Desde sábado, São Luís Luís já registra 17 ataques a ônibus, vans, carros da polícia e de particulares
Caos urbano: criminosos querem se sobrepor ao Estado.

Desde sábado, São Luís Luís já registra 17 ataques a ônibus, vans, carros da polícia e de particulares

G1 Maranhão

São Luís registrou 17 ataques a ônibus, microônibus, viaturas da polícia e carros particulares entre sábado (20) e a madrugada desta segunda-feira (22).  Foram incendiados mais três ônibus, na garagem da empresa Gonçalves, no bairro Santa Cruz; dois carros particulares em uma concessionária, na Avenida dos Africanos ( veja imagens enviadas ao G1por um internauta que não quis se identificar); e seis veículos que estavam em uma garagem de carros usados da Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP), no bairro do Radional, nesta segunda-feira, na capital maranhense.

Caos urbano: criminosos querem se sobrepor ao Estado.

Por medo dos ataques, os rodoviários suspenderam a circulação de ônibus entre 15h de sábado e 5h de domingo. O serviço funciona normalmente na manhã desta segunda-feira.

No domingo (21), foi incendiado um ônibus que transportava integrantes de um grupo de bumba meu boi no bairro Alemanha. No sábado (20), homens atearam fogo em quatro ônibus – dois deles na garagam de uma empresa no São Cristóvão, um no Alto do Pinho, outro na Santa Bárbara. Também foi incendiado um microônibus em São José de Ribamar, na Região Metropolitana de São Luís. Ninguém ficou ferido.

Prisões
De acordo com a polícia, até o momento, 15 homens foram presos e seis menores, apreendidos, suspeitos de integrar facções criminosas e participar dos incêndios a veículos no último fim de semana.

De acordo com a Polícia Militar, os ataques seriam ordenados por facções criminosas de dentro do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em represália a medida de contenção de rebeliões e fugas de presos.

Outros ataques
No dia 3 de janeiro deste ano, facções criminosas também orderam ataques a ônibus em São Luís em represália a uma operação da Polícia Militar no Complexo de Pedrinhas. Na ocasião,  quatro ônibus foram incediados e duas delegacias foram alvejadas. Em um dos ataques, morreu a menina Ana Clara Santos Sousa, de 6 anos, que teve 95% do corpo queimado, e outras quatro pessoas ficaram feridas – duas em estado grave.

Em novembro do ano passado, confrontos entre policiais e integrantes de facções criminosas resultaram em atentados contra trailers, delegacias da Polícia Militar e ônibus. No dia 9 de novembro, dois trailers e três delegacias da polícia foram alvejados. Morreu o soldado Francinaldo Sousa Pereira, 42. O sargento Marco Antonio Correa Cutrim e uma mulher ficaram feridos. Dois ônibus foram assaltados – um foi incendiado e parcialmente destruído após o assalto e, o outro, teve incêndio controlado pelo motorista após o assalto.

Em outubro do ano passado, durante rebelião na Casa de Detenção (Cadet) de Pedrinhas que matou 9 e deixou 20 feridos, uma ordem para incediar sete ônibus em São Luís partiu de dentro do presídio. Foram incendiados coletivos na Vila Kiola, Tibiri, Jardim São Cristovão, Maracanã, Janaína, Cohab Anil e Monte Castelo. Não houve feridos.

Ônibus são queimados durante ataques em São Luís (Foto: Marcial Lima/TV Mirante)

Ônibus são queimados durante ataques em São Luís (Foto: Marcial Lima/TV Mirante)

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta