Bye, bye, Brasil! Governo da Itália diz que Pizzolato é cidadão livre no país
Pizzolato: agora, Inês é morta...

Bye, bye, Brasil! Governo da Itália diz que Pizzolato é cidadão livre no país

G1

Ex-diretor do BB, condenado no mensalão, fugiu para evitar prisão.
Itália diz que não tomará providências até haver pedido de extradição.

O governo italiano informou nesta quinta-feira (21) que o ex-diretor do Banco do Brasil,  Henrique Pizzolato, condenado no processo do mensalão e que fugiu do Brasil para evitar a prisão, é um cidadão livre no país – Pizzolato é brasileiro e tem cidadania italiana.

Por isso, afirmaram as autoridades, ele não será detido até que o governo brasileiro oficialize um pedido de extradição ou que a Interpol efetue a prisão – extradição é a entrega de uma pessoa acusada ou condenada por crimes ao país que a reclama.

O Ministério da Justiça do Brasil informou que não recebeu informações das autoridades italianas sobre a presença de Pizzolato naquele país. Mais cedo, o ministro José Eduardo Cardozo afirmou que, antes de um eventual pedido de extradição, ainda é preciso confirmou o “paradeiro” de Pizzolato.

Condenado no julgamento do mensalão a 12 anos e 7 meses de prisão, Henrique Pizzolato fugiu do Brasil para evitar a prisão, determinada na última sexta-feira (15) pelo ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Pizzolato tem dupla cidadania, brasileira e italiana.

Análise técnica da Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça, divulgada na quarta (20), afirma que Pizzolato reúne as condições para ser extraditado. Segundo o ministério, a extradição deve ser pedida por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Na terça, a Procuradoria Geral da República (PGR) solicitou ao Supremo providências para a extradição de Pizzolato. Se o Supremo concordar, caberá ao Ministério da Justiça formalizar o pedido.

PF investiga documento falso
No Brasil, a Polícia Federal investiga quem falsificou um documento que registra o embarque de Pizzolato do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, para a Itália na data de quarta-feira.

O documento foi feito em um dos guichês de imigração, mas mostra o nome do ex-diretor do BB escrito de forma errada (Pizzolatoo, com dois “o”. A suspeita é de que um funcionário da PF tenha forjado o documento.

O documento sobre suposto embarque de Pizzolato no aeroporto de Guarulhos (Foto: Reprodução)O documento sobre suposto embarque de Pizzolato no aeroporto de Guarulhos (Foto: Reprodução)

Pizzolato: agora, Inês é morta…

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta