Justiça com as próprias mãos! Multidão tortura e queima vivo acusado de assassinato na Bolívia
Como o jornal boliviano noticiou o linchamento e morte do homem incendiado.

Justiça com as próprias mãos! Multidão tortura e queima vivo acusado de assassinato na Bolívia

A população argumentou que foi aplicada a justiça comunitária contra o homem

(R7.com)

Uma multidão torturou e queimou vivo um homem de 35 anos que foi acusado de ter cometido um assassinato em uma comunidade camponesa do oeste da Bolívia, informou nesta segunda-feira (12) a polícia boliviana.

A vítima, identificada pelos meios de comunicação como Lenard Olivera Cerruto, morreu na noite passada devido aos ferimentos sofridos na cidade de San Antonio, próxima ao município tropical de Caranavi, no departamento de La Paz, onde foi queimado, indicaram fontes policiais aos meios de comunicação.

A multidão argumentou que foi aplicada a justiça comunitária contra o homem, que era acusado de ter assaltado e depois matado um motorista de veículos, identificado como Joaquín Paco López.

Após ser capturado, o homem foi pego pela multidão como refém que o amarrou em uma das traves de um campo de futebol, para depois

Como o jornal boliviano noticiou o linchamento e morte do homem incendiado.

encharcá-lo com gasolina e atear fogo. Os poucos policiais do lugar não conseguiram fazer algo para evitar a tragédia.

Segundo declarações de testemunhas do fato aos meios de comunicação, o homem foi torturado e queimado na presença de seus parentes. Os linchamentos são uma prática muito comum na Bolívia.

As autoridades bolivianas e organismos internacionais como as Nações Unidas mostraram preocupação com essas atuações criminosas, que costumam ocorrer sob o suposto amparo da justiça comunitária, reconhecida na Constituição do país andino, mas que em nenhum caso estabelece a pena de morte e nem as torturas.

Segundo organizações de direitos humanos, na Bolívia ocorrem entre 10 e 20 casos de linchamentos consumados por ano e um número maior de tentativas.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta