Desembargador Marcelino Everton tem posse solene no Tribunal de Justiça
Marcelino Everton recebeu a mais alta comenda do Judiciário (Foto: Ribamar Pinheiro)

Desembargador Marcelino Everton tem posse solene no Tribunal de Justiça

O desembargador Marcelino Chaves Everton foi agraciado, nesta quinta-feira (14), com o Diploma e a Medalha do Mérito Judiciário Antônio Rodrigues Vellozo, a mais alta comenda do Judiciário maranhense, na sala das sessões plenárias do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA).

A posse oficial do desembargador já havia ocorrido no dia 16 de outubro, quando o magistrado teve acesso ao cargo pelo critério de antiguidade.

Uma missa em ação de graças, na Catedral da Sé, antecedeu a solenidade. A cerimônia de diplomação, também chamada de posse solene, teve à frente o presidente do Tribunal, desembargador Antonio Guerreiro Júnior.

“Mais um membro notável que vem para a Corte e, hoje, tenho o privilégio de recebê-lo ainda como presidente do Tribunal, e a ele conferir a posse solene, legitimando-o de vez como desembargador efetivo da casa”, disse o presidente.

Marcelino Everton recebeu a mais alta comenda do Judiciário (Foto: Ribamar Pinheiro)

Guerreiro Júnior abriu a sessão solene e convidou os desembargadores Maria dos Remédios Buna e Paulo Velten a acompanharem Marcelino Everton ao plenário. Depois da execução do hino nacional, o presidente do TJMA entregou ao novo integrante da Corte o diploma e a medalha do mérito judiciário.

Coube ao corregedor-geral da Justiça, desembargador Cleones Cunha, o discurso de saudação a Marcelino Everton. Ele lembrou os 200 anos do TJMA e do papel da Justiça que precisa ser real, devendo estar presente na vida diária do cidadão. Ao se dirigir ao desembargador Marcelino Everton, referiu-se ao papel institucional do Judiciário maranhense em promover a paz social e garantir a Justiça a todo cidadão.

Referenciou a trajetória do magistrado na cidade de Arari e a sua carreira como juiz, cujo merecimento o levou a alcançar o cargo de desembargador. “Acreditando, assim, que conhece com intimidade, o justo, o ponderado e o razoável conhecimento indispensáveis ao exercício da magistratura e a verdadeira prática da Justiça. Ratificamos a honra e o orgulho que sentimos em atuar perante Vossa Excelência”, frisou.

Em seu discurso, Marcelino Everton ressaltou a história da Justiça aplicada no Maranhão desde a colônia, e relembrou sua própria trajetória, desde a época que estudou no Colégio de São Luís e residiu em pensionatos e repúblicas no centro antigo da capital, até ser aprovado no concurso da Magistratura, em 1981.

Ele afirmou ter convicção de continuar juiz, pretendendo seguir no mesmo propósito de ser justo frente aos fatos concretos, mediante o devido processo legal e a razoável duração, carecendo dos meios necessários e envolvimento dos magistrados, servidores, Ministério Público, polícia judiciária e advogados.

“Chego na forma regimental e com o coração aberto, disposto a somar e conviver harmoniosamente, compreender e ser compreendido, respeitar e ser respeitado”, enfatizou Marcelino Everton, agradecendo familiares – especialmente filhos, netos e irmãos, os conterrâneos da cidade de Arari/MA –, e prestando homenagens aos colegas desembargadores, saudando as três mulheres eleitas para a Mesa Diretora do TJMA.

O presidente Guerreiro Júnior agradeceu a todos ao encerrar a sessão. Compuseram a mesa o vice-governador, Washington Luiz de Oliveira, representando o governo do Estado; o deputado Edilázio Gomes da Silva Júnior, representando o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Arnaldo Melo; o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior; o presidente do TCE/MA, conselheiro Edmar Serra Cutrim; e a subprocuradora administrativa do Ministério Público estadual, Terezinha de Jesus Guerreiro Bonfim, representando a procuradora geral de Justiça, Regina Lúcia de Almeida Rocha.

PERFIL– Marcelino Chaves Everton nasceu no dia 21 de agosto de 1948, no município de Arari. É filho de José de Ribamar Everton e de Raimunda Didi Chaves. Tem dois filhos: a juíza de direito Ana Gabriela, atualmente na comarca de Pedreiras; e o advogado Marcelo Eduardo. O magistrado é também avô de três netos.

Foi aprovado em concurso de escrivão de polícia em 1970. Depois que se bacharelou em Direito pela Universidade Federal do Maranhão, em 1975, na última turma da antiga Faculdade de Direito da Rua do Sol, ascendeu ao cargo de delegado de polícia.

Ingressou na magistratura em maio de 1982, como titular da comarca de Vitória do Mearim, após ter sido aprovado em concurso para juiz no ano anterior.

Foi promovido por merecimento paras as comarcas de Carolina (1986-1990), e de Pedreiras (1990-1993), e por antiguidade para a comarca de São Luís, em setembro de 1993.

Iniciou na capital como juiz auxiliar, tendo sido titularizado na 5ª Vara da Fazenda Pública, que ele instalou, em 1997.

Por meio de permuta, foi para a 2ª Vara da Família em 2002, onde permaneceu até ter acesso ao cargo de desembargador.

Marcelino Everton participou de vários eventos de especialização no Brasil e no exterior. No país, esteve presente em diversos congressos de magistrados e cursos de direito processual civil e de direito de família, muitos deles de caráter internacional.

Em eventos organizados pela REDLAJ (Red Latinoamericana de Jueces, em espanhol) para congregar juízes ibero-americanos, participou de congressos em Barcelona (Espanha – 2007); Santiago (Chile -2008), Cartagena (Colômbia – 2010) e Lima (Peru – 2011).

Como juiz da 10ª Zona E leitoral, presidiu a solenidade de diplomação do prefeito e vereadores eleitos em 2004, em São Luís.

Recentemente, reuniu suas crônicas e artigos publicados em jornais maranhenses no livro “Crônicas de um Arariense”, pela editora Litograf. (Assessoria de Comunicação do TJMA – asscom@tjma.jus.br)

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta