Interdição da BR-135: mais uma vez quem paga o pato é quem nada tem a ver
É fogo: a interdição na BR castiga quem não tem nada a ver com a causa do protesto.

Interdição da BR-135: mais uma vez quem paga o pato é quem nada tem a ver

A Polícia Rodoviária Federal está no local em que  moradores interditaram, no começo da manhã, a BR 135, nas imediações do Maracanã, formando um longo congestionamento.

Os moradores protestam contra uma ação de  despejo movido por proprietário de terreno ocupado pela comunidade Aguaman/Nova Terra, entre Maracanã e o terminal da Integração.

Segundo os comunitários, eles viviam em paz há muitos anos, até que “apareceu um dono” e disse que ia mandar expulsar todo mundo. Não demorou muito chegou um oficial de justiça, dizendo que tinha uma mandado para execução de uma ação de despejo.

Ateando fogo em pneus e madeira,  nos dois sentidos da pista, eles inciaram o protesto, cedinho. o congestionamento chegou a mais de 10 quilômetros do local da manifestação.

É fogo: a interdição na BR castiga quem não tem nada a ver com a causa do protesto.

Apostam na máxima “melhor prevenir que remediar”, na tentativa  de ficarem na área.

Enquanto isso, centenas de pessoas que precisam pegar a estrada a trabalho ou a passeio, e não tem nada a ver com o problema, é que estão pagando o pato – ou melhor, o terreno.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta