Mensalão – Dirceu diz que o condenaram sem provas. Genuíno jura inocência…

Mensalão – Dirceu diz que o condenaram sem provas. Genuíno jura inocência…

Na história recente do Brasil, esta é a primeira vez em que figuras políticas proeminentes são presas por corrupção, depois de terem sido condenadas pelo STF por integrarem um esquema de compra de apoio político no Congresso durante o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 O deputado federal licenciado por motivos de saúde José Genoino (SP), condenado a 6 anos e 11 meses de prisão por corrupção ativa e formação de quadrilha, se entregou na sede da PF em São Paulo no início da noite, mas não falou com a imprensa. Antes de entrar no prédio, ele acenou para militantes, que o aplaudiram no lado de fora, segundo imagens de TV.

Dirceu, apontado como o chefe da quadrilha do mensalão, também se entregou à PF na capital paulista, sendo igualmente aplaudido por militantes. Ele foi enquadrado nos mesmos crimes e condenado a 10 anos e 10 meses de prisão.

“Ainda que preso, permanecerei lutando para provar minha inocência e anular esta sentença espúria, através da revisão criminal e do apelo às cortes internacionais”, afirmou Dirceu em nota publicada em seu site.

Outros condenados que tiveram prisão decretada já se entregaram em Belo Horizonte e Brasília, entre eles o empresário Marcos Valério, apontado pelo STF como operador do esquema, e a ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello.

A Polícia Federal afirmou em mensagem no Twitter que foram cumpridos nove dos 12 mandados de prisão emitidos pelo STF no início da noite desta sexta-feira, feriado nacional por comemoração do dia da Proclamação da República.

Um porta-voz da PF disse ainda que os detidos em outras cidades do país serão levados de avião para Brasília no fim de semana para que possam começar a cumprir suas penas.

Na quarta-feira, o STF decidiu pela execução imediata das penas da maioria dos réus, com exceção daquelas que são objeto de recursos, critério que impede, por exemplo, a execução imediata das penas impostas por formação de quadrilha a Dirceu, Genoino e Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT.

Dirceu e Genoino apresentaram embargos infringentes à condenação por formação de quadrilha –recurso possível quando o réu obtém pelo menos 4 votos pela absolvição no julgamento–, mas o STF entendeu que eles já podem começar a cumprir parte das penas pelos outros crimes.

Em nota divulgada após a emissão dos mandados pelo STF, o presidente do PT, Rui Falcão, disse que a decisão da Corte de executar as penas sem que recursos de alguns crimes tenham sido julgados “constitui casuísmo jurídico e fere o princípio da ampla defesa.”

“Embora caiba aos companheiros acatar a decisão, o PT reafirma a posição anteriormente manifestada em nota da Comissão Executiva Nacional, em novembro de 2012, que considerou o julgamento injusto, nitidamente político, e alheio às provas dos autos”, afirmou Falcão.

Durante o Congresso do PCdoB, na noite desta sexta-feira em São Paulo, o presidente da legenda, Renato Rabelo, criticou a decisão do STF e comparou o julgamento à inquisição.

“O PCdoB não vê motivo para festa e nem julga que Justiça esteja sendo feita. Esse julgamento teve o seu fato desencadeador eminentemente político”, afirmou Rabelo, sendo aplaudido de pé por longo tempo.

A presidente Dilma Rousseff e ministros do governo também participam deste evento.

Dirceu e Genoino iniciaram suas carreiras políticas lutando contra a ditadura militar, na década de 1960. Em 1980, participaram da fundação do PT, partido que sempre teve entre suas bandeiras o combate à corrupção, em um país marcado e com longo histórico de malversação do dinheiro público. (Com informações da agência Reuters)

Zé Dirceu, preso: exercendo o seu direito de espernear…

Marcos Valério, o operador do esquemão de Lula, entrega-se em BH

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta