Eu só quero dizer uma coisa: essa pesquisa Ibope está muito esquisita…
O X que caracteriza o desencantamento com o Ibope...

Eu só quero dizer uma coisa: essa pesquisa Ibope está muito esquisita…

Por Renato Rovai* 

Renato Rovai é  jornalista e editor da Revista Fórum. Mestre em Comunicação pela Universidade de São Paulo e doutorando na Universidade Federal do ABC. É professor da Faculdade Cásper Líbero.

O Ibope anunciou sua nova pesquisa para as eleições presidenciais. Dilma tem 36%, Marina, 30%, e Aécio, 19%. Na anterior, Dilma tinha 39%, Marina, 31%, e Aécio, 15%. Ou seja, o tucano cresceu quatro pontos, Dilma caiu três e Marina um. Esse resultado contradiz todos os levantamentos que outros institutos têm feito em trackings que são entregues diariamente a candidatos a governos e a partidos. Neles, Marina cai um pouco, Dilma cresce um pouco e Aécio permanece estável. Não importam os números, neste caso, mas a tendência. A tendência do Ibope é diferente. Dilma cai para além da margem de erro, Marina cai na margem e Aécio sobe acima da margem.

Esta pesquisa cai como uma luva no discurso aecista de que o jogo ainda não acabou. O candidato pode com ela voltar a arrecadar, requalificar alianças e buscar convencer seu principal partido de que ele ainda é um candidato viável. Não estou falando do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), mas do Partido da Mídia Tradicional ou do PIG, como preferirem.

Longe deste blogueiro querer insinuar qualquer coisa. Ainda mais contra o Ibope que acerta todas as pesquisas em todos os lugares onde atua. Que o diga o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que em 1985 sentou na cadeira antes do tempo e que ficou acreditando no Ibope até o último segundo mesmo quando na apuração já estava claro que Jânio Quadros seria eleito.

Ou, para pegar um caso mais local, mas também bastante interessante, que o diga a população de Bragança Paulista. Lá o Ibope realizou nos dias 24 e 25 de setembro de 2012, poucos dias antes da eleição. uma pesquisa na cidade encomendada pelo jornal Diário de Bragança, veículo vinculado a um grupo político que tinha interesse naquela eleição. Pelo resultado, que foi  imediatamente parar no do programa eleitoral do candidato e virou jornais a serem distribuídos em todos os cantos da cidade, o candidato que acabou derrotado estava disparado na frente com 37%. E o candidato do  PT, Fernão Dias, que acabou eleito, tinha apenas 23%. Uma diferença de 14 pontos que a cidade inteira não acreditava existir. Mas que o Ibope cravou como o retrato daquele momento.

Pesquisas erram, pesquisas acertam. Isso é parte integrante de qualquer trabalho. Mas eu só quero dizer uma coisa, esse Ibope está muito esquisito.

******

Renato Rovai é  jornalista e editor da Revista Fórum. Mestre em Comunicação pela Universidade de São Paulo e doutorando na Universidade Federal do ABC. É professor da Faculdade Cásper Líbero.

O X que caracteriza o desencantamento com o Ibope…

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta