Conjunto Maiobão, em Paço do Lumiar. Nas imagens, é possível ver um carro chegando com o policial Rubem Ferreira na condução e uma acompanhante que desce enfurecida.

Agressão à mulher

Núbia Feitosa disse que viu o policial agredindo a mulher e, por isso, resolveu interferir. Mas a mulher, que não quis se identificar, disse que não houve agressão em momento algum e que o sargento estava lhe ajudando – ela pode ter contado essa versão para ajudar o militar, depois de vitimado,  mas só a policia poderá esclarecer possíveis contradições  nas suas declarações e no confronto como um todo.

Acrísio Botão é irmão do sargento Rubem Ferreira (Foto: Reprodução/TV Mirante)Acrísio Botão é irmão do sargento Rubem Ferreira (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Acrísio Botão é irmão do sargento Rubem Ferreira (Foto: Reprodução/TV Mirante)

 Segundo ela, “a intenção dele (militar baelado) era me ajudar. De me levar ao hospital. Eu perdi o controle da situação. E não tenho ‘caso’ com ele. Somos amigos de muito tempo, que fique bem claro. Ele estava me dando uma carona. Essa história de que teve discussão e ele me agrediu. Isso não teve em momento nenhum”, disse.

Sobre o momento dos disparados, ela garante que não viu quem atirou primeiro, pois estava buscando proteção,  uma vez que percebeu que os dois homens estavam armados. “Quando eu meafastei e ‘dei a costa’, só ouvi um disparo. Não sei quem atirou, mas o disparo só aconteceu depois que essa outra pessoa chegou armada”.

Enquanto o sargento está internado em estado grave, a família  foi comunicada do termo de prisão do policial.

“Chegaram dois policiais trazendo um termo de conhecimento pra gente assinar,  dizendo que meu irmão estava sendo autuado em flagrante”, disse o comerciante Acrísio Botão.

Outra versão

Núbia Dutra se recupera ao lado da família. Ela ficou menos de 24h no hospital e saiu com curativos no rosto, ombro e na mão esquerda. A versão contada por ela é diferente da contada pela mulher que acompanhava o sargento.

Núbia Dutra saiu do hospital com curativos pelo corpo após tiroteio (Foto: Reprodução/TV Mirante)Núbia Dutra saiu do hospital com curativos pelo corpo após tiroteio (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Núbia Dutra saiu do hospital com curativos pelo corpo após tiroteio (Foto: Reprodução/TV Mirante)

“Nós vimos o carro parado em frente ao condomínio e o senhor dando tapa na moça. Ela saindo e ele tentando trazê-la de volta para o carro. Eu fiz a curva, voltei e pedi que ela fosse para o meu carro. A gente quase conseguiu que ela chegasse ao carro, mas aí ele percebeu e ficou extremamente violento e estava armado. Nós ficamos 28 minutos sob a mira da arma dele, desviando todo tempo. Eu disse que era detetive. Então eu falei: ‘então mostre seu distintivo. O senhor está bêbado, armado, ameaçando algumas pessoas. Isso não pode, é exercício ilegal da sua profissão”, disse Núbia Feitosa, que também é secretária de Administração do município de Paço do Lumuar.

Sobre o início dos tiros, Núbia disse que Vanilson reagiu, pois, segundo ela, Rubem Ferreira foi quem atirou. “Ele (Rubem) atirou primeiro. Ele disparou dez vezes a arma dele. Ela tinha 15 projéteis e ficaram só cinco. Depois que houve resposta da pessoa que trabalha com o prefeito, no sentindo de nos livrar”, concluiu.

NOTA DA SSP

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA) informa que está investigando o caso envolvendo a primeira-dama de Paço do Lumiar, Núbia Dutra, e dois policiais militares. O inquérito foi aberto e as investigações já começaram. O sargento Rubem Gomes, que levou um tiro no abdômen, está internado, mas a família não autorizou divulgação do boletim médico. Já o sargento Vanilson ficará preso no Comando Geral da Polícia Militar até que seja apurado o fato. Por conta da troca de tiros, as armas foram apreendidas e serão periciadas para a elucidação de onde partiu o disparo que feriu a primeira-dama.

Com informações do G1 Maranhão

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta