EUA aprovam primeiro medicamento desenvolvido para prevenir enxaquecas crônicas
This May 10, 2018, image provided by Amgen Inc. shows an artist's rendering of the packaging for the drug Aimovig, the first in a new class of long-acting drugs designed to prevent chronic migraines. On Thursday, May 17, 2018, the Food and Drug Administration approved the medication, clearing the monthly shot for sale. (Amgen Inc. via AP)

EUA aprovam primeiro medicamento desenvolvido para prevenir enxaquecas crônicas

Droga chamada Aimovig será aplicada por meio de uma injeção mensal com um dispositivo similar a uma agulha de insulina; tratamento deverá custar US$ 6,9 mil por ano

O Estado de S.Paulo

TRENTON, EUA – O primeiro medicamento criado para prevenir enxaquecas crônicas foi aprovado pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) na quinta-feira, 17, dando início ao que muitos especialistas acreditam que seja uma nova era no tratamento de pessoas que sofrem da forma mais severa de dor de cabeça.

+ Estudo revela por que mulheres são mais suscetíveis a enxaqueca

AimovigDroga Aimovig é fabricada pelos grupos farmacêuticos Amgen e Novartis Foto: Amgen Inc. via AP

A droga, chamada Aimovig, fabricada pelos grupos farmacêuticos Amgen e Novartis, será aplicada por meio de uma injeção mensal com um dispositivo similar a uma agulha de insulina. O preço do tratamento deverá custar US$ 6,9 mil por ano, e a Amgen diz que o medicamento estará disponível para os pacientes a partir da próxima semana.+ Nos EUA, brasileiro usa realidade virtual para estudar enxaqueca

+ Cientistas ligam peso extremo a enxaqueca

O Aimovig bloqueia a ação do fragmento de uma proteína, a CGRP, que instiga e perpetua as dores de cabeça. “Os remédios terão um grande impacto”, afirmou o dr. Amaal Starling, neurologista e especialista em enxaquecas na Mayo Clinic, em Phoenix.

Um estudo mostrou que os pacientes que receberam Aimovig perceberam uma redução no número de dias que sofriam de enxaqueca de oito para quatro vezes ao mês. Além disso, eles apresentaram efeitos colaterais semelhantes, a maioria resfriados ou infecções respiratórias. Alguns pacientes chegaram inclusive a se livrar por completo da dor de cabeça, disse Sean Harper, diretor de pesquisa da Amgen.

As novas drogas não são capazes de prevenir todas as crises de enxaqueca, mas podem torná-las menos severas e reduzir a sua frequência em 50% ou mais, de acordo com os especialistas.

Pergunte ao especialista: problemas com enxaqueca?
Esta é a primeira de uma nova classe de remédios de ação prolongada para tratar enxaquecas. Outras três doses devem ser aprovadas pela FDA até o fim do ano, e diversas pílulas para prevenir as dores de cabeça intensas estão sendo testadas.

Os tratamentos atuais incluem pílulas originalmente desenvolvidas para epilepsia e outras condições, mas muitos pacientes abandonam os medicamentos porque eles não ajudam muito ou provocam sérios efeito colaterais.

As enxaquecas podem causar sintomas como dor de cabeça latejante, náusea, ânsia de vômito e sensibilidade à luz e ao som. Cerca de 2% da população mundial sofre com enxaquecas crônicas. Geralmente pessoas na faixa dos 30 anos de idade e do sexo feminino. / NYT e AP

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta