Justiça põe em liberdade dois dos acusados de matar o advogado Bruno Mattos

Justiça põe em liberdade dois dos acusados de matar o advogado Bruno Mattos

A decisão de colocar em liberdade os dois acusados de participação no assassinato de Bruno Mattos e ainda manter, Diego Polary,  apontado como autor das facadas que resultaram na morte do advogado, foi do juiz Gilberto de Moura Lima.

O Juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri de São Luis assinou ontem, quinta-feira (18) – logo após o fim da primeira audiência de instrução e julgamento do processo que investiga o caso -, a revogação das prisões de Humberto Marão e do vigia João José Nascimento Gomes. Ambos vão responder pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio em liberdade.

No entendimento do juiz,  os acusados não representam perigo à sociedade. A decisão se deu pelo fato de ter expirado o prazo das prisões preventivas dos dois acusados, sem que a promotoria tivesse se manifestado pela prorrogação das mesmas.

A família esperava que, além de Humberto Marão e do vigia João José, fosse determinada a prisão de Diego Polary, até aqui apontado pelas vítimas como o autor das facadas que tiraram a vida do advogado, além de ferir gravemente Alexandre e Kelvin.

– “Talvez o promotor tenha sido negligente ao não pedir a prorrogação das prisões dos acusados, diante de tantas evidência de autoria do crime. Difícil aceitar que o principal acusado, Diego Polary, permaneça também em liberdade”,  disse  Rubem Soares, pai de Bruno Mattos,  durante entrevista ao programa ‘Comando da Noite’, na Rádio Capital AM.

Ainda segundo o pai de Bruno Matos, a luta por justiça continua:

O vigia João José e Marão: soltos porque a promotoria não pediu a prorrogação de suas prisões

Diogo Polary: apesar de apontado pelas vítimas que sobreviveram, ainda não pegou sequer um dia de cadeia

– “Esse crime não vai ficar impune, os envolvidos, que agora estão soltos, não podem comemorar, pois eles, um dia, vão sentar no banco dos réus, em um Júri Popular, e serão punidos. Não vamos descansar enquanto a justiça não for feita”, disse ao jornalista Gilberto Lima.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta