Laudo confirma rompimento da aorta como causa da morte de Belchior

Laudo confirma rompimento da aorta como causa da morte de Belchior

Diretor da Delegacia de Polícia Regional em Santa Cruz do Sul, delegado Luciano Menezes informou sobre o resultado da necropsia. Também foi pedido exame toxicológico, ainda sem resultado.

Por G1 RS

Cantor e compositor Belchior  (Foto: Daniel Roman/Arquivo Diário do Nordeste)

Cantor e compositor Belchior (Foto: Daniel Roman/Arquivo Diário do Nordeste)

O laudo da necropsia no corpo de Belchior confirma morte por rompimento da aorta. O delegado Luciano Menezes, diretor da Delegacia de Polícia Regional, em Santa Cruz do Sul, informou o resultado oficial ao G1 nesta quarta-feira (3). O cantor foi encontrado morto pela mulher, na manhã de domingo (30), na casa onde o casal morava na cidade gaúcha.

“Foi dissecção da aorta, que é a destruição voluntária. O médico legista explicou que a artéria tem duas camadas, e uma se rompeu. Causa natural”, disse o delegado.

Ainda no domingo (30), a delegada plantonista Raquel Schneider informou sobre o rompimento, mas ainda não havia sido divulgado o resultado oficial.

A Polícia Civil também pediu exame toxicológico, e aguarda o resultado. O delegado explica que é uma solicitação de praxe. “O médico [legista] foi categórico. Acreditamos que virá zerado”, entende Menezes.

G1 consultou um especialista para falar sobre a dissecção da aorta. Segundo o cardiologista Luis Augusto Saliba, na verade são três camadas, sendo que a externa é mais uma proteção.

“Há um descolamento entre as camadas e o sangue, que deveria passar por dentro, passa entre as camadas. Fica represado, acaba gerando uma hemorragia.”

O médico explica que o sangue não se espalha pelo corpo, mas como existem muitas outras artérias, a situação torna-se grave. “Como a coronária, que liga o coração, e outras que vão para o cérebro”, acrescenta.

“Tem situações de dissecção em que o paciente tem sintomas, e é revertida rapidamente. E tem situações em que a morte é súbita”, diz Saliba. “Para entender, teria que entender ele como paciente”, completa.

O que o cardiologista quer dizer é que, para especificar o caso de Belchior, precisaria saber do histórico dele. “Possivelmente ele tinha algum fator de risco”, sugere.

Belchior morreu em casa, em Santa Cruz do Sul (Foto: Muriel Porfiro/RBS TV)

Belchior morreu em casa, em Santa Cruz do Sul (Foto: Muriel Porfiro/RBS TV)

 

Morte em Santa Cruz do Sul

 

Distante dos palcos e da vida pública havia dez anos, Belchior morava com a esposa, Edna Araújo, em Santa Cruz do Sul desde 2013. A cidade fica a cerca de 120 km de Porto Alegre.

A casa foi cedida por um amigo. Desde 2009, Belchior e a companheira mudaram de endereço seguidas vezes. O casal era recebido por amigos e fãs porque não tinha dinheiro.

Somente no Rio Grande do Sul, os dois passaram por, no mínimo, dez cidades: Porto Alegre, Santa Vitória do Palmar, São Lourenço do Sul, Xangri-Lá, na praia de Atlântida Sul, Guaíba, Cachoeirinha, Jaguarão, Quaraí, Sobradinho e, por fim, Santa Cruz do Sul.

Em reportagem especial, o G1 RS recontou um pouco dos passos do músico pelo estado gaúcho, ouvindo alguns de seus anfitriões. Confira aqui.

O corpo de Belchior foi sepultado na terça-feira (2), em Fortaleza. Ele é natural de Sobral, também no Ceará. Milhares de fãs se despediram do ídolo.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta