Mais estados aderem à greve dos Correios
Greve conquista adesões em quatro estados

Mais estados aderem à greve dos Correios

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect), anunciou que a greve dos correios teve, ontem (17), a adesão de 29 sindicatos ligados à entidade.

Em assembleias realizadas entre a noite de terça e a madrugada de quarta-feira, estados como Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina decidiram pela adesão ao movimento. Já alguns dos sindicatos que não fazem parte da Fentect, como os de São Paulo capital, de Bauru e dos estados do Rio de Janeiro e de Rondônia decidiram pelo fim das paralisações na sexta-feira.

Greve conquista adesões em quatro estados

A greve teve início com paralisaççoes parciais na  quinta-feira passada, quando funcionários de cinco estados – São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia e Tocantins –  anunciaram que cruzariam os braços. Na sexta-feira, foi a vez de Paraíba  e Pernambuco pararem suas atividades.

Segundo a Fentect, a categoria pede 15% de aumento real, mais reposição da inflação entre agosto de 2012 e julho deste ano (7,13%), reposição das perdas salariais desde o plano real (algo em torno de 20%), entre outras reivindicações.

Alagoas
Em Alagoas, uma assembleia realizada na noite desta terça-feira chegou à decisão pela greve. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores na Empresa de Correios e Telégrafos em Alagoas (Sintect-AL), cerca de 90% dos funcionários que realizam atividades operacionais, como entregas, aderiram à greve.

Bahia
Na Bahia, a votação que decidiu pela greve reuniu centenas de trabalhadores na Praça Inglaterra, em Salvador. Além da adesão à greve, funcionários também agendaram um protesto para esta quarta-feira em frente ao edifício central dos Correios na Bahia. Sindicalistas devem fazer apitaço e campanha de conscientização dos trabalhadores.

Ceará
De acordo com o secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos e Similiares (Sintect-CE), Luís Santiago, a categoria no Ceará estava em estado de greve desde o dia 5. “As negociações não avançaram, então, optamos por aderir à greve”, disse.

Goiás
Em Goiás, onde a adesão à greve também ocorreu nesta terça-feira, os trabalhadores querem melhor estrutura de trabalho, além do reajuste salarial. “Falta manutenção das motocicletas, das bicicletas e dos carros. Muitos prédios não comportam a demanda e estão sucateados”, afirma o secretário do sindicato, Eliseu Pereira.

Mato Grosso
Funcionários de cinco agências dos Correios de Cuiabá e Várzea Grande, região metropolitana da capital, aderiram nesta quarta-feira à greve nacional da categoria, segundo o secretário geral do sindicato, Sílvio Bueno. A greve dos funcionários foi deliberada durante uma assembleia, na noite dessa terça-feira

Paraná
No Paraná, a decisão por entrar em greve por tempo indeterminado ocorreu em assembleia realizada na madrugada desta quarta-feira, quando trabalhadores recusaram a proposta de 8% de reajuste salarial oferecida pela empresa. Funcionários demandam um reajuste de 15%, além de outros benefícios.

Santa Catarina
A adesão à greve em Santa Catarina ocorreu com base em assembleias realizadas em Florianópolis, Blumenau, Chapecó e Joinville. Somente em Santa Catarina, são cerca de 4,3 mil funcionários, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores na Empresa de Correios e Telégrafos e Similares de Santa Catarina (Sintect-SC).

Baixada Santista
Também houve decisão por aderir à greve na Baixada Santista, no litoral de São Paulo. Assembleia realizada nesta terça-feira decidiu, por unanimidade, que os funcionários cruzariam os braços a partir da meia-noite. No total, são 1.200 trabalhadores – entre carteiros, operadores de triagem, motoristas e funcionários do setor administrativo – que devem aderir à paralisação.

Correios
Os Correios afirmam que estão adotando uma série de ações preventivas para garantir a prestação de serviços, por meio do Plano de Continuidade de Negócios. Entre as ações estão a realização de horas extras, mutirões para entrega nos fins de semana, deslocamento de empregados entre as unidades e contratações temporárias.

A empresa destaca, ainda, que está em processo de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho 2013/2014 com as entidades sindicais “e continuam abertos ao diálogo, não havendo, portanto, justificativa para paralisação”.

A empresa ofereceu reajuste de 5,27% sobre os salários e benefícios. “Este índice, somado à progressão anual concedida no ano passado, equivale ou ultrapassa os índices inflacionários do período, impedindo perdas aos trabalhadores”, segundo a ECT.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta