Gênio forte, ‘sapos gordos’ e intrigas políticas podem derrubar Ester Marques na Cultura

Gênio forte, ‘sapos gordos’ e intrigas políticas podem derrubar Ester Marques na Cultura

POR JOSÉ MACHADO

Ainda não é oficial. Porém,  rumores fortes dão conta de que a jornalista e professora da UFMA,  Ester Marques, atual secretária de Cultura do Estado, poderá deixar o cargo. Voltaria mais cedo para UFMA e receberia o convite para ser pró-reitora na administração do novo reitorado.

Assim, depois de uma série de confusões provocadas ou não por Ester, na pasta da Cultura, o governador Flávio Dino vai colocar lá alguém que seja capaz de acalmar a efervescente  área cultural, onde a secretária comprou brigas que assanharam importantes facções, digamos assim, bem postadas na política e na cultura.

A primeira bronca foi com o seu secretário-adjunto, Gledson Brito. Ambos seriam  indicações da  deputada federal Eliziane Gama. De quem Ester perdeu a simpatia.

Depois veio a tomada ou retomada do Parque Folclórico da Vila Palmeira –agora  batizado  “Humberto de Maracanã” – de ninguém mais emplumado que o presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Astro de Ogum.

Astro se vingou. Desalojado da Vila, foi para o bairro da Cohama, onde instalou na área ao redor do Batuque Brasil o seu bem-sucedido Arraial da Cidade. “Secou” tanto o parque que, em algumas apresentações das brincadeiras juninas, o batuque de matracas e pandeirões fez eco por falta de espectadores.

De quebra, Ogum  ainda enviou um sapo gordo para a barriga da desafeta, que não conseguiu mais equilibrar-se no cargo.

Sobre essa questão do parque, papagaio comeu milho e periquito levou fama. É verdade que Ester bancou a xerife para expulsar Astro. Mas há quem garanta que  o autor intelectual ou intelectual autor da façanha foi alguém com tamanha influência no governo que ela nem ousou questionar a ordem.

Helena Leite, a comunicadora-boieira mais famosa da Ilha, que se não bate tambor tem uma língua de tamanduá, também praguejou  Ester, ao ter interesses de sua turma  contrariados pela secretária.

Agora, sejamos justos. Filha de uma lenda da cultura popular maranhense, a saudosa Lili Marques – ou Dona Lili do Boi do João Paulo -,   estudiosa do folclore e de diversas  manifestações culturais maranhenses, a professora e quase PHD Ester Marques  era mesmo a pessoa talhada para o cargo de Secretária da Cultura.

Pena que,  pela falta de experiência política, tenha que voltar mais cedo para casa – a Universidade Federal do Maranhão, onde, comenta-se, poderá ser pro-reitora na futura administração da reitora  Nair Portela Silva Coutinho.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Este post tem um comentário

  1. Manuel Francisco de Assis

    Não vejo condições de uma contribuição efetiva dá dita cuja na administração dá UFMA. Não conheço a Professora Nair Portela. Mas creio que não será feliz se levar para seu staf uma figura do quilate da ex boieira.O seu histórico é bastante controverso. Todos os dias estamos conhecendo novas pirotecnias.

Deixe uma resposta