Expectativa! Vem aí o super concurso para a Educação do Estado do Maranhão
Concurso para professores do Estado: é só questão de tempo.

Expectativa! Vem aí o super concurso para a Educação do Estado do Maranhão

O Governo do Maranhão deve anunciar,  por edital, até o final do ano, concurso público para professores da rede  de ensino básico do Estado (fundamental e médio). No momento, a Secretaria da Educação está fazendo o levantamento para definir a necessidade do  número de vagas e as áreas que serão oferecidas. Segundo fontes do setor, se o Estado fosse  nomear os professores  que a rede está precisando, seriam mais de 10 mil, já que somente  nos últimos cinco anos mais de

Concurso para professores do Estado: é só questão de tempo.

seis mil pediram aposentadoria.

O último concurso para a nomeação de professores da rede estadual de ensino ocorreu em 2009 e ofereceu 5.320 vagas para diversas áreas do ensino fundamental, médio e educação especial. Nem todas os concursados aprovados foram chamados.  O Sinproesemma ainda hoje luta na Justiça para que os muitos excedentes sejam chamados e nomeados.

 

Por sua vez, para suprir a deficiência de professores em seus quadros, o Governo do Estado preferiu, todos os anos, fazer contratações temporárias, utilizando-se dos conhecidos “seletivos”, combatidos pelo sindicato, que sempre  desconfiou dos métodos da  contratação. “Se o Estado tivesse contratado os excedentes, teria evitado os seletivos, que não dá  nenhuma garantia ou benefício social aos contratados”, disse um diretor da entidade de classe.

 

Recentemente, o próprio  Sinproesemma denunciou que foi detectada a presença de professores não concursados e nem contratados na folha de pagamento do Estado. Internamente, sabe-se, já teriam sido identificados  os responsáveis pelos “gafanhotos”,  mas a Secretaria de Estado de Gestão e Previdência, que gere os Recursos Humanos,  fechou-se em copas e não deu conhecimento das providências adotadas: nomes e punição para os culpados.

 

Quanto à realização do concurso para a área da Educação, há quem defenda a não contratação da Fundação Getúlio Vargas, que vem realizando os últimos concursos do Estado,  substituindo-a pela Fundação Carlos Chagas. O argumento é simples: o concurso para o sistema de segurança pública (Polícia Civil, PM e Bombeiros), iniciado em 2012, ainda  se arrasta, brecado que fora  por mais de 100 liminares da Justiça, beneficiando candidatos que encontraram “brechas” no edital.

 

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta