Morre aos 83 anos a discutida vidente Mãe Diná. Corpo é enterrado em São Paulo
Sensitiva, Mã Dinah só usava a mente para suas premonições, sem a presença de adereços...

Morre aos 83 anos a discutida vidente Mãe Diná. Corpo é enterrado em São Paulo

Segundo o Hospital da Luz, a vidente sofria de doença neuromuscular, o que veio a causar a sua morte

Sensitiva, Mã Dinah só usava a mente para suas premonições, sem a presença de adereços…

Com informações do G1-SP

Morreu na madrugada deste sábado, aos 83 anos e teve o corpo   enterrado, há pouco, no Cemitério da Paz, no Morumbi, zona Sul de São Paulo,  a vidente Benedicta Finazza, mais conhecida como Mãe Diná.

Ela havia sido internada no Hospital da Luz, na Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo, na última quarta-feira (30). O hospital, por meio de nota, informou que Mãe Dináh sofria de doença neuromuscular chamada miastenia e, por isso, usava medicações que reduzem a imunidade e fragilizam o organismo. Em decorrência disso, segundo nota divulgada pelo hospital, a vidente desenvolveu problemas urinários e gastrointestinais e sofreu uma falência múltipla dos órgãos.

Mãe Dináh se considerava “sensitiva e intuitiva com percepção extra-sensorial” e possuía registro de terapeuta holística. Entre as previsões mais famosas estão a de que o Corinthians conquistaria o título da Libertadores e a de que o Santos venceria o Paulista, ambos fatos ocorridos em 2012.

Outra premonição atribuída à Mãe Dináh é a de que a banda Mamonas Assassinas sofreria um desastre aéreo. Ela afirmava que quando via o grupo na televisão eles apareciam envolvidos por fumaça preta. Em março de 1996, o avião que levava os artistas se chocou com a Serra da Cantareira.

Em 2009,  Mãe Dináh deu uma entrevista para Zé do Caixão em que falou sobre a infância, os dons sobrenaturais e previsões, como as mortes do piloto Ayrton Senna e da cantora Elis Regina.

Nascida em São Paulo, mãe Dináh era filha de pai italiano e bisneta pelo lado materno de tupis-guaranis, passou a infância no bairro do Paraíso, Zona Sul de São Paulo. Afirmava ter iniciado as “ações sensitivas” aos 3 anos de idade contando suas visões de fatos que aconteceriam com pessoas da família ou com amigos. Alegava ter premeditado a morte da avó, poucas horas antes de acontecer, aos 7 anos.

Com 13 anos, ela começou a fazer suas primeiras sessões para colegas de escola e vizinhos. Durante seu ritual de trabalho, Mãe Dináh afirmava não usar vela, carta, tarô, búzios ou qualquer jogo ou oráculo, utilizando como método somente olhar para a pessoa ou analisar o nome completo e a data de nascimento.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta