Flávio Dino: Saída de Sarney equilibra disputas no Maranhão e no Amapá
O pré-candidato ao governo do Maranhão Flávio Dino também disse acreditar que a aposentadoria de José Sarney favoreça o desenvolvimento do Maranhão (Foto: Agência Senado)

Flávio Dino: Saída de Sarney equilibra disputas no Maranhão e no Amapá

POR SÉRGIO RODAS OLIVEIRA

 

O pré-candidato ao governo do Maranhão Flávio Dino também disse acreditar que a aposentadoria de José Sarney favoreça o desenvolvimento do Maranhão (Foto: Agência Senado)

Principal candidato de oposição à família Sarney no Maranhão (e talvez o único, uma vez que somente o PSOL deve lançar um postulante ao governo do estado), o ex-deputado federal e ex-presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) Flávio Dino demonstrou esperança que a desistência do senador José Sarney (PMDB-AP) de concorrer à reeleição, anunciada na segunda-feira (23), traga mudanças nos cenários políticos maranhense e amapaense.

“Eles [os Sarney] mantinham um domínio no Amapá e no Maranhão baseado na esfera nacional, uma vez que o José Sarney apoiou todos os governos federais desde o do Juscelino Kubitschek (1956-1961). Com o fim desse poder federal, a balança da disputa política nos estados ficará menos desigual e mais igualitária”, opina Dino.

O pré-candidato do PCdoB a governador do Maranhão também disse que tem a expectativa de que a aposentadoria de Sarney dos cargos públicos possibilite o desenvolvimento do estado, um dos mais atrasados do Brasil. Segundo Dino, é hora de “acabar com a lógica do compadrio [instituída pelos Sarney], e implantar um ambiente favorável que negócios”.

Embora José Sarney, que tem 84 anos, tenha divulgado publicamente que a razão de encerrar a sua carreira política se deva à saúde frágil de sua mulher, o motivo verdadeiro parece ser outro: o medo de perder a reeleição ao Senado, que inclusive teria sido confidenciado por ele a aliados. Para Flávio Dino, a decisão do ex-presidente da República deriva da perda de apoio popular.

“No Amapá, houve o desgaste com prisão do [ex-governador] Waldez Góes, que era aliado do Sarney. No Maranhão, o episódio do presídio de Pedrinhas, no começo do ano, forçou a Roseana [filha de José Sarney] a desistir de sua candidatura ao Senado”, avalia Dino.

Flávio Dino não acredita que o fim da vida pública de José Sarney baste para melhorar o funcionamento da política no país. Mas ele afirma que a ausência da “raposa tradicional” “pode abrir o caminho da mudança no jogo político brasileiro”, uma vez que ele “é uma peça importante de uma engrenagem baseada no fisiologismo, no compadrio, nas chantagens com o governo federal”.

 

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta