MP bloqueia R$ 150 mil da TIM por péssimos serviços em S.R. das Mangabeiras

MP tenta moralizar serviços da TIM em São Raimundo das Mangabeiras

A Promotoria de Justiça da Comarca de São Raimundo das Mangabeiras, a 700 quilômetros de São Luís, requereu, em 8 de outubro, a penhora online de R$ 150 mil das contas bancárias da empresa TIM Celular S/A, referente a três dias de interrupção dos serviços de fornecimento de telefonia móvel no município, localizado a 670km de São Luís.

Segundo o promotor de justiça Renato Ighor Viturino Aragão, autor do pedido, nos dias 24, 25 e 26 de setembro, foram registradas diversas quedas de sinal de telefonia da TIM, fato que descumpriu a liminar deferida pela Justiça em 23 de outubro de 2012, referente à Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público do Maranhão (TAC) em 17 de julho de 2012.

A decisão estabeleceu um prazo de 60 dias para a regularização dos serviços da empresa e multa diária de R$ 50 mil, em caso de queda no fornecimento de telefonia móvel em São Raimundo das Mangabeiras. Portanto, de acordo com a manifestação, a TIM deveria assegurar seu serviço de maneira adequada, eficiente, segura e contínua aos moradores da cidade.

A empresa chegou a contestar a decisão em maio de 2013, sugerindo a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) ao MPMA. No entanto, nunca apresentou a proposta de fato. (CCOM – MPMA)

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta